PPG - Enfermagem

URI Permanente para esta coleção

Navegar

Submissões Recentes

Agora exibindo 1 - 5 de 772
  • Item
    Embargo
    Adaptação e validação da versão em português-Brasil da Assessment Interprofessional Collaborative Leadership Scale (AICLS)
    (Universidade Federal de São Paulo, 2024-04-29) Silva, Natalia Dalforno da [UNIFESP]; Balsanelli, Alexandre Pazetto [UNIFESP]; Gonçalves, Geisa Colebrusco de Souza [UNIFESP]; http://lattes.cnpq.br/0097434850233282; http://lattes.cnpq.br/1857033024402274; http://lattes.cnpq.br/0087009287314595
    Objetivo: adaptar culturalmente e validar o instrumento Assessment Interprofessional Collaborative Leadership Scale, que mede a construção global da liderança colaborativa nas instituições e o nível de liderança colaborativa existente entre os profissionais da área da saúde. Método: trata-se de estudo metodológico, para adaptação transcultural e validação de instrumento, a partir das etapas de tradução, retrotradução, síntese, comitê de especialistas, pré-teste e posterior validação de conteúdo e estrutura interna. O instrumento na versão inglesa, original, contempla 28 itens, divididos em quatro dimensões: Relação simbiótica (Symbiotic relationships); Atenção plena (Mindfulness); Recursos compartilhados (Shared assets); e Capacidade de liderar (Capacity to lead). O comitê de especialistas foi composto por 17 especialistas que obedeceram aos seguintes critérios de inclusão: profissionais de saúde; brasileiros; cuja linha e expertise de pesquisa eram a prática interprofissional e colaborativa. Foi realizada a análise de equivalência linguística, considerada adequada para itens que obtiveram pontuações > 0,80. Utilizou-se a Razão de Validade de Conteúdo, considerada adequada para itens com pontuações > 0,529. A amostra do pré-teste foi composta por 40 pessoas, da população-alvo do instrumento, para a verificação da aplicabilidade da versão adaptada. A análise dos dados foi realizada por meio de testes psicométricos. Na extração de fatores, utilizou-se o Unweighted Least Squares (ULS), com rotação oblimin a partir de uma matriz de correlação policórica. Foram utilizados o Índice Kaiser-Meyer-Olkin (KMO) e o Teste de Esfericidade de Bartlett (TEB). Para a dimensionalidade do instrumento, foi adotada a técnica Optima Implementation of Parallel Analysis (PA) – análise paralela. Resultados: para validação, o instrumento foi preenchido integralmente por 318 profissionais de saúde que atuam em equipes multi e/ou interprofissionais. Eram majoritariamente do sexo feminino (79%) e da faixa etária de 31-40 anos (44%). A maioria tinha carga horária de trabalho semanal de 30-40 horas (67%). Quanto à maior titulação, 53% dos participantes tinham especialização. Entre os participantes, a maioria era de enfermeiros (44%), seguidos dos técnicos de enfermagem (37%) e fisioterapeutas (10%). Além disso, 26% dos profissionais atuavam em Unidades Semi-Intensivas. O tempo de atuação profissional predominante foi de 11 a 15 anos (24%), e 31% dos trabalhadores exerciam suas atividades na unidade atual entre um e três anos. No processo de adaptação transcultural, a versão brasileira resultou em uma versão equivalente à versão original, com 28 itens. O tempo de resposta médio foi de nove minutos e 23 segundos. Para adequação da amostra, considerou-se a fatorabilidade obtida de KMO = 0,94 e TEB = 2991,4. A análise paralela inicial indicou um modelo unidimensional, e pelas análises fatoriais exploratória e confirmatória, verificou-se que a melhor estrutura do instrumento foi alcançada com a remoção de oito itens. Foi utilizada a análise de resíduos para obter o modelo final, com 20 itens, apresentando cargas fatoriais adequadas (> 0,50 e comunalidade > 0,30) e variância explicada de 69,60%. Os índices de adequação do modelo estabeleceram-se em níveis satisfatórios (CFI=0,98; TLI=0,98; RMSR=0,04; RMSEA=0,07). A consistência interna foi avaliada por meio do alfa de Cronbach (0,97) e ômega de McDonald (0,97), com valores adequados. Conclusão: a Escala de Avaliação de Liderança Interprofissional Colaborativa, de estrutura unidimensional, composta por 20 itens, apresentou boas evidências de validade de conteúdo, processo de resposta e estrutura interna, considerada adequada para mensurar a liderança colaborativa interprofissional.
