Dimensões da personalidade como preditor de resposta à cetamina ou escetamina em depressão resistente

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2021
Autores
Souza, Thais Rabanea De [UNIFESP]
Orientadores
Lacerda, Acioly Luiz Tavares De [UNIFESP]
Tipo
Tese de doutorado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
The prevalence of resistance to treatment with antidepressants remains high among patients with Major Depressive Disorder. Several studies have shown that ketamine/esketamine appears to be a very promising approach to treatment-resistant depression. However, it´s important to reduce inappropriate exposure to avoid unknown longterm risks. Examining personality dimensions based on the theory of Goldberg's Big Five factors of personality has attracted increasing attention in predicting antidepressant response. Methods: This is a randomized, double-blind, active-controlled, bicentre, non-inferiority clinical trial, with two parallel groups. A total of 63 individuals, 18 years or older, with major depression characterized as treatment-resistant, were randomly assigned to a 40-min single intravenous infusion of ketamine 0.5 mg/kg (n=29) or esketamine 0.25 mg/kg (n=34). The NEO-FFI-R was used to assess the personality dimensions and MADRS was used to assess response, both were performed at baseline, at 24 hours and at 7 days following the single infusion of investigational products. Results: In the logistic regression model, among the five personality factors only openness demonstrated statistically significant association with antidepressant response, as increased. Openness was associated with increased likelihood of response to treatment. Generalized Estimating Equations analysis comparing personality scores across time and response to treatment showed reduction of neuroticism over time. Discussion: The results obtained showed that among the five personality dimensions investigated, only openness to experiences was identified as a predictor of response to treatment with ketamine/ esketamine. Higher levels of openness were associated with a greater likelihood of a response. Conclusions: Present findings suggest that the openness domain moderates ketamine/esketamine response in treatment-resistant depression. Future controlled studies exploring how personality dimensions moderate acute and long-term antidepressant effects will be particularly elucidative, since, if confirmed, assessing for Openness could contribute to identify specific subpopulations of patients who are more likely to benefit from ketamine/esketamine. Trial registration: Japan Primary Registries Network (JPRN), identifier: UMIN000032355.
A prevalência de depressão resistente ao tratamento permanece alta entre os pacientes com Transtorno Depressivo Maior. Vários estudos demostraram que cetamina ou escetamina parece ser uma abordagem muito promissora para a depressão resistente ao tratamento. No entanto, é necessário reduzir a exposição inadequada para evitar seus desconhecidos riscos de longo prazo. Neste contexto, a investigação das dimensões da personalidade, com base no modelo dos Cinco Grandes Fatores, como preditores e marcadores de resposta ao tratamento tem atraído atenção crescente. Métodos: Trata-se de um ensaio clínico randomizado, duplo-cego, ativo-controlado, bicêntrico, de não inferioridade, com dois grupos paralelos. Um total de 63 indivíduos, 18 anos ou mais, com depressão maior caracterizada como resistente ao tratamento, foram aleatoriamente designados para uma infusão intravenosa única de 40 minutos de cetamina 0,5mg/kg (n = 29) ou escetamina 0,25mg/kg (n = 34). O NEO-FFI-R foi utilizado para avaliar as dimensões da personalidade e o MADRS foi usado para avaliar resposta, ambos realizados na linha de base, 24 horas e 7 dias após a infusão única dos medicamentos investigados. Resultados: De acordo com o modelo de regressão logística, entre os cinco fatores de personalidade, apenas o domínio abertura a experiências foi estatisticamente significante. Aumento em abertura a experiências foi associado ao aumento da probabilidade de resposta ao tratamento. A análise baseada em equações de estimação generalizadas, comparando os escores de personalidade ao longo do tempo e a resposta ao tratamento, mostrou redução do neuroticismo ao longo do tempo. Discussão: Os resultados obtidos demonstraram que dentre as cinco dimensões da personalidade investigadas, apenas abertura a experiências foi apontada como preditor de resposta ao tratamento com cetamina ou escetamina. Níveis mais elevados de abertura a experiências foram associados a uma maior probabilidade de resposta ao tratamento. Conclusão: Embora preliminares, os achados atuais sugerem que o domínio da abertura a experiências modera a resposta de cetamina/escetamina em depressão resistente. Futuros estudos controlados que exploram como as dimensões da personalidade moderam os efeitos antidepressivos agudos e de longo prazo serão particularmente elucidativos, uma vez que, se confirmado, a avaliação da abertura a experiências poderá contribuir para a identificação de subpopulações específicas de pacientes que apresentam maior probabilidade de se beneficiar do tratamento com a cetamina/escetamina. Registro do estudo: Japan Primary Registries Network (JPRN), identificador: UMIN000032355.
Descrição
Citação