As máquinas de memória: o corpo-vítima da ditadura militar brasileira como peça dos processos de subjetivação do contemporâneo

As máquinas de memória: o corpo-vítima da ditadura militar brasileira como peça dos processos de subjetivação do contemporâneo

Author Queiroz, Silvia Maria Brandao Autor UNIFESP Google Scholar
Advisor Teles, Edson Luis De Almeida Autor UNIFESP Google Scholar
Institution Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Graduate program Filosofia
Abstract The narrative structures itself by thinkers of the contemporary political philosophy, especially Gilles Deleuze and Félix Guattari. The main objective of the thesis is to think about the subjective, common and contemporary implications of the democratic processes of production of memories about the Brazilian dictatorship and its victims [1964-1985]. What effects of domination and resistance they manufacture, and what desires and actions they help to compose. The first hypothesis is that these policies move themselves around the victim of the organized left wing. The second hypothesis is that these policies are essentially fabricated by government institutions such as the Special Commission of Political Dead and Disappeared, the Amnesty Commission and the National Truth Commission, together with collectives of relatives of victims, survivors and human rights activists as the Commission of Relatives of the Dead and Disappeared of São Paulo, the Vladmir Herzog Institute and the Torture Never Again group of Rio de Janeiro. The third hypothesis is that they are machinic policies. Smaller and larger memory machines that among many components are also coupled with transitional justice, consensual reason, the controlled transition pact, impunity, the theory of the two demons, judicial machinisms, security machinisms, media machinisms, business machinisms, the internal enemy, and with crimes of torture, rape, murder, forced disappearance, etc. The fourth hypothesis is that the processes and products of these machines act at the same time by producing binary-dominant subjectivities and multiple-resistant subjectivities. Devices that compose appeasements as relatives of victims and survivors, who feel pacified by reparation measures or pardon staged by the Amnesty Commission, while these same devices act in the production of ways to wish war against those who receive financial assistance from the government because they are victims of the dictatorship, but that also participate in the composition of flows of desire to live with solidarity in the common space as it occurs among associations as the Comission of Relatives of the Political Dead and Disappeared of São Paulo and the Mothers of May movement. Larger machines that by their governmental nature act as conservation mechanisms of the State and its right to kill, but affected by smaller machines, also manufacture signifiers that act to break with the dualisms of the terms and correspondences. Smaller memory machines that plan to weaken binary implications such as the theory of the two demons, which infiltrates sayings and non sayings in the friend / enemy relation of dictatorship, and which unfolds itself in tactics of domination such as the production of the present killable and dead bodies; at the same time as they act as compositional pieces of representations and dualistic subjectivities, especially when their mechanisms are captured by the resentment produced by a justice that never comes. Larger and smaller memory machines that act in tension and complementarity, but whose joint action does not eliminate the conflict. Machines that, despite operating with focus on acknowledging political militant victims and limited by the implications of impunity, manufacture what has so far been better produced in the country in terms of recognition of the dictatorship and its victims.

A narrativa se estrutura atravessada por pensadores da filosofia política contemporânea, em especial Gilles Deleuze e Félix Guattari. O objetivo central da tese é pensar nas implicações subjetivas, comuns e contemporâneas dos processos democráticos de produção de memórias acerca da ditadura brasileira e de suas vítimas [1964-1985]. Que efeitos de dominação e resistência fabricam, que desejos e ações ajudam a compor. A primeira hipótese é que essas políticas se movimentam em torno do corpo vítima política da esquerda organizada. A segunda hipótese é que essas políticas são fabricadas fundamentalmente por instituições governamentais como a Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, a Comissão de Anistia e a Comissão Nacional da Verdade, e por coletivos de familiares de vítimas, sobreviventes e ativistas de direitos humanos como a Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos de São Paulo, o Instituto Vladmir Herzog e o grupo Tortura Nunca Mais do Rio de Janeiro. A terceira hipótese é que são políticas maquínicas. Máquinas de memória menores e maiores que dentre tantos componentes agem igualmente acopladas à justiça de transição, à razão consensual, ao pacto da transição controlada, à impunidade, à teoria dos dois demônios, aos maquinismos judiciais, securitários, midiáticos, empresariais, ao inimigo interno e aos crimes de tortura, estupro, assassinato, desaparecimento forçado, etc. A quarta hipótese é que os processos e produtos dessas máquinas agem ao mesmo tempo fabricando subjetividades binárias-dominantes e subjetividades múltiplas-resistentes. Dispositivos que compõem apaziguamentos como familiares de vítimas e sobreviventes, que se sentem pacificados por medidas de reparação ou pelo perdão encenado pela Comissão de Anistia, ao mesmo tempo que agem na produção de modos de desejar guerra contra quem recebe “bolsa ditadura”, mas que também participam da composição de fluxos de desejar habitar solidariamente o comum como ocorre em associações do tipo Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos de São Paulo e movimento Mães de Maio. Máquinas maiores que por sua natureza governamental atuam como mecanismos de conservação do Estado e de seu direito de matar; porém, afetadas pelas máquinas menores também fabricam significantes que agem para romper com os dualismos dos termos e das correspondências. Máquinas de memória menores que planejam furar com implicações binárias como a teoria dos dois demônios, que infiltra ditos e não ditos na relação amigo/inimigo da ditadura, e que se desdobra em táticas de dominação como a produção dos atuais corpos matáveis e matados; ao mesmo tempo que agem como peças compositoras de representações e subjetividades dualistas, em especial quando seus mecanismos são capturados pelo ressentimento produzido por uma justiça que nunca vem. Máquinas de memória maiores e menores que agem em tensão e complementaridade, mas cuja atuação conjunta não elimina o conflito. Máquinas que, apesar de operarem com foco nas vítimas militantes políticas e limitadas pelas implicações da impunidade, fabricam o que até o momento melhor se produziu no país em termos de reconhecimento da ditadura e de suas vítimas.
Keywords Political Philosophy
Dictatorship
Democracy
Memory Machines
Subjectivities.
Filosofia Política
Ditadura
Democracia
Máquinas De Memória
Subjetividades.
Language Portuguese
Date 2019-09-05
Research area Política, Conhecimento E Sociedade
Knowledge area Filosofia
Publisher Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extent 292 p.
Origin https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=7769699
Access rights Open access Open Access
Type Thesis
URI https://repositorio.unifesp.br/handle/11600/59495

Show full item record




File

Name: SILVIA MARIA BRANDAO QUEIROZ.pdf
Size: 2.215Mb
Format: PDF
Description:
Open file

This item appears in the following Collection(s)

Search


Browse

Statistics

My Account