  • Item
    Acesso aberto (Open Access)
    Violência contra trabalhadores de enfermagem na pandemia de COVID-19: revisão de escopo
    (Universidade Federal de São Paulo, 2024-04-23) Silva, Cleverson Leal [UNIFESP]; Fernandes, Hugo [UNIFESP]; Gonçalves, Geisa Colebrusco de Souza [UNIFESP]; http://lattes.cnpq.br/0097434850233282; http://lattes.cnpq.br/4848621119107833; http://lattes.cnpq.br/8633603016135759
    Objetivo: Mapear e sintetizar as evidências científicas disponíveis sobre violência contra trabalhadores de enfermagem durante a pandemia de COVID-19. Métodos: Revisão de escopo elaborada de acordo com as recomendações do Instituto Joanna Briggs. A busca ocorreu entre junho e julho de 2022 de materiais publicados a partir de 2020 em inglês, português e espanhol nas bases de dados National Library of Medicine (PubMed), Cumulative Index to Nursing and Allied Health Literature (CINAHL), Web of Science, Excerpa Medica DataBASE (Embase), PsycINFO – APA PsycNET (American Psychological Association) e Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS). Foi realizada análise descritiva. Resultados: De um total de 56 publicações, nove estudos responderam aos critérios de seleção, sendo sete com qualidade metodológica elevada e dois moderada. O fenômeno ocorreu em diferentes países do mundo, sendo as vítimas usuais trabalhadores de enfermagem que atuavam na linha de frente, com menor tempo de formação, perpetrada por diferentes atores. Prejuízos psicossociais aos trabalhadores foram encontrados, além de riscos aos pacientes. Conclusão: Trabalhadores de enfermagem tiveram elevada incidência de violência durante a pandemia. As consequências da violência foram danosas à saúde dos trabalhadores de enfermagem, levando ao desejo de abandonar a profissão ou afetando a saúde física ou mental das vítimas. Como medidas de prevenção e controle foram sugeridas implementação de políticas públicas e estratégias administrativas para redução da violência contra essa população em condições de pandemias.
  • Item
    Acesso aberto (Open Access)
    Thirst Distress Scale for Patients with Heart Failure - Versão Brasileira: Adaptação Transcultural e Validade de Conteúdo
    (Universidade Federal de São Paulo, 2023-12-15) Conceição, Fabiana Cristina Lourenço [UNIFESP]; Lopes, Camila Takao [UNIFESP]; Santos, Vinicius Batista [UNIFESP]; http://lattes.cnpq.br/4234078077590338; http://lattes.cnpq.br/4904538541897667; http://lattes.cnpq.br/1002198373402424
    Objetivo: Adaptar culturalmente a Thirst Distress Scale for Patients with Heart Failure para o contexto brasileiro e analisar as evidências de validade de conteúdo da versão adaptada. Métodos: Estudo psicométrico de adaptação transcultural e avaliação da validade de conteúdo da TDS-HF, conduzido entre outubro de 2019 e janeiro de 2022. Foram cumpridas as seguintes etapas: 1) Dois tradutores brasileiros proficientes em inglês realizaram traduções independentes do inglês para o português; 2) Uma síntese das traduções foi realizada; 3) Dois retrotradutores nativos de inglês que vivem no Brasil realizaram retrotraduções independentes do português para o inglês; 4) As retrotraduções foram revisadas quanto à consistência conceitual pela autora do TDS-HF original; 5) Um processo iterativo de revisão com base nas observações da autora foi realizado; 6) Um comitê de sete profissionais de saúde especializados avaliou as equivalências semântica, idiomática, cultural e conceitual de maneira independente e anônima. Concordâncias acima de 80% foram consideradas aceitáveis. Todas as sugestões dos especialistas foram avaliadas pelas pesquisadoras e o conteúdo foi reavaliado até que a concordância fosse aceitável. 7) A validade de conteúdo foi avaliada por um comitê de profissionais especializados, que analisaram a clareza, relevância teórica e pertinência prática, sendo considerados aceitáveis os coeficientes de validade de conteúdo (CVC) acima de 0,80. Itens com CVC abaixo de 0,80 foram modificados e reavaliados até atingir valores adequados. 