Assombro ou rejeição: O Castelinho da Rua Apa a partir do processo e estudo de tombamento (1990-2011)

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2016
Autores
Maia, Aline de Cássia Martins [UNIFESP]
Orientadores
Atique, Fernando [UNIFESP]
Tipo
Trabalho de conclusão de curso
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
This study intend to make a reflection about the Castelinho of Apa Street, raised in 1917 in the Santa Cecilia neighborhood, São Paulo County- SP. Two documents produced in the 1990s discuss its refitment into a declared monument in a Municipal level, and the other in a State level, that will conduct our study to it. The building ,where lived the wealthy family Guimarães Reis, was a space of one of the most famous national crimes and , in addition to permanent building in São Paulo's urban landscape, because of that, it had a period to conduct the study and the process to be a declared monument had a curious approach. The space has provoked a debate by the agents of the two refitment comissions that brought us conceptions from architects, historians, lawyers, journalists and even the public opinion that came up. If the Municipal instance endorses the building as Historical monument of São Paulo, on the other hand, the state instance does not give it the same acknowledgment. In addition, the State of São Paulo also decreed that due to the irrelevance of the edification, the reopening of studies for a debate on the building is interposed. With this dilemma in hand, the study aims to understand issues of actions and impasses of monumental preservation, caused by differences of official protection, as understanding of the Paulistas monumental practices through this edification. Therefore, it propose a historical analysis about the discourses contained in the studies and refitment processes about the Castelinho of Apa Street, which resulted in different positions about it.
Este estudo pretende uma reflexão sobre o Castelinho da Rua Apa, erigido em 1917, no bairro de Santa Cecília, Município de São Paulo-SP. A partir de dois documentos produzidos na década de 1990 para a discussão de seu tombamento, um, em nível Municipal, e outro, em Estadual, conduziremos nosso estudo. A edificação onde habitou a abastada família Guimarães Reis foi o espaço de um dos mais famosos crimes nacionais e, além de edificação permanente na paisagem urbana paulistana, por conta disso, teve no período da tramitação de estudo e processo de tombamento, um enfoque curioso. O espaço deflagrou um debate pelos agentes das duas comissões de tombamento que trouxeram concepções de arquitetos, historiadores, advogados, jornalistas e mesmo da opinião pública à tona. Se, por um lado, a instância Municipal endossa a edificação como Patrimônio Histórico do Município de São Paulo, por outro, a instância Estadual não lhe atribui o mesmo reconhecimento. Para além disso, o Estado de São Paulo ainda decretou que face à irrelevância do bem, a reabertura dos estudos para debate sobre o edifício está vetada. Com esse dilema em pauta, o estudo propõe compreender tanto a problemática de ações e impasses de preservação patrimonial causados pelas divergências da proteção oficial, quanto entender as práticas patrimoniais paulistas por meio deste bem. Assim, propõe-se uma análise histórica sobre os discursos patrimoniais contidos nos estudos e processos de tombamento do Castelinho da Rua Apa, os quais redundaram em posições diversas sobre o mesmo bem.
Descrição
Citação
MAIA, Aline de Cássia Martins. Assombro ou rejeição: O Castelinho da Rua Apa a partir do processo e estudo de tombamento (1990-2011). Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado em História) – Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Guarulhos, 2016.
Coleções