Mestrado em Ensino em Ciências da Saúde

URI Permanente para esta coleção

Navegar

Submissões Recentes

Agora exibindo 1 - 5 de 558
  • Item
    Embargo
    A transição do cuidado, o papel do farmacêutico como educador em saúde
    (Universidade Federal de São Paulo, 2024-04-24) Solbiati, Vanessa Piovani [UNIFESP]; Mazzaia, Maria Cristina [UNIFESP]; Zihlmann, Karina Franco [UNIFESP]; http://lattes.cnpq.br/8737042226108033; http://lattes.cnpq.br/6423662828098950; http://lattes.cnpq.br/8888375575841201
    Esta pesquisa tem como objetivo conhecer a percepção e a atuação do farmacêutico como educador em saúde em farmácias comunitárias e hospitalares. Esta foi uma pesquisa exploratória, descritiva, de abordagem quantitativa e qualitativa, portanto, estudo multimétodo. Os participantes foram farmacêuticos atuantes em farmácias hospitalares e em farmácia comunitária, que responderam a dois tipos distintos de questionários semiestruturados sobre a atuação do farmacêutico no processo de orientação e educação em saúde nos contextos que desenvolvem suas atividades profissionais. Participaram desta pesquisa 82 farmacêuticos, sendo 51 farmacêuticos hospitalares e 31 comunitários de diferentes regiões do país. Referente aos farmacêuticos hospitalares, 41% trabalhavam em hospitais particulares, 63% realizavam orientações de alta a seus pacientes, deste percentual, 94% estabeleciam critérios para realização destas orientações, sendo relatado por estes profissionais os temas mais abordados e para quais pacientes que estas orientações eram destinadas. A retenção de informação pós-orientação, era realizada por 62% dos farmacêuticos. Referente aos farmacêuticos comunitários, 74% realizavam orientação para alguns pacientes e 23% para todos os pacientes na aquisição de medicamentos para o tratamento de doenças cardiovasculares, 80% dos farmacêuticos declararam realizar orientação verbal e 90% referiram que esta orientação era realizada no balcão da farmácia e o principal desafio relatado por 32,7% dos farmacêuticos para a realização destas orientações, foi o número de funcionários reduzidos. A construção do Produto Educacional, teve como objetivo relatar as etapas de idealização, elaboração, diagramação e avaliação de um Guia de Cuidado Farmacêutico e Medicamentos Cardiovasculares, com informações relevantes para consulta rápida de farmacêutico na orientação de seus pacientes, que é o produto educacional deste estudo. Esta pesquisa destacou a importância do farmacêutico como educador em saúde, que pode, por meio das orientações, fornecer aos seus pacientes, informações de qualidade sobre medicamentos e desta forma impactar a adesão da terapia medicamentosa.
  • Item
    Embargo
    Atuação do enfermeiro no processo de educação permanente em saúde na estratégia saúde da família
    (Universidade Federal de São Paulo, 2024-03-28) Palma, Luana Roberta dos Santos [UNIFESP]; Mazzaia, Maria [UNIFESP]; http://lattes.cnpq.br/6423662828098950; https://wwws.cnpq.br/cvlattesweb/PKG_MENU.menu?f_cod=F212C39E45F5BAA99A23AD32DB4D3B9F#
    Introdução: a Educação Permanente em Saúde (EPS) se faz presente no dia a dia da Atenção Primária, constituindo-se ferramenta importante para o enfrentamento dos grandes desafios encontrados nas Unidades Básicas de Saúde. Com a implantação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde, observou-se aumento de oferta de cursos, capacitações e atualizações para o Sistema Único de Saúde, destacando-se a participação do enfermeiro como representante da respectiva unidade, sendo incumbido, posteriormente, pela reprodução do conhecimento adquirido. Objetivos: conhecer a vivência dos enfermeiros da Estratégia Saúde da Família da região do Jardim São Luiz nos processos de EPS. Método: foi realizada uma pesquisa transversal de natureza exploratória, descritiva, utilizando-se recursos de abordagem qualitativa, com enfermeiros da Estratégia Saúde da Família da região do Jardim São Luiz no município de São Paulo, que responderam a um questionário, com questões abertas e fechadas sobre a realização de atividades de EPS nas Unidades de Saúde da Família. O estudo foi aprovado pelos Pareceres no. 5.866.676 e no. 5.982.094. Resultados: participaram 40 enfermeiros, em sua maioria entre 29 e 49 anos, brancos e pardos, com curso de especialização em saúde pública/coletiva/saúde da família, e não diferiam a EPS de outras abordagens da educação na saúde. No entanto, 47% referiram sentir-se parcialmente preparadas para executar ações de EPS e 77,5% referiram realizar essas ações em suas atividades diárias, com destaque ao momento da reunião das equipes. Os enfermeiros percebem ser a categoria profissional mais solicitada para participar de ações educativas e entendem ter necessidade de desenvolver essas ações, que deveriam ser incluídas na rotina de trabalho, o que implica a reestruturação das atividades da Estratégia Saúde da Família, pois falta de recursos materiais e tempo são os desafios percebidos para o desenvolvimento de ações de EPS pelo enfermeiro. Dos participantes, 35% avaliavam as ações de EPS como boas e 42,5% avaliaram a temática do estudo de grande importância. Não foi possível acessar dados nos órgãos gestores sobre ações de EPS e profissionais nelas incluídos, pois a origem dos profissionais não foi discriminada nos relatórios. Conclusão: o presente estudo possibilitou verificar déficit de conhecimento dos enfermeiros sobre abordagens da educação na saúde, a compreensão da importância da educação pelos mesmos, a necessidade de mudanças na conformação do trabalho da Estratégia Saúde da Família para a efetiva participação dos enfermeiros nas atividades de EPS, reduzindo-se a sobrecarga que limita esse profissional na reprodução e execução dessas ações.
