Lupus eritematoso cutaneo cronico

Nenhuma Miniatura disponível
Data
1997
Autores
Freitas, Thais Helena Proenca de [UNIFESP]
Orientadores
Tipo
Dissertação de mestrado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Foram analisados dados epidemiologicos, clinicos, histopatologicos, imunopatologicos, laboratoriais, de tratamento e de evolucao, em um grupo de 298 pacientes com lupus eritematoso cutaneo cronico. Deste, oito (2,7%) evoluiram posteriormente para lupus eritematoso sistemico. Nos 290 pacientes que permaneceram com diagnostico de lupus eritematoso cutaneo cronico, os dados epidemiologicos foram: idade media de 32,3 anos, predominio do sexo feminino (3,4:1,0) e ocorrencia de casos familiares (4,4%). A variedade discoide foi a mais frequente (90,3%), seguida da verrucosa (7,9%), do chilblain lupus (1,4%) e da tumida (0,3%). Lesoes em mucosas e/ou epitelios de transicao ocorreram em 27,2% dos pacientes. A histopatologia mostrou todas as cinco principais alteracoes presentes em apenas 21,4% dos casos, e quatro delas em 34,2%. Imunofluorescencia direta positiva, na zona da membrana basal dermo-epidermica, foi encontrada em 50,4% dos pacientes examinados. A pesquisa do fator antinuclear foi positiva em 24/255 pacientes (9,4%), com predominio estatisticamente significante em casos com lesoes disseminadas na pele. Obteve-se boa resposta ao tratamento com difosfato de cloroquina com remissao das lesoes cutaneas em 59,2% dos casos e melhora em 26,2%. Difosfato de cloroquina foi bem tolerado, nao provocando alteracoes oculares. Nos oito pacientes que evoluiram para lupus eritematoso sistemico, isto ocorreu apos um tempo variavel de 17 a 132 meses, contados a partir do inicio da doenca. Nestes oito pacientes as lesoes cutaneas eram disseminadas
Descrição
Citação
São Paulo: [s.n.], 1997. 136 p.
Coleções