Mulheres em situação de rua em uma Região do Município de São Paulo e suas necessidades de saúde

Imagem de Miniatura
Data
2023-03-28
Autores
Takayanagi, Lina Solange Vargas Perez [UNIFESP]
Orientadores
Spedo, Sandra Maria [UNIFESP]
Tipo
Dissertação de mestrado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Atualmente, um contingente considerável de pessoas vive em situação de rua, principalmente nas grandes cidades, no Brasil e no mundo. Esse fenômeno está relacionado com o aumento das desigualdades sociais, com o desemprego, o empobrecimento e a privação de bens e direitos. A vida nas ruas por período prolongado leva à diminuição e perda de vínculos sociais, exposição à violências e preconceitos, carência de itens básicos à sobrevivência, o que pode levar ao agravamento de condições de saúde, tanto físicas quanto mentais. Mulheres que vivem na rua são minoria em relação aos homens, contudo estão mais expostas a situações de vulnerabilidade e violência. O objetivo principal deste estudo foi compreender a percepção de mulheres em situação de rua sobre suas necessidades de saúde, em uma região do município de São Paulo (SP). Realizou-se um estudo de abordagem qualitativa, por meio de entrevistas em profundidade, de oito mulheres que vivem em situação de rua em territórios da região Sudeste do município de São Paulo, cisgênero e transgênero, tendo como referência o método da história de vida. As entrevistas foram gravadas em áudio e transcritas. A partir do conteúdo dessas entrevistas e do diário de campo, foram elaboradas narrativas das histórias de vida que foram analisadas a partir da técnica da análise de conteúdo. As necessidades relatadas pelas mulheres em situação de rua vão muito além das necessidades de saúde relacionadas a fatores biológicos e serviços de saúde. Suas identidades pessoais e coletivas, bem como suas condições de vida expandem os limites das necessidades em saúde dessas mulheres. Suas principais necessidades estão relacionadas a ter uma casa para morar, com os filhos; viver sem preocupação, a cada dia, se conseguirá comer alguma coisa; olhar as pessoas na rua sem ser julgada e/ou discriminada; viver sem medo de sofrer violências de pessoas e/ou do Estado. O acesso a serviços de saúde não foi destacado como problema relevante para essas mulheres. E, apesar de presentes em seus cotidianos, observou-se que esses serviços parecem não conseguir escutar os pedidos de socorro destas mulheres e dar encaminhamentos compatíveis a suas necessidades e expectativas. Explicitaram que o maior sonho era ter uma moradia digna, que não fosse a rua ou a calçada; essa seria a necessidade prioritária para essas mulheres.
Actualmente, un número considerable de personas vive en la calle, principalmente en las grandes ciudades, en Brasil y en el mundo. Este fenómeno está relacionado con el aumento de las desigualdades sociales, el desempleo, el empobrecimiento y la privación de bienes y derechos. La vida en la calle por un período prolongado conduce a la disminución y pérdida de vínculos sociales, exposición a la violencia y prejuicios, falta de elementos básicos para la supervivencia, lo que puede conducir al empeoramiento de las condiciones de salud, tanto física como mental. Las mujeres que viven en la calle son una minoría frente a los hombres, pero están más expuestas a situaciones de vulnerabilidad y violencia. El objetivo principal de este estudio fue comprender la percepción de las mujeres sin hogar sobre sus necesidades de salud, en una región de la ciudad de São Paulo (SP). Se realizó un estudio cualitativo, a través de entrevistas en profundidad, con ocho mujeres que viven en la calle en territorios de la región Sudeste de la ciudad de São Paulo, cisgenero e transgenero, utilizando como referencia el método de historia de vida. Las entrevistas fueron grabadas en audio y transcritas. A partir del contenido de estas entrevistas y del diario de campo, se elaboraron y analizaron narraciones de historias de vida mediante la técnica de análisis de contenido. Las necesidades reportadas por las mujeres en situación de calle van mucho más allá de las necesidades de salud relacionadas con factores biológicos y servicios de salud. Sus identidades personales y colectivas, así como sus condiciones de vida, amplían los límites de las necesidades de salud de estas mujeres. Sus principales necesidades están relacionadas con tener una casa para vivir con sus hijos; vivir sin preocupaciones cada día, de poder comer algo; mirar a la gente en la calle sin ser juzgado y/o discriminado; vivir sin temor a sufrir violencia por parte de las personas y/o del Estado. El acceso a los servicios de salud no fue destacado como un problema relevante para estas mujeres. Y, a pesar de estar presentes en su cotidiano, se observó que estos servicios parecen ser incapaces de escuchar los gritos de auxilio de estas mujeres y brindar referencias compatibles con sus necesidades y expectativas. Explicaron que su mayor sueño era tener una vivienda digna, que no fuera la calle ni la vereda; esta sería la necesidad prioritaria de est as mujeres.
Descrição
Citação
TAKAYANAGI, Lina Solange Vargas Perez. Mulheres em situação de rua em uma região do Município de São Paulo e suas necessidades de saúde. 2023. 110 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Saúde da Família - (PROFSAÚDE)) - Instituto de Saúde e Sociedade, Universidade Federal de São Paulo, 2023.