8) Um comitê de 40 pacientes com insuficiência cardíaca avaliou a compreensão dos itens e a aparência da versão adaptada da TDS-HF. O mérito das sugestões foi avaliado pelas pesquisadoras, gerando modificações quando necessário. As características dos pacientes e seu desempenho no TDS-HF foram analisados de maneira descritiva, incluindo frequências absoluta e relativa, média e desvio padrão. O projeto foi aprovado pelos Comitês de Ética em Pesquisa da Universidade Federal de São Paulo e do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia do Estado de São Paulo. Resultados: Houve semelhanças conceituais entre as traduções e retrotraduções, com uso de sinônimos. A autora da escala original considerou as retrotraduções conceitualmente consistentes com a versão original, embora tenha identificado um termo que poderia ser de difícil compreensão para a população em geral, o que foi resolvido durante a revisão iterativa. Após as avaliações, foram obtidas evidências satisfatórias de equivalência e o CVC total do instrumento foi de 0,95. A maioria dos pacientes compreendeu os itens da versão brasileira e considerou adequado o tamanho da fonte e a formatação. Conclusão: A versão brasileira da TDS-HF guarda equivalência linguística com a versão original e reúne satisfatórias evidências de validade de conteúdo. Demais propriedades psicométricas deverão ser avaliadas para utilização do instrumento no Brasil.
  • Item
    Acesso aberto (Open Access)
    Análise da sobrevida e fatores associados ao óbito de pacientes graves com Covid-19
    (Universidade Federal de São Paulo, 2023-11-28) Cunha, Maximina de Barros [UNIFESP]; Barbosa, Dulce Aparecida [UNIFESP]; Fonseca, Cassiane Dezoti da [UNIFESP]; http://lattes.cnpq.br/0639643818813583; http://lattes.cnpq.br/1924137485244907; https://lattes.cnpq.br/2691934791858277
    INTRODUÇÃO: O Brasil vivenciou diferentes ondas e contextos epidemiológicos da COVID-19 apresentando altas taxas de mortalidade, variando de 24,5% a 97,2%, nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI), entretanto os dados sobre a relação da sobrevida e óbito em pacientes graves infectados com a doença do coronavírus-19 (COVID-19) ainda são incipientes. OBJETIVO: Avaliar os fatores associados ao desfecho óbito em pacientes graves com COVID-19. MÉTODO: Coorte retrospectiva de pacientes internados em UTI e infectados com SARS-CoV-2, seguidos durante 30 dias de março de 2020 a abril de 2021 em um hospital de referência. Foram incluídos no estudo pacientes admitidos na UTI; idade ≥ 18 anos; exame nasofaríngeo de RT-PCR para SARS-CoV-2 positivo. Foram excluídos os pacientes em cuidados paliativos, reinternações e com perda de seguimento. A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética da UNIFESP. Os dados foram gerenciados na plataforma eletrônica REDCap. Realizada análise descritiva em relação ao desfecho das variáveis categóricas, o teste qui-quadrado para verificar as associações entre as variáveis e modelo de regressão logística múltipla backward Stepwise tendo como variáveis preditoras as características sociodemográficas e clínicas, considerando como diferenças significantes quando os testes apresentaram p-valor <0,05. RESULTADOS: A amostra total foi 716 pacientes, 507 óbitos (70,8%) e 209 (29,1%) sobreviventes. No grupo óbito 64,1% eram do sexo masculino e 52,0% tinham entre 61 e 80 anos e odds ratio (OR) =3.19. Na frequência dos tratamentos específicos predominaram-se o uso de corticóides (50%), anticoagulantes (95,9%), o uso de Ceftriaxona (61,1%), no grupo dos sobreviventes e a Vancomicina (79,0%) e outros antibióticos (68,8%), no grupo óbito. Os marcadores de função renal como a creatinina (80,9%) e ureia (65,7%) estiveram alterados, logo, na admissão, contudo, a hemoglobina (58,2%), os leucócitos (52,4%), as plaquetas (37,6%) e o d-dímero (97,1%), apresentaram relevância a partir das 48 horas, no grupo óbito, corroborando com a condição clínica de gravidade do paciente. Na análise multivariada identificaram-se as seguintes variáveis como fator de risco dependente do desfecho óbito: a faixa etária de 61-80 anos, os > 80 anos, a ventilação mecânica invasiva, diálise, corticoides, vancomicina, plaquetas 24 hs e outros antibióticos. Apesar da interação do uso da vancomicina (OR=2,15; IC=1,26-3,65; p<0,005) com a ventilação mecânica invasiva (OR=12,36; IC=6,82-23,20; p<0,001), a curva ROC do modelo ajustado (AUC=0.904) apresentou bom desempenho de predição do modelo proposto. CONCLUSÃO: Nessa casuística os fatores associados para predizer mortalidade dos pacientes graves com COVID-19 foram: idade avançada, o uso de antibióticos específicos, uso corticoides, marcadores inflamatórios e de coagulação sanguínea e os submetidos a terapia de suporte como dialise e ventilação mecânica.
