Variabilidade individual da sonolência de camundongos submetidos à privação de sono aguda e crônica

Variabilidade individual da sonolência de camundongos submetidos à privação de sono aguda e crônica

Alternative title Individual variability of sleepiness in mice submitted to acute e chronic sleep deprivation
Author Fernandes, Guilherme Luiz Autor UNIFESP Google Scholar
Advisor Andersen, Monica Levy Autor UNIFESP Google Scholar
Institution Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Graduate program Psicobiologia
Abstract Introduction: Homeostatic sleep regulation has molecular markers, such as the adenosine-5’-triphosphate P2X7 and glutamate AMPAR receptors, or behavioral, such as sleep need, shown by sleepiness. However, there is a lack of evidence linking sleep need with the molecular mechanisms of homeostasis, which could be tested by acute and chronic sleep deprivation. Objectives: To investigate the development and related factors of sleepiness in sleep deprived mice. Methods: C57BL/6J mice (n=340) were distributed in 5 sleep deprivation groups, 5 sleep rebound groups and 10 control groups. Animals underwent acute total sleep deprivation for 3, 6, 9 or 12 hours or chronic sleep deprivation for 6 hours for 5 consecutive days. Sleep rebound groups had the opportunity to sleep for 1, 2, 3, 4 hours after acute sleep deprivation or 24 h after chronic sleep deprivation. During the protocol, sleep attempts were counted as a sleepiness index. After euthanasia, blood was collected for corticosterone assessment. Results: Using the average group sleep attempts, it was possible to differentiate between sleepy (mean> group average) and resistant to sleepiness animals (mean < group average). Frequency of resistant mice was 65%, 56%, 56% and 53% for 3, 6, 9 and 12h of acute sleep deprivation, respectively, and 74% in chronic sleep deprivation. 52% of the sleepiness variance might be explained by individual variation during chronic sleep deprivation and 68% of sleepiness variance during acute sleep deprivation could be attributed to extended wakefulness. 6 h of acute sleep deprivation lowered plasmatic corticosterone. Conclusions: Different degrees of sleepiness in sleep deprived mice were verified. Sleep deprivation per se was the main factor explaining sleepiness during acute sleep deprivation whereas in chronic deprivation individual variation was more relevant.

Introdução: A regulação homeostática do sono possui marcadores moleculares, como os receptores de adenosina 5’-trifosfato P2X7 e de glutamato AMPAR, e comportamentais, como a necessidade de sono, manifestada pela sonolência. Entretanto, faltam evidências testáveis pela privação de sono aguda e crônica que relacionem a necessidade de sono com os mecanismos moleculares de homeostasia. Objetivos: Investigar o desenvolvimento da sonolência e seus fatores relacionados em animais privados de sono. Métodos: Camundongos C57BL/6J adultos (n=340) foram distribuídos em 5 grupos de privação de sono, 5 grupos de sono rebote e 10 grupos controle. Os animais passaram por privação de sono total aguda por 3, 6, 9 ou 12 h, ou crônica por 6 h durante 5 dias consecutivos. Os grupos de sono rebote tiveram oportunidade de dormir por 1, 2, 3 ou 4 h após a privação de sono aguda ou 24 h após privação de sono crônica. Tentativas de sono durante os protocolos foram contabilizadas como índice de sonolência. Após eutanásia, o sangue foi coletado para dosagem da corticosterona. Resultados: Usando a média de tentativas de sono dos grupos, foi possível diferenciar animais sonolentos (média>média do grupo) de resistentes à sonolência (média <média do grupo). Observou-se a frequência de 65%, 56%, 56% e 53% de camundongos resistentes para 3, 6, 9 e 12 h de privação de sono aguda, respectivamente, e 74% na privação de sono crônica. 52% da variância da sonolência foi explicada pela variação individual na privação de sono crônica e, na privação aguda, 68% foi atribuída à vigília estendida. A privação de sono por 6 h reduziu a concentração de corticosterona. Conclusões: Verificou-se que existem diferentes graus de sonolência em camundongos privados de sono. A privação de sono foi o principal fator que explicou a sonolência na privação aguda de sono ao passo que na privação crônica, a variação individual foi mais relevante. Estabeleceu-se um método para extração e análise de proteínas de núcleos cerebrais específicos.
Keywords Sleep homeostasis
Sleepiness
Sleep deprivation
Homeostase do sono
Sonolência
Privação de sono
Language Portuguese
Sponsor Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP)
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)
Associação Fundo de Incentivo à Pesquisa (AFIP)
Grant number FAPESP: 2017/18455-5
CNPq: 169040/2017-8
Date 2019-11-28
Published in FERNANDES, Guilherme Luiz. Variabilidade individual da sonolência de camundongos submetidos à privação de sono aguda e crônica. 2019. 74 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo.
Research area Privação de Sono em Seres Humanos e Modelos Animais
Knowledge area Medicina e Biologia do Sono
Publisher Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extent 74 p.
Origin https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=8295189
Access rights Open access Open Access
Type Dissertation
URI https://repositorio.unifesp.br/handle/11600/58746

Show full item record




File

Name: 2019 FERNANDES, GUILHERME LUIZ.Mestrado.pdf
Size: 1.943Mb
Format: PDF
Description:
Open file

This item appears in the following Collection(s)

Search


Browse

Statistics

My Account