Transtorno do Défict de Atenção/Hiperatividade e a dinâmica familiar

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2011
Autores
Colonelli, Vera Lucia Lima Ladeira [UNIFESP]
Orientadores
Rizzutti, Sueli [UNIFESP]
Tipo
Dissertação de mestrado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Attention-Deficit Hyperactivity Disorder (ADHD) is a disorder characterized by deficits of neurological basis that causes the absence of inhibition and self-control. The diagnosis is often clinic and based on three categories of symptoms: lack of attention, impulsivity and hyperactivity based on the Diagnosis and Statistic Manual of Mental Disorders (DSM-IV). The role of genetics and environmental factors in the etiology of ADHD has already been discussed in the literature. Objective: The objective is to understand and describe the presence of psychosocial risks in the family dynamic that can contribute to the development and maintenance of ADHD. Method: method qualitative through semi-directed interviews with the parents based on the model of family therapy created by Salvador Minuchin. The sample was composed of 15 families of children between 6 and 12 years old, who had gone through a multidisciplinary diagnostic evaluation in the Ambulatory of the Children Neuropsychological Center (NANI). They presented positive results for ADHD: inattentive type, hyperactive/impulsive and the combined type, without the presence of comorbidities. Results: The results of the interviews have permitted the understanding and the description of risk factors present in the family dynamics to the development of ADHD. These factors are: deficient family structure with the indefinition of parental roles, bonding fragility, lack of clear limits, family rows caused by the child’s behavior, painful family histories of the parents origin that can interfere in the formation of a positive bonding in the family. Final Considerations: In the families with a functional dynamic, which is with the presence of parental care, clear and flexible definition of parental roles, expression of feelings, affection security, parents as authority figures are not enough to inhibit ADHD but they function as protection factors to the development of the disorder. The evaluation of these factors is important because they can contribute to the family treatment.
O Transtorno do Déficit de Atenção-Hiperatividade (TDAH) é um transtorno caracterizado por déficits de base neurológica que levam à perda de inibição e autocontrole. Seu diagnóstico é clínico e abrange três categorias principais de sintomas: desatenção, impulsividade e hiperatividade baseado no Manual Diagnóstico e estatístico de Transtornos Mentais (DSM-IV). A participação genética e de fatores ambientais na etiologia do TDAH é reconhecida na literatura. Objetivo: O objetivo deste trabalho é compreender e descrever a presença de fatores de risco psicossociais presentes na dinâmica familiar que podem contribuir para o desenvolvimento e manutenção do TDAH. Método: Método qualitativo, com utilização de entrevista semi-dirigida, realizada com os familiares, através de questões norteadoras baseada no modelo de terapia familiar estrutural de Salvador Minuchin. A amostra foi composta por quinze famílias com crianças entre seis e doze anos que passaram por avaliação diagnóstica multidisciplinar no Ambulatório do Núcleo de Atendimento Neuropsicológico Infantil (NANI) e apresentaram resultados positivos para TDAH do tipo desatento, tipo hiperativo-impulsivo e o tipo combinado, sem comorbidades. Resultados: Os resultados das entrevistas permitiram a compreensão e descrição de fatores de risco psicossociais presentes na dinâmica familiar para o desenvolvimento do TDAH, tais como estrutura familiar deficiente com indefinição de papéis parentais, ausência de limites claros, fragilidade de vínculos, desentendimentos familiares ocasionados pelo comportamento da criança, histórias dolorosas das famílias de origem dos pais que podem interferir na formação positiva dos vínculos familiares atuais. Considerações finais: Nas famílias onde a dinâmica familiar é funcional, a presença de cuidados parentais, definição clara e flexibilidade dos papéis familiares, expressão de sentimentos, segurança afetiva, figuras parentais de autoridade não são suficientes para inibir o TDAH, mas funcionam como fatores de proteção ao desenvolvimento do transtorno. A avaliação desses fatores é importante, pois pode contribuir com o tratamento da família.
Descrição
Citação
COLONELLI, Vera Lucia Lima Ladeira. Transtorno do Défict de Atenção/Hiperatividade e a dinâmica familiar. Dissertação (Mestrado em Educação e Saúde na Infância e na Adolescência) - Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Guarulhos, 2011.