Percepção subjetiva de esforço cognitivo e teoria da mente: uma investigação em survey

dc.contributor.advisorMello, Claudia Berlim de [UNIFESP]
dc.contributor.advisor-coAlves, Marcus Vinicius Costa
dc.contributor.advisor-coLatteshttp://lattes.cnpq.br/1441158405773422pt_BR
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/1758368777559433pt_BR
dc.contributor.authorFrança, Ricardo José Aguiar Freitas [UNIFESP]
dc.contributor.authorLatteshttp://lattes.cnpq.br/9097339888254496pt_BR
dc.coverage.spatialSão Paulopt_BR
dc.date.accessioned2022-06-30T15:14:29Z
dc.date.available2022-06-30T15:14:29Z
dc.date.issued2022-01-27
dc.description.abstractIntrodução: A Teoria da Mente (ToM, do inglês Theory of Mind) diz respeito à capacidade humana de inferir comportamentos, crenças, intenções e sentimentos, tanto para seus coespecíficos quanto para outras espécies. Modelos teóricos mais recentes, sustentados em estudos clínicos e em técnicas de imageamento, defendem que a ToM pode ser dividida em dois componentes: a ToM afetiva (ToMa) e a ToM cognitiva (ToMc). Apesar da distinção entre a ToMa (inferência de estados sentimentais) e a ToMc (inferência de crenças e intenções), estas modalidades da ToM apresentam muitas similaridades na ativação de redes corticais e frequentemente trabalham juntas, integrando conteúdos de outros domínios sociocognitivos, como a empatia. Uma forma de investigar como os humanos fazem uso da ToM é por meio da percepção do esforço cognitivo (EC) necessário ao responder a tarefas associadas a suas dimensões afetiva e cognitiva. Objetivo: Investigar se há diferença na percepção de esforço cognitivo entre as dimensões afetiva e cognitiva da ToM. Método: Participaram do estudo 209 brasileiros adultos, com idades entre 18 e 59 anos, sem diagnósticos clínicos e sem uso de drogas com ação no Sistema Nervoso Central. A amostra foi majoritariamente composta por mulheres e pessoas com ensino superior completo. O experimento 1 (N = 72) investigou o efeito das dimensões da ToM sobre a percepção de EC. Foram utilizados os seguintes instrumentos: Escala Multidimensional de Reatividade Interpessoal (Empatia), Depression Anxiety and Stress Scale (sintomas relacionados a depressão, ansiedade e estresse), NASA-TLX (EC) e Theory of Mind Task (ToM). O experimento 2 (N = 137) investigou a variação de EC ao longo da execução da Theory of Mind Task, utilizando como métrica de esforço a dimensão de Demanda Mental da escala NASA-TLX. Resultados: Os dados de ambos os experimentos foram analisados com modelos para medidas repetidas, sendo a de Estimação Generalizada (GEE) no experimento 1 e Modelo Generalizado Misto (GMM) no experimento 2. Os dois experimentos não encontraram efeito significativo das dimensões de ToM sobre o EC. Os modelos de GEE indicaram efeito dos erros na tarefa de ToM sobre as dimensões de Demanda Mental, Demanda Temporal e Esforço Físico e Mental da NASA-TLX. Foi observado também um efeito significativo dos erros sobre o somatório da escala (Carga de Trabalho Global). Para o experimento 2 o efeito do erro sobre a dimensão de Demanda Mental se manteve, apesar da maior variabilidade dos dados. Ambos os experimentos mostraram que quanto mais erros cometidos maior é a percepção de EC. Conclusões: Os resultados do estudo xi indicaram que a tarefa utilizada para mensurar as dimensões da ToM não foi uma boa medida comportamental, uma vez que suas métricas não foram sensíveis em diferenciar o processamento afetivo e cognitivo (tanto pelos erros quanto pelo EC). Ademais, no modelo de GMM (experimento 2) foi observado que os preditores (dimensões da ToM e erros cometidos na tarefa) explicaram pouco a variação da variável dependente (Demanda Mental). Os dados também mostram a importância de estudos futuros que utilizem melhores tarefas para avaliar a ToM, além do uso de medidas mais sensíveis de EC, como a variação do diâmetro pupilar, frequência cardíaca ou condutância galvânica.pt_BR
dc.description.sponsorshipConselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)pt_BR
dc.description.sponsorshipID133906/2019-1pt_BR
dc.format.extent72 f.pt_BR
dc.identifier.citationFRANÇA, R. J. A. F. Percepção subjetiva de esforço cognitivo e teoria da mente: uma investigação em survey. São Paulo, 2021. 72 f. Dissertação (Mestrado em Psicobiologia) – Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2021pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/11600/64029
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal de São Paulopt_BR
dc.rightsAcesso restritopt_BR
dc.subjectTeoria da mentept_BR
dc.subjectEsforço cognitivopt_BR
dc.subjectTeoria da mente afetivapt_BR
dc.subjectTeoria da mente cognitivapt_BR
dc.subjectEsforço mentalpt_BR
dc.titlePercepção subjetiva de esforço cognitivo e teoria da mente: uma investigação em surveypt_BR
dc.title.alternativeSubjective perception of cognitive effort and Theory of Mind: a survey investigationpt_BR
dc.typeDissertação de mestradopt_BR
unifesp.campusEscola Paulista de Medicina (EPM)pt_BR
unifesp.graduateProgramPsicobiologiapt_BR
unifesp.knowledgeAreaNeurobiologia da Emoção, Cognição e Motivaçãopt_BR
unifesp.researchAreaCogniçãopt_BR
Arquivos
Pacote Original
Agora exibindo 1 - 1 de 1
Carregando...
Imagem de Miniatura
Nome:
dissertacao_ricardo_freitas.pdf
Tamanho:
2.94 MB
Formato:
Adobe Portable Document Format
Descrição:
Licença do Pacote
Agora exibindo 1 - 1 de 1
Carregando...
Imagem de Miniatura
Nome:
license.txt
Tamanho:
5.71 KB
Formato:
Item-specific license agreed upon to submission
Descrição: