Fatores associados à qualidade de vida dos idosos do município de Nova Mutum, Mato Grosso

Imagem de Miniatura
Data
2009-07-29
Autores
Bassler, Thais Carolina [UNIFESP]
Orientadores
Vianna, Lucila Amaral Carneiro [UNIFESP]
Tipo
Tese de doutorado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Objetivos: caracterizar a população de idosos de Nova Mutum/Mato Grosso, segundo variáveis sócio-demográficas e condições de saúde; avaliar o estado nutricional, a qualidade de vida (QV) e analisar a associação entre variáveis do estudo e a QV percebida pelos idosos. Método: estudo epidemiológico com desenho transversal em que foram entrevistados por meio de amostra probabilística, 210 indivíduos acima de 60 anos, de maio a agosto de 2007. Os dados foram coletados por inquérito domiciliar. Um instrumento continha questões sócio-demográficas, de saúde e do estado nutricional, o instrumento para avaliação de QV - WHOQOL-BREF com os quatro domínios: Físico, Psicológico, Relações Sociais e Meio Ambiente e QV geral e o módulo WHOQOL-OLD com as seis facetas: Funcionamento do Sensório, Autonomia, Atividades Passadas, Presentes e Futuras, Participação Social, Morte e Morrer e Intimidade. Resultados: 50,9% do sexo masculino; 68,6% do grupo etário 60 a 69 anos; 78,0% apresentaram escolaridade inferior a 4 anos; e 61,9% aposentados. Quanto à saúde e ao estado nutricional, 77,2% dos idosos consideravam-se saudáveis e o sobrepeso em 42,9% deles. Por meio de regressão linear múltipla, utilizada em cinco modelos do WHOQOL-BREF, verificou-se associação positiva e estatisticamente significativa entre os idosos que se consideravam saudáveis com QV nos Domínios Físico (p<0,001) e QV geral (p<0,001), e os que eram autônomos, empregados e os que não trabalhavam percebiam-se com melhor QV do que os que eram aposentados / pensionistas nos Domínios Físico (p=0,009, p=0,018 e p=0,019, respectivamente). Aqueles com idade entre 70 e 79 e 80 anos ou mais apresentaram melhores índices de QV do que os idosos com 60 a 69 anos no Domínio Meio Ambiente (p=0,032 e p=0,043, respectivamente); os idosos naturais da região Sul do país reportaram melhores índices do que os naturais da região Centro-Oeste no Domínio Meio Ambiente (p=0,033). Os que praticavam atividade física relataram melhores escores de QV no Domínio Meio Ambiente (p=0,043) e aqueles com estado nutricional normal e sobrepeso, apresentaram melhores escores de QV do que os com baixo peso nos Domínios Relações Sociais e Meio Ambiente (p=0,009 e p=0,011) e (p=0,004 e p=0,011), respectivamente. A regressão linear múltipla utilizada em seis modelos com as facetas do WHOQOL-OLD mostrou a associação positiva e estatisticamente significativa entre os idosos que se percebiam saudáveis com QV na Faceta Atividades Passadas, Presentes e Futuras (p=0,006). Os idosos que utilizavam um serviço de saúde particular apresentaram melhores escores de QV do que os que buscavam o SUS na Faceta Participação Social. Os idosos que praticavam atividade física reportaram melhores escores de QV na Faceta Autonomia (p=0,027) e os que não trabalhavam no período da pesquisa, demonstraram melhores escores de QV do que os aposentados na Faceta Funcionamento do Sensório (p=0,031) do instrumento WHOQOL-OLD. Os resultados do estudo apresentaram a complexidade dos fatores associados à QV dos idosos e a importância em respeitar a heterogeneidade da população idosa. A QV mostrou-se importante ferramenta para propostas de intervenções e avaliação de saúde dos idosos.
Descrição
Citação
BASSLER, Thais Carolina. Fatores associados à qualidade de vida dos idosos do município de Nova Mutum, Mato Grosso. 2009. 54 f.Tese (Doutorado) - Escola Paulista de Enfermagem, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2009.