Avaliação multitemporal do desmatamento da Floresta Amazônica na Região Sudeste do Estado do Pará, através do NDVI em imagens Landsat, entre os anos de 1985 e 2021.

Imagem de Miniatura
Data
2023-01-06
Autores
Pereira, Samara Lydia Dias Fernandes [UNIFESP]
Orientadores
Soares Junior, Adilson Viana [UNIFESP]
Tipo
Trabalho de conclusão de curso de graduação
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
A Floresta Amazônica é a maior floresta tropical do mundo e está presente no continente sul- americano, a maior parte de sua extensão se encontra dentro do território brasileiro. Os principais tipos de vegetação encontrados no bioma são: Floresta de terra firme; Floresta de várzea; Floresta de igapó; Manguezais; Campos de várzea; Campos de terra firme; Campinas; Vegetação de restinga e Serrana. Sendo assim, devido a grande biodiversidade, o bioma possui um importante papel na manutenção dos serviços ecossistêmicos. Nesse contexto, o presente trabalho de conclusão de curso objetivou o uso do Sensoriamento Remoto junto de técnicas aplicadas ao Índice de Vegetação da Diferença Normalizada (NDVI) para analisar temporalmente o desmatamento da cobertura vegetal Amazônica em imagens dos satélites Landsat 5 e Landsat 8 referentes às órbitas/pontos 223/064, em partes ou na totalidade do território de 32 municípios distribuídos entre os Estados do Maranhão, Tocantins e Pará, sendo que a maioria deles estão presentes no Sudeste do Estado do Pará. Os resultados do NDVI foram classificados em três classes de Uso e Cobertura do Solo: Área Sem Vegetação; Área Preservada e Área Desmatada. De acordo com os resultados, a Área Preservada da região Sudeste do Pará diminuiu em 54,4% em 36 anos. Em 1985, essa área possuía 82,8% de floresta preservada, porém, em 2021, essa porcentagem caiu para 28,4%. A classe Área Desmatada, por sua vez, aumentou em 69,7% em 36 anos. Em 1985 havia 14,9% de desmatamento na área de estudo e em 2021, essa porcentagem subiu para 69,7%. A análise de dados também revelou que, entre os anos estudados, o período de maior desmatamento no Sudeste do Estado do Pará ocorreu entre 1991 e 2003, em que a vegetação foi reduzida em 30,9%.
The Amazon rainforest is the largest rainforest on the world, and it’s located on the South American continent, with most of its extension being inside Brazilian territory. The main types of vegetation found within the biome are terra firme forest; várzea forest; igapó forest; mangrove forest; floodplain fields; terra firme fields; meadow; montane and restinga vegetations. This way, the huge biodiversity casts an important role on the maintenance of its ecosystemic services. In this context, the present term paper objectives the use of the Remote Sensoring together with the Normalized Difference Vegetation Index’s (NDVI) applied techniques to analyze temporally the deforestation of the vegetation in the Amazon in images from the Landsat-5 and 8 satellites referring to the orbits/points 223/064 in parts or in the totality of the 32 counties’ territories distributed within the states of Pará, Maranhão and Tocantins, wherein the vast majority of the counties find themselves within the Southeast of Pará’s state. The NDVI results were classified into three Land Use and Land Cover classes: No Vegetation Area, Preserved Area and Deforested Area. According to the results, the preserved area of southeast Pará decreased by 54.4% in 36 years. In 1985 this area had 82.8% of forest preserved and in 2021, this percentage fell to 28.4%. The deforested area class increased by 69.7% in 36 years. In 1985 there was 14.9% deforestation in the study area and in 2021, this percentage increased to 69.7%. The data analysis also revealed that, among the years studied, the period of greatest deforestation in southeastern Pará State occurred between 1991 and 2003, when vegetation was reduced by 30.9%.
Descrição
Citação