Participação da região anteroventral do terceiro ventrículo(AV3V) nos ajustes hemodinâmicos promovidos pela ativação colinérgica em ratos

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2004
Autores
Takakura, Ana Carolina Thomaz [UNIFESP]
Orientadores
Colombari, Eduardo [UNIFESP]
Tipo
Dissertação de mestrado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
A pilocarpina, uma droga classificada como um agonista colinérgico muscarínico, age nas glândulas salivares, produzindo vasodilatação e salivação. Estudos recentes têm mostrado que grande parte da salivação induzida pela pilocarpina depende de mecanismos cerebrais. A salivação induzida pela pilocarpina pode ser inibida pela lesão de estruturas cerebrais anteriores, como a região anteroventral do terceiro ventrículo (AV3V), área septal (AS) ou hipotálamo lateral (HL). Além dos seus efeitos sobre a salivação, a administração central ou periférica de pilocarpina aumenta a pressão arterial média (PAM) e a resistência vascular mesentérica (RM). Lesões eletrolíticas da região AV3V, além de reduzir a salivação induzida por pilocarpina, impede o desenvolvimento de diversos modelos de hipertensão experimental. Portanto, foram objetivos deste trabalho: a) estudar os efeitos de diferentes doses de pilocarpina injetada intravenosamente (iv) na PAM e freqüência cardíaca (FC) em ratos acordados e anestesiados. b) estudar os efeitos da lesão da região AV3V nas alterações no fluxo sangüíneo e resistência vascular na artéria que irriga as glândulas submandibular/sublingual (SSG), artéria mesentérica superior e na artéria aorta abdominal, bem como alterações na PAM e FC produzidas pela injeção intraperitoneal (ip) de pilocarpina. c) investigar o papel dos receptores colinérgicos muscarínicos periféricos nas respostas de PAM e FC promovidos pela injeção ip de pilocarpina. d) investigar o papel dos receptores colinérgicos M, e M3 centrais nos efeitos hemodinâmicos promovidos pela injeção ip de pilocarpina. Para tanto, foram utilizados ratos Holtzman (280 - 350 gramas). Num grupo foi feita lesão eletrolítica da região AV3V (2 mA durante 10 segundos) de 1 hora, 2, 7 ou 15 dias e em outro grupo de animais foi implantada uma cânula de aço inoxidável em direção ao ventrículo lateral (VI-) (volume de injeção de 1 uL). Um dia antes do experimento, os ratos foram anestesiados com quetamina (100 mg/kg de peso corporal) combinada com xilazina (7 mg/kg de peso corporal) para canulação da artéria e veia femorais…(au).
Descrição
Citação
São Paulo: [s.n.], 2004. 103 p.