  • Item
    Acesso aberto (Open Access)
    Adaptação e validação do protocolo SPIKES para comunicação de más notícias entre profissionais de saúde e famílias de potenciais doadores de órgãos e tecidos
    (Universidade Federal de São Paulo, 2024-05-02) Saba, Eliana Nadim [UNIFESP]; Roza, Bartira de Aguiar [UNIFESP]; Knihs, Neide da Silva [UNIFESP]; Costa Neto, Sebastião Benício da; http://lattes.cnpq.br/4174214991022305; http://lattes.cnpq.br/6712785343402727; http://lattes.cnpq.br/9255434835123749; http://lattes.cnpq.br/0093621043196903
    A comunicação de más notícias no processo de doação de órgãos e tecidos é primordial desde o momento da possibilidade de abertura do protocolo de morte encefálica, até o seu fechamento, momento em que deve ser realizada a entrevista para informar à família sobre o direito de doação de órgãos. O profissional de saúde representa o elo entre a dor da perda e a possibilidade de doação/vida. O protocolo SPIKES engloba o que é importante na Comunicação de más notícias e contexto de Morte encefálica e doação de órgãos: acolhimento dos sentimentos frente a dor, empatia, presença e informações adequadas. Assim, torna-se importante o estudo de validação do protocolo SPIKES, proporcionando maior segurança e eficácia na atuação dos profissionais de saúde. Objetivo: Realizar a validação do protocolo SPIKES para a comunicação de más notícias entre os profissionais de saúde e familiares dos potenciais doadores de órgãos e tecidos. Metodologia: Pesquisa metodológica, utilizando o método Delphi, para validação de conteúdo do protocolo SPIKES no contexto de comunicação de más notícias para doação de órgãos e tecidos. Amostra de 10 profissionais de saúde com expertise no assunto, sendo: 03 médicos, 03 enfermeiros, 03 psicólogos e 01 assistente social. Realizou-se a coleta de dados em dois ciclos. Em cada ciclo o comitê de especialistas respondeu o instrumento/questionário autoadministrado elaborado pela pesquisadora, com perguntas fechadas seguindo a escala Likert com escores, que requer a indicação em cada item do grau de equivalência ou não equivalência pelos juízes. Para a análise de dados foi utilizado o método quantitativo com o uso do Índice de Validade de Conteúdo (IVC). Resultados: No primeiro ciclo da coleta de dados, o Índice de validade de conteúdo (IVC) total teve como resultado 0,93 e no segundo ciclo o IVC total de 1,02, em ambos permaneceu superior a 0,80 proposto, comprovando a conformidade entre os especialistas e a validade de conteúdo do protocolo SPIKES para ser usado pelos profissionais de saúde na comunicação de más notícias e entrevista familiar no processo de doação de órgãos e tecidos. Conclusão: O protocolo SPIKES foi validado e adaptado para ser utilizado na comunicação de más notícias entre os profissionais de saúde e familiares dos potenciais doadores de órgãos e tecidos. Os especialistas também contribuíram com recomendações a serem utilizadas pelos profissionais de saúde no momento da comunicação de más notícias e entrevista familiar para doação de órgãos e tecidos.