A construção do poder chinês no século XXI e os desafios impostos pelo sistema financeiro doméstico e internacional

Imagem de Miniatura
Data
2023-01-17
Autores
Sanches, Gabriela Teixeira da Rocha Muro [UNIFESP]
Orientadores
Costa, Karen Fernandez [UNIFESP]
Tipo
Trabalho de conclusão de curso de graduação
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
O principal propósito desta pesquisa é compreender como a China adquiriu poder, sobretudo financeiro, ao longo do século XXI, e discutir quais são os principais desafios que estão postos pelo sistema financeiro doméstico e internacional para projeção deste poder. Para isso, far-se-á uso do modelo do Estado desenvolvimentista para o estudo do poder financeiro, desenvolvido por Sandra Heep, explicando assim como os sistemas de repressão financeira influenciam a capacidade dos Estados de adquirir poder nas finanças internacionais. São três as hipóteses deste trabalho. A primeira sugere que a projeção de poder financeiro da China se sustenta no crescimento econômico do país. A segunda hipótese, defende que em um sistema financeiro internacional dominado pelas instituições de Bretton Woods, certamente haverão entraves à ascensão de poder de qualquer Estado desenvolvimentista que não seja capaz de traçar estratégias eficazes a fim de superar as limitações inscritas por um sistema financeiro internacional predominantemente neoliberal. Por fim, a terceira hipótese se baseia na percepção de que se há espaço para o exercício de poder pela China — enquanto Estado intervencionista e não adepto ao neoliberalismo —, a projeção deste poder certamente estará exposta também às fragilidades pelas quais inevitavelmente o país é sujeito devido ao sistema de repressão financeira doméstico. A metodologia deste Artigo Científico se debruça à revisão bibliográfica, aplicada ao método hipotético-dedutivo.
The main purpose of this research is to understand how China acquired power, especially financial, throughout the 21st century, and to discuss what are the main challenges that are posed by the domestic and international financial system for the projection of this power. With this in mind, we will use the model of the developmental State for the study of financial power developed by Sandra Heep, thus explaining how systems of financial repression influence the ability of States to acquire power in international finance. There are three hypotheses in this paper. The first suggests that the projection of China's financial power is based on the country's economic growth. The second hypothesis argues that in an international financial system dominated by the Bretton Woods institutions, there will certainly be obstacles to the rise of power of any developmental State that is not capable of devising effective strategies in order to overcome the limitations inscribed by an international financial system predominantly neoliberal. Finally, the third hypothesis is based on the perception that if there is room for the exercise of power by China — as an interventionist State and not adept of neoliberalism —, the projection of this power will certainly also be exposed to the weaknesses to which the country is inevitably subject due to the domestic financial repression system. The methodology of this Scientific Article focuses on the bibliographic review, applied to the hypothetical-deductive method.
Descrição
Citação
SANCHES, Gabriela Teixeira da Rocha Muro. A construção do poder chinês no século XXI e os desafios impostos pelo sistema financeiro doméstico e internacional. 2023. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Relações Internacionais) - Universidade Federal de São Paulo, Escola Paulista de Política, Economia e Negócios, Osasco, 2023.