Influência de barreiras submersas de geobags na ictiofauna da zona de arrebentação na região de Santos e São Vicente, São Paulo, Brasil

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2019-11-28
Autores
Padovan, Pamela Brocenschi [UNIFESP]
Orientadores
Choueri, Rodrigo Brasil [UNIFESP]
Tipo
Trabalho de conclusão de curso de graduação
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Nas últimas décadas os geossintéticos ganharam espaço em obras de engenharia realizadas na região costeira. Dentre suas diversas aplicações, passou a ser utilizado como barreiras submersas em diferentes lugares, a fim de evitar a erosão e minimizar estragos causados por ressacas marítimas. Grande parte de cidades litorâneas sofrem com os efeitos das ressacas, e o município de Santos não é uma exceção. Devido a esse problema, foi desenvolvido na região da Ponta da Praia um projeto-piloto que constituiu na implementação de barreiras submersas de geobags. Pelo ineditismos em se utilizar tais métodos para dissipação de ondas no país, o presente trabalho tem como objetivo avaliar alterações na estrutura da assembleia de peixes da zona de arrebentação como consequência da colocação de barreiras submersas de geobags. Para a realização do estudo, foram utilizados dados obtidos através de um projeto desenvolvido por pesquisadores do Instituto de Pesca APTA/SAA/SP, o qual consistiu na realização de coletas em três praias pertencentes a Baía de Santos: Itararé (São Vicente), José Menino e Aparecida (Santos). As coletas foram realizadas através de uma rede e arrasto do tipo picaré e contou com dois períodos de estudo, antes (janeiro a julho de 2017) e após (janeiro a julho de 2018) da colocação dos geobags. Em cada ponto, antes de iniciar os arrastos (tréplicas) foram mensuradas salinidade e temperatura da água. Para a obtenção dos resultados, os organismos foram identificados a nível de espécies, contados e pesados de forma individual, para então a realização das análises. Para verificar a diferença da salinidade e temperatura em relação aos locais e os dois períodos de estudo foi realizada a análise de variância bifatorial (ANOVA), mostrando que não teve diferença significativa. Com a finalidade de avaliar se houve perturbações nas áreas de coleta nos períodos antes e após a colocação foram geradas curvas ABC (abundance biomass comparison). Para verificar os índices ecológicos foram calculados a riqueza absoluta, equitatividade de Pielou e diversidade de Shannon-Wiener. Para este último foi gerado a PERMANOVA (análise multivariada permutacional de variância). O mesmo teste estatístico não paramétrico foi realizado, através do índice de similaridade de Bray-Curtis, com o intuito de avaliar a similaridade da assembleia de peixes, bem como os gráficos de Escalonamento Multidimensional Não Métrico (NMDS) e a Análise de Similaridade de Percentagens (SIMPER). De forma geral, o estudo realizado identificou uma pequena interferência na alteração na fauna de peixes no local de intervenção, mas que não foi o suficiente para modificar a estrutura da ictiofauna da zona de arrebentação. Este tipo de trabalho é inédito no Brasil e visa avaliar e entender impactos de obras costeiras, colaborando assim como fonte de consulta para a gestão costeira.
Descrição
Citação
PADOVAN, Pamela Brocenschi. Influência de barreiras submersas de geobags na ictiofauna da zona de arrebentação na região de Santos e São Vicente, São Paulo, Brasil. 2019. 40 f. Trabalho de conclusão de curso de graduação (Engenharia Ambiental) - Instituto do Mar, Universidade Federal de São Paulo, Santos, 2019.