  • Item
    Acesso aberto (Open Access)
    Gamificação no ensino técnico profissionalizante como uma ferramenta para ensino e aprendizagem
    (Universidade Federal de São Paulo, 2024-02-22) Mello, André Dalpino [UNIFESP]; Tarcia, Rita Maria Lino [UNIFESP]; Moura, Antônio Álvaro de Assis; http://lattes.cnpq.br/7484658295582373; http://lattes.cnpq.br/5091970329164141; http://lattes.cnpq.br/2670440523578476
    Introdução: A Gamificação é uma ferramenta que encontro na Educação um solo muito fértil para o seu crescimento, e nos últimos anos seu crescimento vem sendo expressivo. Está ferramenta não envolve necessariamente atividades com jogos eletrônicos, mas sim, a aplicação da lógica dos games em diferentes contextos, como no contexto escolar. A literatura afirma que a gamificação se constitui na utilização da mecânica dos games em cenários não games, criando espaços de aprendizagem mediados pelo desafio, pelo prazer e entretenimento que a técnica proporciona. Objetivo: O presente estudo tem como objetivo de avaliar a percepção e satisfação dos discentes do curso técnico profissionalizante em Análises Clínicas do Centro Método de Ensino frente à ferramenta da gamificação. Método: Este estudo é de caráter exploratório, descritivo e de abordagem qualitativa, e utilizaremos modalidade de grupo focal, onde através de um ambiente informal, visamos obter o máximo de informações sobre a experiência dos discentes com a ferramenta de gamificação. A ferramenta de gamificação a ser aplicada é o conteúdo gamificado Hematopoese, a qual, os discentes do terceiro módulo do curso técnico profissionalizante em Análises Clínicas, passaram pela experiência. Resultados e Discussão: Após a vivência com o conteúdo gamificado, os discentes foram submetidos a um encontro na modalidade grupo focal, onde foram coletados os apontamentos referentes à experiência com conteúdo gamificado. As análises dos dados evidenciaram ser uma ferramenta de gamificação positiva e aceita pelos discentes, onde contribuiu para o ensino e aprendizagem dos mesmos. Conclusão: A gamificação no curso técnico profissionalizante mostrou-se uma excelente ferramenta para o ensino e aprendizagem.
  • Item
    Acesso aberto (Open Access)
    Competências comuns em saúde do trabalhador: validação qualitativa crítica de uma proposta de especialização
    (Universidade Federal de São Paulo, 2024-03-04) Agripino, Nathalie Alves [UNIFESP]; Carnut, Leonardo [UNIFESP]; Guerra, Lúcia Dias da Silva; http://lattes.cnpq.br/8624417896750887; http://lattes.cnpq.br/2575803021196614; http://lattes.cnpq.br/5842947310667833
    Introdução: As transformações no mundo do trabalho e na vida, nas últimas décadas, têm deixado lacunas na preparação dos(as) profissionais da saúde para o desenvolvimento de ações voltadas à Atenção Integral à Saúde da população trabalhadora de forma qualificada. Objetivo: Analisar as competências comuns das profissões da saúde em Saúde do Trabalhador para a estruturação de uma proposta de Especialização Lato sensu. Método: Realizou-se uma pesquisa quali-quantitativa em quatro etapas. Na primeira etapa foi realizado um estudo descritivo das especializações em Saúde do Trabalhador (ST) e em áreas correlatas no Brasil. Na segunda etapa foi desenvolvida uma metassíntese qualitativa dos estudos sobre as competências comuns na área da Saúde do Trabalhador. Na terceira etapa, realizou-se uma pesquisa documental e análise de conteúdo das matrizes curriculares, referente à lista de cursos de especializações em ST ativos (com e sem egressos) identificadas na primeira etapa da pesquisa. Na quarta etapa, desenvolveu-se a validação qualitativa por especialistas da proposta de pós-graduação lato sensu em Saúde do Trabalhador criada a partir das informações analisadas nas etapas anteriores. Resultados: No estudo descritivo, percebeu-se que, estão cadastradas e ativas no sistema do Ministério da Educação, cerca de 107 cursos de pós-graduação lato sensu em saúde do trabalhador, sendo apenas 4 cursos promovidos por instituições de ensino públicas. Do total de cursos, apenas 39% tiveram ao menos um egresso no sistema, com apenas 5% de egressos em relação ao número de vagas ofertadas. Na metassíntese qualitativa cinco dimensões de análises foram identificadas: ‘sobre os conhecimentos’; ‘sobre as habilidades’; ‘sobre as atitudes’; ‘as conclusões dos estudos revisados’ e a ‘articulação das competências comuns para a definição de dimensões de conhecimentos e práticas em saúde do trabalhador’. A maior parte da literatura metassintetizada trata das habilidades em detrimento das atitudes e