PPG - Economia e Desenvolvimento

URI Permanente para esta coleção

Navegar

Submissões Recentes

Agora exibindo 1 - 5 de 51
  • Item
    Acesso aberto (Open Access)
    Do ideal à realidade: Economia Solidária e seus Desafios
    (Universidade Federal de São Paulo, 2024-02-23) Souza, Jessica Giani Brito de [UNIFESP]; Souza, Luciana Rosa de [UNIFESP]; http://lattes.cnpq.br/9904166775169257; http://lattes.cnpq.br/3394670010669237
    Este texto de dissertação examina a economia solidária, confrontando sua teoria com a prática e compreendendo seus desafios no cenário brasileiro. A pesquisa utiliza dados do Observatório Nacional de Economia Solidária e do Cooperativismo, analisando 19.708 empreendimentos econômicos solidários entre 2009 e 2013. Desafios como estratégias de comercialização, preservação ideológica, acesso a crédito e capacitação técnica foram identificados como interligados à realização dos ideais da economia solidária. Em resumo, o trabalho oferece uma análise crítica da economia solidária e suas fragilidades, destacando a necessidade de medidas favoráveis para superar os desafios e alcançar seus objetivos.
  • Item
    Acesso aberto (Open Access)
    Pandemia de Covid-19: o "nós por nós" na favela Colinas D'Oeste em 2022
    (Universidade Federal de São Paulo, 2024-02-22) Santos, Micaelli Lobo dos [UNIFESP]; Souza, Luciana Rosa de [UNIFESP]; http://lattes.cnpq.br/9904166775169257; http://lattes.cnpq.br/0802763702584925
    O Brasil apresenta altas taxas de pobreza e ampla desigualdade na distribuição de renda, traços que implicam na dificuldade de acesso de grande parte da população aos direitos essenciais básicos da vida humana. A condição de vulnerabilidade social de um indivíduo pobre está relacionada à miséria estrutural que em momentos de crise econômica leva o ser humano ao desemprego ou subemprego. Nesse contexto, a pandemia da Covid-19 provocou efeitos severos na economia do país, agravando as situações de pobreza e desigualdades sociais, além de expor as fragilidades das famílias ao acesso de moradias dignas, alimentação, renda, saneamento básico, etc. Assim, o presente estudo se consolida como uma pesquisa-ação que tem como objetivo expor as vulnerabilidades, as reinvenções e os meios de sobrevivência desenvolvidos na favela Colinas D’Oeste, situada em Osasco/SP durante a pandemia da Covid-19. Trata-se de um território vulnerável que teve sua pobreza escancarada no período pandêmico. Dessa forma, a pesquisa assume a forma de um estudo de caso de caráter exploratório-descritivo e produz dados primários qualitativos e quantitativos, em um momento crítico de recuperação econômica e incertezas. O estudo apresenta sua originalidade ao determinar o grau de vulnerabilidades à luz da abordagem das capacitações de Amartya Sen, além de propor um conjunto de recomendações ao poder público. Os resultados apontam que as principais vulnerabilidades identificadas no Colinas D’Oeste são: a dificuldade de acesso à aquisição de alimentos (falta de funcionamentos), ao mercado de trabalho formal (ausência de capacitações) e à moradia digna (escassez de intitulamentos). Dentre os grupos do território que apresentam o maior grau de vulnerabilidade, se concentram as mulheres negras (pretas ou pardas), analfabetas ou que concluíram somente o ensino fundamental básico, com renda familiar entre 1 a 3 salários mínimos, com mais de 3 moradores no domicílio e, em muitos casos, chefes de família. As formas de organização social foram estratégias importantes para garantir o acesso aos alimentos e gerar, mesmo que em menor medida, fonte renda para a subsistência dos moradores. Nesse sentido, as reinvenções sociais se transfiguram como o “nós por nós” nas favelas, que mesmo com suas potências e fragilidades, se demonstraram cruciais para enfrentar os momentos mais críticos da pandemia. Nesse ínterim, são recomendadas políticas públicas anti pobreza voltadas ao combate à fome estrutural, geração de emprego e renda, moradias, saneamento básico, inclusão digital e fomento à arte e cultura.
  • Item
    Acesso aberto (Open Access)
    Grupos de interesse e política cafeeira no governo Juscelino Kubitschek: a atuação de agentes privados no Instituto Brasileiro do Café
    (Universidade Federal de São Paulo, 2021-05-18) Pizzani, Matheus Pires Mariniello [UNIFESP]; Tessari, Cláudia Alessandra [UNIFESP]; Barbosa, Fábio Luís dos Santos [UNIFESP]; http://lattes.cnpq.br/8309807316441794
