Craniofaringiomas

dc.contributor.authorZanon, Nelci [UNIFESP]
dc.date.accessioned2015-12-06T22:59:30Z
dc.date.available2015-12-06T22:59:30Z
dc.date.issued1997
dc.description.abstractEm 1985, TAKAHASHI et al. publicaram o resultado de sete pacientes portadores de craniofaringioma tratados com bleomicina intratumoral. Em 1989, BROGGI et al. publicaram 18 casos e em 1996, MOTTOLESE et al. apresentaram seus resultados com o tratamento da bleomicina intratumoral em 18 pacientes. A origem dos 21 casos de pacientes portadores de craniofaringioma predominantemente cistico estudados neste trabalho e brasileira e francesa. Entre os pacientes, 19 tinham craniofaringiomas virgens de tratamento previo e dois foram recidivas. O tempo entre os sintomas e diagnostico variou entre um mes a tres anos. A manifestacao clinica inicial foi atraves da associacao dos sintomas endocrinos, visuais e hipertensao intracraniana. Os sintomas endocrinos isolados estiveram presentes em sete pacientes. O metodo para colocacao do cateter intratumoral foi atraves de craniotomia em nove casos, estereotaxia em nove casos e trepanacao em tres casos. A dose da bleomicina utilizada foi de 2 a 10mg por aplicacao. As sessoes foram diarias ou em dias alternados. A dose total media da bleomicina foi de 60mg em cada ciclo. Dezessete pacientes receberam apenas um ciclo de bleomicina, tres pacientes receberam dois ciclos e um paciente recebeu tres ciclos de bleomicina. O follow-up foi de tres meses a seis anos. Os pacientes tratados foram criancas e adultos jovens, cujas idades variaram entre tres e 19 anos. Dez casos foram do sexo masculino e 11 casos do sexo feminino. Os bons resultados foram verificados em 12 dos 21 casos tratados, sendo tres com desaparecimento do tumor e nove com diminuicao do mesmo. O metodo de tratamento nao acrescentou morbidade endocrina. Foram observadas duas complicacoes: uma neurite optica transitoria durante o segundo ciclo de tratamento com bleomicina e uma crise convulsiva por extravasamento do quimioterapico. Somente tres pacientes tiveram hidrocefalia que foi tratada com derivacao ventriculo peritoneal antes do tratamento com bleomicina. Seis dos 21 pacientes foram submetidos a craniotomia para abordagem direta do craniofaringioma apos o uso da bleomicina: tres por recidiva cistica; dois apos as complicacoes descritas acima; uma abordagem sobre a parte solida do tumor. Um paciente foi encaminhado para radioterapia complementar sobre a porcao solida do craniofaringioma apos o tratamento com bleomicinapt
dc.description.sourceBV UNIFESP: Teses e dissertações
dc.format.extent65 p.
dc.identifier.citationSão Paulo: [s.n.], 1997. 65 p.
dc.identifier.fileepm-015157.pdf
dc.identifier.urihttp://repositorio.unifesp.br/handle/11600/15513
dc.language.isopor
dc.publisherUniversidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
dc.rightsAcesso restrito
dc.subjectHumanospt
dc.subjectCriançapt
dc.subjectAdolescentept
dc.subjectCraniofaringiomapt
dc.subjectBleomicinapt
dc.subject.decsHumanospt
dc.subject.decsCriançapt
dc.subject.decsAdolescentept
dc.titleCraniofaringiomaspt
dc.typeDissertação de mestrado
unifesp.campusUniversidade Federal de São Paulo, Escola Paulista de Medicinapt
Arquivos
Coleções