dos conhecimentos. Na análise de conteúdo das matrizes curriculares dos cursos de especialização em ST identificados viu-se que, apesar de se chamarem ‘Saúde do Trabalhador’, persiste uma apresentação de conteúdos mais alinhada à ‘Saúde Ocupacional’. Na fase final de validação da proposta de Projeto Político-Pedagógico (PPP) de um curso de especialização em saúde do trabalhador, os especialistas chegaram à conclusão de que as principais modificações que precisaram ser feitas foram nos ‘pressupostos teórico-metodológicos’ e na ‘organização pedagógica do curso’. Conclusões: Apesar das competências existentes sobre ST apresentar vazios substanciais relacionados ao tema (tanto nos cursos existentes analisados como na literatura internacional metassintetizada) fazendo com que o processo de formação profissional permaneça insuficiente, os dados encontrados podem ser usados para pensar mais além das áreas da Saúde Ocupacional e da Medicina do Trabalho, na tentativa de construir um campo da produção das competências comuns em ST. Produto Educacional: Ao fim, a proposta de PPP criada pelos dados anteriormente compilados, o processo de validação de conteúdo entre pares para produtos educacionais demonstrou-se essencial para repensar a formação evitandos os “conteudismos” (própria de uma tendência de supervalorização política de seus fazer específico de cada sujeito) sem perder a essencialidade de conteúdos que traduzem melhor o que é comum das competências necessárias em saúde do trabalhador para todos os trabalhadores de saúde do SUS.
  • Item
    Acesso aberto (Open Access)
    As contribuições do ensino de anatomia e fisiologia humana, urgência e emergência na formação de técnicos em enfermagem para o atendimento pré-hospitalar
    (Universidade Federal de São Paulo, 2023-11-29) Pastore, Renato Trevizan [UNIFESP]; Ferreira, Beatriz Jansen [UNIFESP]; http://lattes.cnpq.br/2401449110051240; http://lattes.cnpq.br/8294220287262240
    Introdução: O atendimento pré-hospitalar (APH) é vital na redução da morbimortalidade em emergências, com destaque para o papel dos serviços móveis de APH. A importância da capacitação da equipe, especialmente os Técnicos em Enfermagem, é enfatizada para garantir qualidade no atendimento. Considerou-se a história do APH nos âmbitos internacional e nacionalmente abordando a política nacional e programas vigentes bem como desafios como desigualdades regionais e formação profissional para enfrentar demandas crescentes. Objetivos: O estudo teve como objetivo geral analisar o desenvolvimento das disciplinas de anatomia, fisiologia humana, urgência e emergência no Curso Técnico em Enfermagem de uma escola técnica na região metropolitana de Campinas do Estado de São Paulo, considerando as perspectivas docente e discente, identificando os desafios e fortalezas na formação em anatomia/fisiologia humana e urgência/emergência para o APH. Métodos: Trata-se de pesquisa qualitativa ancorada em entrevistas junto aos docentes e grupos focais com discentes com uso da análise de conteúdo na modalidade temática para a compreensão dos dados; foram considerados: Portaria n. º 1.863/GM em 29 de setembro de 2003, Portaria nº 1864/GM em 29 de setembro de 2003 e Portaria n. º 2048/GM em 5 de novembro de 2002, Projeto Político Pedagógico – PPP institucional e os componentes curriculares do curso técnico em enfermagem. Resultados: A análise dos dados, à luz dos documentos considerados, evidenciou desafios sobre a necessidade de qualificação do corpo docente quanto às ações de planejamento curricular, envolvendo os pressupostos que norteiam o processo de ensino-aprendizagem. Na perspectiva discente, observou-se a dificuldade de aprendizagem decorrentes da falta de laboratórios de simulação, incluindo uma disponibilidade recursos audiovisuais como softwares para o ensino de anatomia e fisiologia, peças anatômicas, entre outras. Como fortalezas, destaca-se a experiência profissional dos docentes da disciplina urgência e emergência. Como produto de intervenção, propõe a qualificação docente para a formação básica de técnicos em enfermagem na perspectiva do APH. Considerações finais: Considera-se que a qualificação docente numa perspectiva de educação permanente em fundamentos do processo de ensino/aprendizagem e planejamento curricular se apresenta como uma ferramenta potente para esse processo. A necessidade de uma adequação estrutural como a inclusão de laboratório de simulação devidamente aparelhado se mostrou como uma condição premente para o desenvolvimento do processo formativo em APH desses futuros técnicos em enfermagem.