Práticas fisioterapêuticas para pacientes hospitalizados com covid-19: comparação entre especialistas certificados e não certificados no Brasil

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2022-12-16
Autores
Dias, Letícia Marcelino Sotelo [UNIFESP]
Orientadores
Volpe, Márcia Souza [UNIFESP]
Tipo
Dissertação de mestrado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Em 11 de março de 2020, a Organização Mundial da Saúde declarou pandemia global pela COVID-19 e desde então, o manejo dos pacientes diagnosticados com a doença tem sido desafiador para os profissionais de saúde, devido fisiopatologia complexa e evolução do quadro clínico. Neste cenário, os pacientes hospitalizados podem se beneficiar da assistência prestada por profissionais mais qualificados. O objetivo do presente estudo foi analisar as práticas realizadas por fisioterapeutas com e sem título de especialista no atendimento de pacientes adultos com COVID-19. Tratou-se de um estudo transversal, do tipo survey, com abrangência nacional, realizado de junho a outubro de 2021, através da aplicação de um questionário online desenvolvido e previamente testado. O instrumento foi composto por 50 questões. Foram 485 participantes, sendo 61 fisioterapeutas com certificação e 424 sem certificação de especialista. Os especialistas possuíam maior idade, tempo de formação e experiência profissional, eram mais qualificados e tinham melhores condições de trabalho em relação aos não especialistas. Para os pacientes na enfermaria, os especialistas utilizarem menos o ciclo ativo da respiração (p<0,001), drenagem autógena (p=0,017) e manobra de compressão-descompressão (p=0,018), e utilizaram mais o resistor de carga linear em relação aos não especialistas (p=0,028). Com relação aos pacientes na unidade de terapia intensiva, os especialistas utilizaram mais a hiperinsuflação com o ventilador (p=0,015), períodos intermitentes em ventilação espontânea (p=0,005) e resistores de carga linear (p=0,001), e menos o ajuste da sensibilidade do ventilador (p<0,001), compressão torácica expiratória forte e rápida (p=0,016) e a compressão torácica expiratória lenta e progressiva (p=0,047), e a manobra de compressão-descompressão (p=0,001). Não foi observada diferença significativa para as terapias motoras entre os grupos. Podemos concluir que os fisioterapeutas com o título de especialista usaram com menos frequência técnicas que pudessem aumentar o trabalho respiratório dos pacientes. Além disso, estes profissionais parecem preferir a utilização de técnicas de fisioterapia respiratória que são aplicadas com o ventilador mecânico do que técnicas manuais.
On March 11, 2020, the World Health Organization declared a global pandemic due to COVID-19 and since then, the management of patients diagnosed with the disease has been challenging for health professionals, due to the complex pathophysiology and evolution of the clinical picture. In this scenario, hospitalized patients can benefit from the assistance provided by more qualified professionals. The objective of the present study was to analyze the practices carried out by physiotherapists with and without a specialist title in the care of adult patients with COVID-19. This was a cross-sectional, survey-type study, nationwide, carried out from June to October 2021, through the application of an online questionnaire developed and previously tested. The instrument consisted of 50 questions. There were 485 participants, 61 physiotherapists with certification and 424 without specialist certification. Specialists were older, had more education and professional experience, were more qualified and had better working conditions than non-specialists. For patients in the ward, the specialists used less the active breathing cycle (p<0.001), autogenous drainage (p=0.017) and compression-decompression maneuver (p=0.018), and used the linear load resistor more in relation to to non-specialists (p=0.028). With regard to patients in the intensive care unit, specialists used ventilator hyperinflation more (p=0.015), intermittent periods of spontaneous ventilation (p=0.005) and linear load resistors (p=0.001), and less the adjustment ventilator sensitivity (p<0.001), strong and rapid expiratory chest compression (p=0.016) and slow and progressive expiratory chest compression (p=0.047), and the compression-decompression maneuver (p=0.001). No significant difference was observed for motor therapies between groups. We can conclude that physiotherapists with the title of specialist less frequently used techniques that could increase the work of breathing of patients. In addition, these professionals seem to prefer the use of respiratory physiotherapy techniques that are applied with a mechanical ventilator rather than manual techniques.
Descrição
Citação
DIAS, Letícia Marcelino Sotelo. Práticas fisioterapêuticas para pacientes hospitalizados com covid-19: comparação entre especialistas certificados e não certificados no Brasil. 2022. 130 f. Dissertação (Mestrado Interdisciplinar em Ciências da Saúde) - Instituto de Saúde e Sociedade, Universidade Federal de São Paulo, Santos, 2022.