Distribuição espacial de resíduos sólidos no mesolitoral inferior de manguezais dos Sistema Estuarino de Santos - São Vicente

Imagem de Miniatura
Data
2022-12-09
Autores
Cavalcante, Eduardo dos Reis [UNIFESP]
Orientadores
Alves, Magno José [UNIFESP]
Tipo
Dissertação de mestrado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
As intervenções antrópicas afetam as zonas costeiras, onde se concentra a maior parte da população mundial, que degrada, de forma contínua, os ecossistemas costeiros, dentre os quais se destacam os sistemas estuarinos. Esses são os biomas mais produtivos do mundo, abrigando manguezais e estuários. Um dos fatores de comprometimento dos sistemas estuarinos é a poluição gerada pelo descarte de lixo, causando efeitos deletérios na vida selvagem e na qualidade do habitat, impactando o bioma, a economia, a paisagem e, até mesmo, a saúde e a segurança humana. Nesse contexto, este estudo dedicou-se a analisar a distribuição espacial de resíduos sólidos encontrados na faixa de mesolitoral de 13 áreas de manguezal do Sistema Estuarino de Santos e São Vicente. Em cada área foram determinados três quadrantes de coleta para retirada das amostras, que foram analisadas e classificadas por tamanho e constituição. O estudo constatou que, dentre todos resíduos, o material predominante é o plástico (60,4%) e o maior acúmulo encontra-se nos manguezais que margeiam residências subnormais (71,05%), onde também foi constatada a maior concentração de macroresíduos (71,65%), enquanto a menor concentração de resíduos foi verificada nas áreas industriais-portuárias (1,68%), onde não foram encontrados macroresíduos. Verificou-se também que não há variação significativa na distribuição de mesoresíduos nas proximidades de regiões residenciais, industriais-portuárias e não ocupadas. Portanto, as regiões residenciais necessitam de prioridade na proposição de ações preventivas e corretivas de caráter fiscalizatórios, educativos, normativos e técnicos, que visem a minimização e contenção da geração de resíduos sólidos nos manguezais do Sistema Estuarino de Santos e São Vicente.
Anthropogenic interventions affect coastal areas, where most of the world's population is live, which continuously degrades coastal ecosystems, among which estuarine systems stand out. These are the most productive biomes in the world, home to mangroves and estuaries. One of the factors compromising estuarine systems is the pollution generated by waste disposal, causing deleterious effects on wildlife and habitat quality, impacting the biome, the economy, the landscape, and even human health and safety. In this context, this study was dedicated to analyzing the spatial distribution of solid waste found in the mesolittoral range of 13 mangrove areas of the Estuarine System of Santos and São Vicente. In each area, three collection quadrants were determined for the removal of the samples, which were analyzed and classified by size and composition. The study found that, among all waste, the predominant material is plastic (60.4%) and the highest accumulation is found in the mangroves that border subnormal residences (71.05%), where the highest concentration of macro-waste was also found. (71.65%), while the lowest concentration of waste was found in industrial-port areas (1.68%), where no macroresidues were found. It was also verified that there is no significant variation in the distribution of meso-waste in the vicinity of residential, industrial-port and unoccupied regions. Therefore, residential regions need priority in proposing preventive and corrective actions of a supervisory, educational, normative and technical nature, aim at minimizing and containing the generation of solid waste in the mangroves of the Santos and São Vicente Estuarine System.
Descrição
Citação
CAVALCANTE, Eduardo dos Reis. Distribuição espacial de resíduos sólidos no mesolitoral inferior de manguezais dos Sistema Estuarino de Santos - São Vicente. 2022. 83 f. Dissertação (Mestrado Interdisciplinar em Ciência e Tecnologia do Mar) - Universidade Federal do Estado de São Paulo, Instituto do Mar, 2022.