Prevalência e características de mulheres com aborto provocado - Favela México 70, São Vicente - São Paulo

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2012-03-01
Autores
Santos, Tássia Ferreira [UNIFESP]
Andreoni, Solange [UNIFESP]
Silva, Rebeca de Souza e [UNIFESP]
Orientadores
Tipo
Artigo
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
In Brazil, abortion is among the leading causes of maternal mortality. Research has shown that abortion is practiced clandestinely by women of all social classes, but has unequal consequences depending on social inclusion, producing risks to poor women. Although the issue has been widely explored in the past 20 years, there is a lack of data about low-income women. Thus, the present study aims to estimate the prevalence of women with induced abortion. Women from a population-based household survey in low-income sectors of São Vicente, São Paulo were recruited. Women of childbearing age from 15 to 49 years were eligible. The evaluation of the prevalence ratios for women with induced abortion was performed by using generalized linear models, with Poisson log-link function and robust variance to approximate the binomial. The most frequent variables that influenced reporting of abortion were: always accept this practice (95% CI 2.98 - 11.02), followed by not having a child born alive (95% CI 1.35 - 19.78), having two to five live births (95% CI 1.42 - 14.40 ), having 'six or more live births (95% CI 1.35 - 19.78), age at interview (95% CI 1.01 - 1.07) and income < R$ 484.97' (95% CI 1.04 - 2.96). A widespread campaign about the practice of abortion, which can raise awareness among women in favor of the cause, especially among those in low-income strata is necessary to prevent unnecessary deaths.
No Brasil, o aborto está entre as principais causas de mortalidade materna. Pesquisas mostram que o aborto é praticado clandestinamente por mulheres de todas as classes sociais; no entanto, tem consequências desiguais, dependendo da inserção social, produzindo riscos à vida de mulheres pobres. Embora o tema venha sendo amplamente explorado nos últimos 20 anos, observou-se escassez de dados sobre mulheres de baixa renda. Desta forma, o presente estudo tem por objetivo estimar a prevalência de mulheres com aborto provocado. Arrolaram-se mulheres por inquérito domiciliar de base populacional em setores de baixa renda de São Vicente, São Paulo. Eram elegíveis as mulheres em idade fértil de 15 a 49 anos. A avaliação das razões de prevalência de mulheres com aborto provocado foi realizada por meio de modelos lineares generalizados, usando-se a regressão de Poisson com função de ligação logarítmica e variância robusta para aproximar a binomial. As variáveis que demonstraram ter maior influência no relato de aborto foram: aceitar sempre esta prática (IC95% 2,98 - 11,02), seguida de não ter filho nascido vivo (IC95% 1,35 - 19,78), ter de dois a cinco nascidos vivos (IC95% 1,42 - 14,40) e ter de seis ou mais nascidos vivos (IC 95% 1,35 - 19,78), idade no momento da entrevista (IC 95% 1,01 - 1,07) e renda < R$ 484,97 (IC 95% 1,04 - 2,96). É necessário campanha de grande abrangência sobre a prática do aborto, que consiga sensibilizar para esta causa todas as mulheres, sobretudo as de baixa renda, evitando assim mortes desnecessárias.
Descrição
Citação
Revista Brasileira de Epidemiologia. Associação Brasileira de Saúde Coletiva, v. 15, n. 1, p. 123-133, 2012.
Coleções