Sintomas de estresse pós-traumático em profissionais durante ajuda humanitária no Haiti, após o terremoto de 2010

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2013-11-01
Autores
Guimaro, Melissa Simon [UNIFESP]
Caiuby, Andrea Vannini Santesso [UNIFESP]
Santos, Oscar Fernando Pavão dos [UNIFESP]
Lacerda, Shirley Silva [UNIFESP]
Andreoli, Sergio Baxter [UNIFESP]
Orientadores
Tipo
Artigo
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
The scope of this article is to screen the symptoms of Post-Traumatic Stress Disorder (PTSD) among the professionals who provided humanitarian aid for the Haitian population after the 2010 earthquake. It involvess a cross-sectional study. The Impact of Event Scale - Revised (IES-R) was used for screening symptoms of PTSD. The participants included 32 Brazilians (mean age = 37.58 +/-7.01), 22 Americans (mean age =33.67 +/-8.03) and 12 Ecuadorians (mean age = 44.80 +/- 15.88). The professionals did not have PTSD symptoms. The relationship between prior experience variables in disaster situations and the total score of the IES-R (F (2) = 4.34, p = 0.017), as well as prior experience in disaster situations and the intrusion subscale (F (2) = 3.94, p = 0.024) were significant in linear regression models. The number of prior experiences was revealed as a significant predictor for the total score of IES (p < 0.05). The results showed that current experiences can be exacerbated by memories of prior experiences, increasing the likelihood of developing PTSD. Therefore the mental health care of the professionals should foster the early identification of prior experience risk factors, thereby not permitting voluntary initiative to transcend selective criteria and specific care.
O artigo tem por objetivo rastrear sintomatologia de transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) em profissionais que prestaram ajuda humanitária à população haitiana, após o terremoto de 2010. Estudo transversal. A sintomatologia de TEPT foi avaliada pela Escala Impacto do Evento - Revisada (IES-R). Os participantes foram 32 brasileiros (idade m = 37.58 +/- 7.01), 22 estadosunidenses (idade m = 33.67 +/- 8.03) e 12 equatorianos (idade m = 44.80 +/- 15.88) e não apresentaram sintomatologia de TEPT. A relação entre as variáveis experiência prévia em situação de desastre e escore total da IES-R [F(2) = 4.34, p = 0.017] bem como experiência prévia em situação de desastre e subescala intrusão [F(2) = 3.94, p = 0.024] foram significantes nos modelos de regressão linear. Experiência prévia se mostrou preditor significante para escore total da IES-R (p < 0,05). Os resultados demonstraram que vivências atuais podem ser potencializadas pelas memórias de experiências anteriores, aumentando a probabilidade de desenvolvimento de TEPT. Portanto, o cuidado com a saúde mental dos profissionais deve favorecer a precoce identificação do fator de risco experiência prévia, não permitindo que a iniciativa voluntária se sobreponha aos critérios seletivos e aos cuidados específicos.
Descrição
Citação
Ciência & Saúde Coletiva. ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva, v. 18, n. 11, p. 3175-3181, 2013.
Coleções