Negro Drama: uma etnografia sobre famílias de usuários radicais de crack

dc.contributor.advisorPereira, Pedro Paulo Gomes [UNIFESP]
dc.contributor.advisor-coMalvasi Paulo Artur [UNIFESP]
dc.contributor.advisor-coLatteshttp://lattes.cnpq.br/5197649277065949
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/1474930426841995
dc.contributor.authorCastro, Odilon [UNIFESP]
dc.contributor.authorLatteshttp://lattes.cnpq.br/2738667369532728
dc.contributor.institutionUniversidade Federal de São Paulo (UNIFESP)pt_BR
dc.date.accessioned2018-06-04T19:14:36Z
dc.date.available2018-06-04T19:14:36Z
dc.date.issued2017-06-02
dc.description.abstractHistory shows us that psychoactive substances have always existed, and indicates that – much like families – these substances will always continue to exist. Psychoactive substances have passed through a long process of criminalization and have been made illegal based on obscure criteria; nevertheless, some of these legal measures have been (and continue to be) reviewed. As a result, certain substances previously made illegal in the United States – such as alcoholic beverages – not only became legal once again; their use has also stimulated in countries such as Brazil. Drugs long established as illegal, like cocaine, reconfigure our lives across different territories. Reality imposes itself, and the use of cocaine has not ended. Instead, prohibiting cocaine produces a type of war in which both users and non-users die. However, even though drug use is a complex phenomenon, with many different variables among users and among both permitted and illicit substances, the Brazilian state opts to deliver illicit drugs into the hands of millionaire drug traffickers. These traffickers, in turn, commercialize – in a clandestine way – the same substances that the government has made illicit. Yet this state, responsible for determining the prohibition that leads to war, also invests both human and economic capital in guarding, disciplining, punishing, controlling, and treating the people most directly involved with drugs (that is, when it does not exterminate them). Given that the state’s actions to prevent and repress the use of drugs has failed, the variety of substances available increases on an almost daily basis, as does their use. Simultaneously, the fear and disinformation spread by the media also increases. Therefore, society’s dependence on substances increases. This ethnography describes two years of drug policy in São Paulo state, Brazil, through the Re-beginning Program (Programa Recomeço). The study’s principal focus is on understanding two families that sought support through the Re-beginning Program: who they are, where they are from, and what they think about the phenomenon of drugs. Two women, through their own theories, describe the dramatic situations in which they live. Two mothers. Two Black women. Rebeca and Beth. Two translations. Two wagers. Different choices based on the same phenomenon. The study observes the construction of drug policy in the state of São Paulo before turning its gaze toward the families of people who use drugs classified as illegal. Thus, the principal aim of this ethnography is to describe and translate repetitions, differences, and movements.en
dc.description.abstractA história das substâncias psicoativas nos mostra que elas sempre existiram. E anuncia que perdurarão (como as famílias), mesmo porque, apesar de terem passado por longo processo de criminalização até serem tornadas ilícitas por obscuros critérios, algumas dessas medidas foram revistas (e continuam sendo), e certas substâncias tornadas ilícitas nos EUA anteriormente, como as bebidas alcóolicas, não só tiveram sua licitude readquirida, como foram estimuladas em países como o Brasil. E as que se estabeleceram enquanto ilícitas como a cocaína, contemporaneamente reconfiguram as vidas de todos nesses territórios. A realidade se impôs. E o uso de cocaína não foi suspenso. Sua proibição produz um tipo de guerra na qual morrem usuários e não usuários. Porém, mesmo tratando-se de um fenômeno complexo, com tantas variáveis relativas aos usuários e às substâncias lícitas e ilícitas, o Estado brasileiro opta por entregar as últimas nas mãos de milionários traficantes, para, em seguida, esses comercializarem clandestinamente as mesmas substâncias tornadas ilícitas pelo Estado. No entanto, esse mesmo Estado que determina a proibição que gera a guerra também investe – potência humana e capital econômico - para vigiar, disciplinar, punir, controlar e também tratar os envolvidos mais diretos no fenômeno das drogas, quando não decide exterminá-los. Visto que as ações de prevenção e de repressão, quando realizadas pelo Estado, falharam, a variedade de substâncias e o uso crescem cotidianamente. O medo - e a desinformação - fomentado pela mídia também. Logo, a dependência por substâncias aumenta. Esta etnografia descreve dois anos da construção da política de drogas do Estado de São Paulo por meio do Programa Recomeço. E apresenta também – e principalmente - duas famílias que foram buscar apoio no Programa Recomeço. Quis saber quem são. De onde vêm. E o que pensam sobre o fenômeno. Duas mulheres que, com suas teorias, descreveram seus dramas. Duas mães. Duas negras. Rebeca e Bete. Duas traduções. Duas apostas. Escolhas diferentes para um mesmo fenômeno. Observar a construção da política estadual de drogas de São Paulo. E depois fixar o olhar nas famílias dos usuários de substâncias tornadas ilícitas revela também uma etnografia das políticas públicas. Sendo assim, o principal fluxo desta pesquisa etnográfica é descrever e traduzir repetições e diferenças: movimentos.pt_BR
dc.description.sourceBV UNIFESP: Teses e dissertações
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
dc.format.extent210 f.
dc.identifierhttps://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=5157850pt_BR
dc.identifier.citationCASTRO, Odilon da Silva. Negro Drama: uma etnografia sobre famílias de usuários radicais de crack. 212 f. 2017. Tese (Doutorado) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2017.
dc.identifier.urihttp://repositorio.unifesp.br/handle/11600/41874
dc.language.isopor
dc.publisherUniversidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
dc.rightsAcesso aberto
dc.subjectFamilyen
dc.subjectWomenen
dc.subjectCrack cocaineen
dc.subjectThe stateen
dc.subjectPublic policyen
dc.subjectFamíliapt_BR
dc.subjectMulherespt_BR
dc.subjectCrackpt_BR
dc.subjectEstadopt_BR
dc.subjectPolíticas públicaspt_BR
dc.subject.cnpqSaúde coletivapt_BR
dc.titleNegro Drama: uma etnografia sobre famílias de usuários radicais de crackpt_BR
dc.title.alternativeBlack Drama: an ethnography about families of crack usersen
dc.typeTese de doutorado
unifesp.campusEscola Paulista de Medicina (EPM)pt_BR
unifesp.graduateProgramSaúde Coletiva – EPMpt_BR
unifesp.knowledgeAreaCiências Sociais e Humanas em Saúdept_BR
unifesp.researchAreaCorpo, saúde e doençapt_BR
Arquivos
Pacote Original
Agora exibindo 1 - 1 de 1
Carregando...
Imagem de Miniatura
Nome:
Odilon Castro PDF A.pdf
Tamanho:
2.4 MB
Formato:
Adobe Portable Document Format
Descrição:
Dissertação de mestrado