Concepções de gênero, masculinidade e cuidados em saúde: estudo com profissionais de saúde da atenção primária

Imagem de Miniatura
Data
2011-11-01
Autores
Machin, Rosana [UNIFESP]
Couto, Márcia Thereza [UNIFESP]
Silva, Geórgia Sibele Nogueira Da
Schraiber, Lilia Blima
Gomes, Romeu
Santos Figueiredo, Wagner Dos
Valença, Otávio Augusto
Pinheiro, Thiago Félix
Orientadores
Tipo
Artigo
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
This paper analyzes concepts of gender and masculinity among Primary Healthcare professionals in four Brazilian States (Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, São Paulo). It is based on two perspectives: the meanings associated with being a man and the relations between masculinity and healthcare. This qualitative study is part of a multicentric investigation, which used triangulation methods as a benchmark. Sixty-nine in-depth interviews carried out among health professionals with higher education were analyzed. The discourses (re)produce the notion that health facilities are feminized spaces. Within the daily routine, this notion is translated as reinforcing the idea that the male body is not a locus of this care, as opposed to the female body which is considered a locus of care. The presence of a hegemonic pattern of masculinity is prominent among professionals' representations of men and seems to influence the latter, in their lack of commitment with healthcare. The existence of a stereotyped gender model (re)produces disparities between men and women in healthcare and compromises the visibility of other meanings and expressions of gender identities.
O trabalho analisa as concepções de gênero e masculinidades de profissionais de saúde da Atenção Primária à Saúde em quatro estados do país (PE, RJ, RN, SP) a partir de duas perspectivas: os significados associados a ser homem e a relação masculinidade e cuidados em saúde. O estudo de natureza qualitativa é parte de pesquisa multicêntrica tendo por referência a triangulação de métodos. Foram analisadas 69 entrevistas em profundidade de profissionais de saúde com formação de nível superior. Os relatos dos profissionais (re)produzem a noção de que os serviços são espaços feminilizados, o que se traduz no seu cotidiano por um reforço à ideia do corpo masculino como lócus do não cuidado em oposição ao corpo feminino visto como lócus desse cuidado. Sobressai a representação dos profissionais sobre os homens centrados na forte presença de um padrão hegemônico de masculinidade, que influencia o pouco envolvimento destes com os cuidados em saúde. A existência de um modelo estereotipado de gênero acarreta a (re)produção de desigualdades entre homens e mulheres na assistência a saúde e compromete a visibilidade de outros significados e expressões de identidades de gênero.
Descrição
Citação
Ciência & Saúde Coletiva. ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva, v. 16, n. 11, p. 4503-4512, 2011.
Coleções