Efeito imunossupressor dos gangliosídeos: estudo in vivo

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2000-01-01
Autores
Castro, Lc [UNIFESP]
Barbiéri, Clara Lúcia [UNIFESP]
Von Kossel, K [UNIFESP]
Nigro, Ajt [UNIFESP]
Montero, Edna Frasson de Souza [UNIFESP]
Orientadores
Tipo
Artigo
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Imunomodulação mais específica e eficaz é uma meta importante a ser atingida na área de órgão. Neste sentido, foi estudado previamente o papel imunomodulador dos gangliosídeos in vitro. No presente trabalho objetivou-se avaliar este efeito agora in vivo, mimetizando a situação do transplante alogênico. Foram utilizados 26 ratos Wistar 1 EPM, machos, com 3 meses de idade, pesando cerca de 250g, procedentes do Centro de Desenvolvimento de Pesquisa Experimental em Medicina e Biologia. Os animais fora mantidos por 5 dias, para adaptação, no biotério setorial da Disciplina de Técnica Operatória e Cirurgia Experimental da UNIFESP-EPM, recebendo água e ração própria para a espécie. Os animais foram distribuídos em grupos conforme segue: grupos experimento (que receberam 1, 3 e 6 mg/kg/dia de gangliosídeos) e um grupo controle que recebeu veículo, todos por via intramuscular durante 7 dias consecutivos. No 8º dia, com os animais anestesiados com éter etílico foi feita a remoção cirúrgica do baço de todos os animais, os quais foram sacrificados por exsanguinação, ainda sob efeito anestésico. Os baços removidos foram processados para a obtenção de linfócitos os quais foram cultivados em placa de cultura com 96 poços, distribuídos da seguinte forma: 1,5x10(5) linfócitos viáveis de cada animal dos grupos experimento e controle foram cultivados com 1,5x10(5) linfócitos viáveis de um rato não tratado, sendo assim realizada a reação mista de linfócitos. Os linfócitos provenientes dos animais dos grupos controle e 1 mg apresentaram aumento da proliferação sem nenhuma alteração. Por outro lado, foi observada uma taxa de inibição ao redor de 70% sobre a proliferação linfocitária dos animais dos grupos 3 e 6 mg comparados aos animais dos grupos controle e 1 mg. O resultado desta investigação estimula a utilização dos gangliosídeos no tratamento da rejeição alogênica.
Descrição
Citação
Acta Cirurgica Brasileira. Sociedade Brasileira para o Desenvolvimento da Pesquisa em Cirurgia, v. 15, p. 13-15, 2000.
Coleções