Modulação da lesão de isquemia e reperfusão hepática experimental pela N-acetilcisteina e pelo precondicionamento isquêmico

dc.contributor.authorMontero, Edna Frasson de Souza [UNIFESP]
dc.date.accessioned2015-12-06T23:47:04Z
dc.date.available2015-12-06T23:47:04Z
dc.date.issued2007
dc.description.abstractAS benefícios da N-acetilcisteína e do precondicionamento isquêmico foram observados em diferentes órgãos. A proteção que conferem ao órgão submetido à lesão de isquemia e reperfusão esta associada a mecanismos de ocorrência precoce durante a isquemia e reperfusão tecidual. Este estudo compreende o desenvolvimento de cinco series que avaliam a repercussão de uma ou outra modulação na lesão de isquemia e reperfusão hepática. Foram utilizados ratos Wistar EPM - 1, que, depois de anestesiados com cetamina e xilazina e preparados, foram distribuídos nos grupos de acordo com as series de estudo. 0 precondicionamento isquêmico consistiu em uma isquemia hepática de 10 minutos seguida de 10 minutos de reperfusão e a administra9ao de N-acetilcisteína na dose de 150mg.Kg-1 , 5min antes do clampeamento e do inicio da reperfusão. Após o período de experimento, foram coletadas amostras sangüíneas, para dosagem de enzimas hepáticas, e amostras do fígado e do pulmão, dependendo da série, para avaliação histológica. Para análise dos resultados, utilizaram-se testes estatísticos não-paramétricos e o nível de rejeição da hipótese de nulidade foi fixado em 5 por cento. Na serie 1, os achados mostraram a proteção da N-acetilcisteína sobre o fígado na isquemia normotérmica e propõe-se que o mecanismo seja par reação direta com o óxido nítrico. Na série 2, conclui-se que a N-acetilcisteína como administrada, não protege o fígado das alterações da isquemia e reperfusão hepática, mas tem efeito protetor sobre a repercussão desta lesão em órgãos localizados a distância. Na série 3, conclui-se que houve efeitos benéficos da N-acetilcisteína sobre a lesão de isquemia-reperfusão do fígado associada ao choque hemarrágico, entretanto, a glutationa não refletiu o mecanismo indireto, pelo aumento da reserva intracelular, sugerindo um mecanismo antioxidante direto. Na série 4, 0 clampeamento seletivo da tríade portal resulta em lesão de isquemia e reperfusão do fígado menos grave, quando comparado a exclusão do ducto biliar. 0 precondicionamento isquêmico protege o fígado da lesão de isquemia e reperfusão. A N-acetilcisteína mostra um efeito de proteção parcial, reduzindo as alterações parenquimatosas, mas não os níveis de aminotransferases. Na série 5, os resultados permitem concluir que 0 precondicionamento isquêmico protege 0 fígado nas fases precoce e intermediaria da reperfusão hepática, diminuindo a apoptose hepatocitaria e sinusoidal.pt
dc.description.sourceBV UNIFESP: Teses e dissertações
dc.format.extent161 p.
dc.identifier.citationSão Paulo: [s.n.], 2007. 161 p.
dc.identifier.fileepm-712101644026.pdf
dc.identifier.urihttp://repositorio.unifesp.br/handle/11600/23577
dc.language.isopor
dc.publisherUniversidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
dc.rightsAcesso restrito
dc.subjectFígadopt
dc.subjectTraumatismo por reperfusãopt
dc.subjectIsquemiapt
dc.subjectAcetilcisteínapt
dc.subjectPrecondicionamento isquêmicopt
dc.titleModulação da lesão de isquemia e reperfusão hepática experimental pela N-acetilcisteina e pelo precondicionamento isquêmicopt
dc.title.alternativeModulation of the experimental hapatic ischemia and perfusion injury by N-acetylcysteine and ischemic preconditioningen
dc.typeTese de livre-docência
unifesp.campusSão Paulo, Escola Paulista de Medicina (EPM)pt
Arquivos
Coleções