AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA PORNOGRAFIA NÃO CONSENSUAL

Carregando...
Imagem de Miniatura
Data
2021-03-05
Autores
Mota, Marcos Vinicius
Orientadores
Bretas, José Roberto da Silva
Tipo
Tese de doutorado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
A violência de gênero é de representação social em mídias pela exposição não consensual da intimidade em desvinculações interpessoais, rompimentos de relacionamentos. Este roteiro comportamental tem motivações atreladas a perda do controle do outro e no processo de objetificação: prostituta. Representações de vulnerabilidades como a “confiança” estão relacionadas à condição da juventude na exploração da sexualidade também pelas mídias. Os objetivos desse estudo foram organizados em desvelar as Representações Sociais em cenários vinculados à produção e consumo de pornografia não consensual; interpretar os roteiros sexuais que contribuem para a ocorrência do fenômeno de “pornografia não consensual” e compreender as vulnerabilidades emergentes desse contexto. As informações para análise foram coletadas por instrumento de acesso às questões propostas. O produto foi analisado em uma abordagem qualitativa. A Teoria das representações sociais emprega sustentação teórica e metodológica analisada com base na Análise de Conteúdo de Laurence Bardin (2016). A análise e discussão se dá a partir de oito categorias e abordam temáticas a cerca de roteiros sexuais nas mídias, a intimidade enquanto lugar da sexualidade, limites conceituais entre pornografia comercial e nudes, a vingança motivada pela perda do controle do outro. Em vulnerabilidades, o romance (Amor e sexo/sexualidade), enquanto motivação à roteiros interpessoais ligados por laços afetivos. Em vulnerabilidades sociais e programáticas, o riso do ridículo e homofobia. Consideramos que essa é uma representação que implica na necessidade de se considerar as masculinidades com possibilidades para ampliar o debate sobre masculinidades tóxicas e frágeis.
Descrição
Citação
MOTA, Marcos V. As representações sociais da pornografia não consensual. 2021. 147 f. Tese (Doutorado em Educação e Saúde na Infância e na Adolescência) – Guarulhos / São Paulo, Programa de Pós-Graduação na Infância e na Adolescência, Universidade Federal de São Paulo, Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, 2021.