    O objetivo do trabalho é descrever a maneira pela qual se deu a participação da Sociedade Rural Brasileira na formação da política cambial do café durante o governo de Juscelino Kubitschek como presidente da República, com foco nos anos de 1958 a 1960, período que compreende o mandato de Renato Costa Silva, ex-presidente da entidade, como presidente do Instituto Brasileiro do Café, órgão responsável pela elaboração da política cambial voltada exclusivamente para o produto. A metodologia utilizada contemplou a utilização de fontes primárias, em especial a revista “A Rural”, publicada pela Sociedade Rural Brasileira, bem como trechos de discursos de congressistas e outros atores relevantes para o bom entendimento desta temática. Como ferramenta analítica foi escolhida a teoria do neocorporativismo, que tem como objeto de estudo a relação entre grupos de interesse e entidades públicas no âmbito de democracias liberais, característica marcante deste período. O resultado obtido a partir da combinação dos elementos teóricos e históricos foi a constatação de que durante o período em questão houve uma aproximação significativa entre representantes da esfera do capital e o governo, que buscaram construir de maneira conjunta uma política que atendesse aos interesses de ambos, sendo eles: o aumento dos lucros auferidos pela venda de café, pauta de interesse do primeiro grupo, e a elevação da quantidade de divisas geradas a partir destas vendas, objetivo do segundo. A principal conclusão observada é de que a partir de um arranjo neocorporativo foi de fato possível combinar interesses que até então eram vistos como antagônicos, algo que só foi possível graças às instituições públicas do período, que ao invés de funcionarem como arena para o conflito de poderes entre as esferas previamente citadas, tornou-se um espaço de mediação e conciliação de interesses destes atores.
  • Item
    Acesso aberto (Open Access)
    Padrões e evolução da demanda por vestuário no Brasil: uma análise a partir da POF entre 2008 a 2018
    (Universidade Federal de São Paulo, 2023-09-06) Lima, Liliane Melo de [UNIFESP]; Araujo, Veneziano de Castro [UNIFESP]; http://lattes.cnpq.br/2491702233543713; http://lattes.cnpq.br/0179884257595545
    O objetivo primário deste trabalho é compreender os hábitos de consumo de vestuário do brasileiro médio e determinar o volume e tendências de gastos com roupas e calçados nas cinco Grandes Regiões do Brasil. Busca-se esclarecer quais foram as mudanças observadas no comportamento do consumidor nos últimos anos e definir, estimando a elasticidade dos itens do grupo, o seu enquadramento como bens essenciais ou bens de luxo e a sensibilidade a preços. Foram utilizados dados da Pesquisa de Orçamento Familiar de 2008 e 2018, produzida pelo IBGE, construindo um panorama que permite classificar e comparar hábitos de consumo de diferentes faixas de renda e observar variações ao longo do tempo. A partir das análises e da mensuração dos gastos com vestuário segregados por faixa de renda, conclui-se que apesar das diferenças no comportamento de consumo das famílias domiciliadas em diferentes regiões do Brasil há evidências de que o rendimento é provavelmente a variável de maior influência no consumo das famílias. Em um período de 10 anos, constata-se que a inflação do setor de vestuário foi menor do que a inflação de outros bens e serviços, causando uma redução da proporção que o gasto com roupas e calçados representa nas despesas totais das famílias. Com dados de 44.686 domicílios foi estimado um Modelo de Demanda QUAIDS para a POF 2018 comprovando que a demanda por roupas em geral é elástica e as cruzadas apresentam substituição.
  • Item
    Acesso aberto (Open Access)
    Indústria criativa em Salvador-BA: uma análise dos padrões espaciais
    (Universidade Federal de São Paulo, 2023-09-01) Queiroz, Rafael Machado de [UNIFESP]; Porto , Paulo Costacurta de Sá [UNIFESP]; http://lattes.cnpq.br/3851033592036079; http://lattes.cnpq.br/4179339148480823
    O conceito de economia criativa envolve o conjunto de atividades econômicas relacionadas à produção e distribuição de bens e serviços que utilizam a criatividade e as habilidades dos indivíduos ou grupos como insumos primários. Trata-se de um setor da economia estruturado em quatro grandes áreas: Consumo, Cultura, Mídias e Tecnologia. Esta dissertação tem como objetivo elaborar uma análise espacial dos setores de Consumo e Cultura na cidade de Salvador (BA) para o ano de 2021. Tem sua metodologia fundadas nas bases de dados do Observatório SSA, de onde vem os dados socioeconômicos dos bairros de Salvador, e na base de dados de empresas dos setores de Consumo e Cultura nos bairros de Salvador, fornecida pela empresa Speedio. A partir daí, foi feita uma Análise Exploratória de Dados Espaciais (AEDE), incluindo a análise visual dos efeitos espaciais, o cálculo do I de Moran e a análise LISA para exibir as aglomerações de empresas desses setores nos bairros de Salvador. Foram elaboradas análises univariadas para as variáveis número de empresas de Consumo e de Cultura em Salvador, e análises bivariadas entre as variáveis número de empresas de Consumo e de Cultura e algumas variáveis de controle (como Renda, População, Infraestrutura de Saúde e Educação). Espera-se que esta dissertação possa incentivar a elaboração de estudos dessa natureza em outras capitais brasileiras para que o entendimento a respeito da Indústria Criativa se desenvolva no Brasil.