Estado atual do ensino da laparoscopia nas residências médicas de ginecologia e obstetrícia do Brasil

Imagem de Miniatura
Data
2023-02-15
Autores
Kikuchi Fernandes, Carla Ferreira [UNIFESP]
Orientadores
Sartori, Marair Grafio Ferreira [UNIFESP]
Tipo
Tese de doutorado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Introdução: A residência médica é considerada o mais importante passo após a graduação e o melhor método de ensino para cirurgiões Em 2020, o Brasil atingiu a marca de quinhentos mil médicos. Por ser um país de grandes dimensões, com diversidades culturais e desigualdade socioeconômica, conhecer o estado atual do ensino nos Programas de Residência Médica de Ginecologia e Obstetrícia (PRMGO) é essencial para melhorar a qualidade do ensino aos médicos e a assistência aos pacientes. Objetivo: Caracterizar o ensino de laparoscopia nos PRMGO do Brasil. Objetivos secundários: Avaliar as características dos preceptores dos programas de laparoscopia e determinar os cenários das práticas dos treinamentos. Método: Estudo descritivo transversal, com avaliação de questionário enviado aos Coordenadores dos PRMGO brasileiros, no período de fevereiro de 2019 a abril 2021. Resultados: Enviouse o questionário para 175 Coordenadores de PRMGO e houve 90 respostas (51,4%). Foram excluídos 5 registros. Dos 85 programas, 67 têm treinamento em laparoscopia. Os programas localizavam-se em 50% no Sudeste, concentrando-se nas capitais. Os coordenadores têm média 45,4 anos, 62,7% são do sexo masculino e 37,3% realizam ativamente laparoscopia. O responsável pelo setor de laparoscopia apresenta experiência avançada na maior parte dos serviços, assim como os preceptores. Os residentes participam ativamente das cirurgias exceto em 1 serviço e em 39,4% têm treinamento em laboratório ou centro de treinamento cirúrgico. No laboratório, a maior parte tem treinamento com simulador físico. Apenas 28,9% dos serviços sem laboratório têm planejamento de montar estrutura nos próximos 3 anos. Dos 26 serviços com treinamento fora do Centro cirúrgico, 80,8% têm treinamento como parte formal do currículo e 61,5% têm períodos reservados dentro da grade horária. Somente 46,2% têm mais de 20 horas de treinamento formal por ano. Em 38,5% dos serviços, o treinamento não é avaliado. A maior parte dos serviços avaliaram ser “importante” o treinamento em laparoscopia no laboratório antes de entrar em cirurgias, ser “importante” avaliação objetiva da aptidão em laparoscopia e ser “importante” ter um laboratório no serviço. Conclusão: O ensino de laparoscopia nos no Brasil apresenta ensino heterogêneo e desigual, sendo que 20% dos programas não apresentam ensino em laparoscopia. Os preceptores dos serviços com treinamento em laparoscopia têm experiência avançada e participam dos treinamentos de laboratório e de centro cirúrgico. Apenas 23,5% (20) programas analisados têm laboratório ou centro de treinamento próprio. Dos 65 serviços sem laboratório 29,9% não têm planejamento de montar a médio prazo um centro de treinamento.
Introduction: Medical Residency is considered the most important step after graduation and it’s the best method of training for surgeons. In 2020, Brazil hit the mark of five hundred thousand of physicians. As it is a huge country where cultural diversity and socioeconomic inequality are present, to improve the teaching quality for physicians and the assistance for patients, it’s crucial to understand the status of teaching in Medical Residency Programs in Obstetrics and Gynecology [PRMGO, in Portuguese] in Brazil. Objective: To characterize laparoscopy teaching in the PRMGO in Brazil. Secondary outcomes: To evaluate preceptors’ characteristics in laparoscopy programs and to determine the scenario of laparoscopic training practices. Methods: This is a descriptive cross-sectional study who evaluated questionnaire responses sent to the Coordinators of the Medical Residency Programs in Gynecology and Obstetrics, from February 2019 to April 2021. Results: The questionnaire has been sent to 175 Coordinator of PRMGO and 90 replies have been received (51,4%). 5 registrations have been excluded. From the 85 analyzed replies, it’s been observed that 67 programs had laparoscopic training. 50% of the programs were in Southeast concentrating in some capitals from the country. The coordinator median age observed has been 45.4 years old having a male predominance of 62.7% and 37.3% actively perform laparoscopy. The chief of Laparoscopy Sector has advanced experience in most services, as well as the preceptors. Residents actively participate in surgeries, except for 1 service (nonpractical classes) and 39,4% have training in a laboratory or surgical training center. In most of the laboratories, the training is performed in a physical simulator. A few programs perform training on animals (6 services), human corpse (1 service) or virtual simulator. Only 28.9% of the services without a laboratory plan to build one in the next 3 years. From the 26 services with laparoscopy training outside the operating room, 80.8% perform formal training as part of the curriculum and 61.5% have a schedule for it. Just 46.2% have more than 20 hours of formal training per year. The training is not evaluated in 38.5% of the services and only 3.9% is objectively evaluated. Most services assume as “important” the laparoscopy training in lab before performing a surgery, the objective assessment of aptitude in laparoscopy and the existence of a laboratory in service. Conclusion: The teaching of laparoscopy in Medical Residency Programs in Obstetrics and Gynecology in Brazil presents heterogeneous and unequal teaching, with 20% of the program without teaching in laparoscopy. The preceptors have advanced experience and participate in laboratory and operating room training. Only 23.5% of the analyzed programs have their own laboratory or training center. From 65 services without a laboratory, 29.9% have no plan to set up a training center in a medium term.
Descrição
Citação
FERNANDES, Carla Ferreira Kikuchi Estado atual do ensino da laparoscopia nas residências médicas de ginecologia e obstetrícia do Brasil. 2021. 87 f. Tese (Doutorado em Ginecologia) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). São Paulo 2023.