Desenvolvimento de biossensor para deteção de biomarcadores de câncer de ovário baseado na técnica de SPRi

Imagem de Miniatura
Data
2023-03-30
Autores
Macedo, Erenildo Ferreira de
Orientadores
Tada, Dayane Batista
Tipo
Tese de doutorado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Considerado o câncer ginecológico mais letal, o câncer de ovário epitelial (COE) é em geral, diagnosticado na fase avançada resultando em uma sobrevida de 5 anos em 40 % dos casos. A falta de técnicas confiáveis que sejam capazes de detectar precocemente a doença desperta o interesse na busca de uma solução para este problema. Infelizmente, não há biomarcador específico e comumente é avaliado o nível sérico do CA-125 para diagnóstico e prognóstico da neoplasia. Embora este também não seja específico para COE, pode ser utilizado juntamente com a mesotelina aumentando a especificidade, visto que, estudos apontam que a interação dessas moléculas tem relação com o processo metastático da doença. Portanto, torna-se interessante o desenvolvimento de um biossensor capaz de detectar simultaneamente a mesotelina e o CA-125. O foco desta tese foi o desenvolvimento de um biossensor capaz de detectar simultaneamente e em baixas concentrações, as moléculas, CA -125 e mesotelina, tanto livre quanto associados entre si. O biossensor está baseado na técnica de Ressonância Plasmônica de Superfície (SPR) e sua alta sensibilidade foi alcançada pelo uso de nanopartículas de ouro (AuNPs) capazes de captar os biomarcadores nas amostras líquidas aumentando a concentração local dos analitos sobre o sensor e aumentando o sinal de SPR por acoplamento eletrônico. Uma vez desenvolvido o biossensor, esse poderá ser aplicado no estudo do possível uso de mesotelina e CA-125 como biomarcadores de COE no estádio inicial. O estudo analisou sucessivas injeções dos biomarcadores CA-125 e mesotelina, ambos em solução (intervalo analítico 9 nM a 120 nM). A partir desta análise foi obtido os respectivos limites de detecção ou quantificação: 3,03 nM e 13,62 nM. O biossensor detectou a mesotelina em uma concentração próxima do ponto de corte para COE (3 nM) e foi capaz de detectar o biomarcador CA-125 em baixa concentração (9 nM). Além disso, o biossensor interagiu preferencialmente e simultaneamente com os biomarcadores CA-125 e mesotelina incubados em soro fetal bovino. Por fim, o uso de AuNPs aumentou o sinal do sensor em 1,5 vezes para detecção de CA-125 se comparado a detecção direta e apresentou maior seletividade para ambos os biomarcadores. Portanto, o biossensor apresenta importantes características que viabiliza o teste com amostras reais e, em um futuro projeto, poderá ser usado no diagnóstico e prognóstico do COE.
Descrição
Citação