Avaliação nutricional, anemia ferropriva e distúrbios digestivos em crianças com paralisia cerebral grave

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2010-09-29
Autores
Caramico, Deise Cristina Oliva [UNIFESP]
Orientadores
Morais, Mauro Batista de [UNIFESP]
Tipo
Dissertação de mestrado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Objective: To evaluate food ingestion, the nutritional state and the prevalence of anemia by iron deficiency and the digestive disturbs in children with cerebral palsy. Methods: A study realized with 40 children with a maximum age of 10 years who suffer from cerebral palsy. A 24-hour food intake register and anthropometric evaluation were realized, the blood sample was collected by punction of a peripherical vein and the register of specific clinical data for the diagnostic of the digestive disturbs. Results: The results found guarantee the necessity to make a personal dietetic evaluation. In only 3 (7,5%) children the diagnostics revealed a mild anemia. Regarding the nutritional state, it was observed a more accentuated deficit in males by height-age. From 40 patients 45% (n=18) and 40% (n=16) of the sample it was observed a more acute malnutrition. Dysphagia evidences were found in 82,5% of the sample, suggestive signals of gastroesophageal reflow in 40,0% and intestinal constipation in 60,0% of the studied patients. Patients with a dysphagia evidence presented a smaller liquid intake (483,1±294,9 versus 992,9±292,2; p=0.001). The children with constipation, in relation to the ones without constipation presented less fiber intake (9,2 ± 4,3 versus 12,3 ± 4,3; p=0,031) and less liquid intake (456,5 ± 283,1versus 741,1 ± 379,2; p=0,013). Conclusions: Children with cerebral palsy can present an elevated prevalence of anthropometric deficits and digestive disturbs. Nutrient deficits in food intake can be a risk to start developing nutritional disturbs demanding a personal dietetic evaluation.
Objetivo: avaliar a ingestão alimentar, o estado nutricional e a prevalência de anemia por deficiência de ferro e de distúrbios digestivos em crianças com paralisia cerebral. Métodos: estudo realizado com 40 crianças até 10 anos de idade com paralisia cerebral. Realizou-se registro do consumo alimentar habitual de 24 horas, coleta de dados antropométricos, coleta de sangue por punção de veia periférica e registro de dados clínicos específicos para o diagnóstico dos distúrbios digestivos. Resultados: Os resultados encontrados garantem a necessidade de se realizar avaliação dietética personalizada. Em apenas 3 (7,5%) crianças foi diagnosticado anemia leve. Com relação ao estado nutricional, observou-se déficit mais acentuado no sexo masculino para estatura-idade. Dos 40 pacientes, 45% (n=18) e 40% (n=16) da amostra verificouse desnutrição aguda. Evidências de disfagia foram encontradas em 82,5% da amostra, sinais sugestivos de refluxo gastro-esofágico em 40,0% e constipação intestinal em 60,0% dos pacientes estudados. A ingestão hídrica das crianças com manifestações compatíveis com disfagia foi menor. Pacientes com evidência de disfagia apresentavam menor ingestão de líquidos (483,1±294,9 versus 992,9±292,2; p=0.001). As crianças com constipação, em relação às sem constipação apresentaram menor ingestão de fibras (9,2 ± 4,3 versus 12,3 ± 4,3; p=0,031) e líquidos (456,5 ± 283,1versus 741,1 ± 379,2; p=0,013). Conclusões: crianças com paralisia cerebral podem apresentar elevada prevalência de déficits antropométricos e distúrbios digestivos. Déficits de nutrientes na alimentação podem constituir risco para o desenvolvimento de distúrbios nutricionais exigindo uma avaliação dietética personalizada.
Descrição
Citação
CARAMICO, Deise Cristina Oliva. Avaliação nutricional, anemia ferropriva e distúrbios digestivos em crianças com paralisia cerebral grave. 2010. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2010.