Swallowing disorders after ischemic stroke

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2011-10-01
Autores
Remesso, Gabriela Camargo [UNIFESP]
Fukujima, Marcia Maiumi [UNIFESP]
Chiappetta, Ana Lúcia de Magalhães Leal [UNIFESP]
Oda, Adriana Leico [UNIFESP]
Aguiar, Alexandre Santos
Oliveira, Acary Souza Bulle [UNIFESP]
Prado, Gilmar Fernandes do [UNIFESP]
Orientadores
Tipo
Artigo
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
OBJECTIVE: To investigate occurrences of swallowing disorders after ischemic stroke. METHOD: This was a retrospective study on 596 medical files. The inclusion criterion was that the patients needed to have been hospitalized with a diagnosis of ischemic stroke; the exclusion criteria were the presence of associated cardiac problems and hospital stay already more than 14 days. RESULTS: 50.5% were men and 49.5% women; mean age 65.3 years (SD=±11.7) (p<0.001). Among the risk factors, 79.4% had hypertension, 36.7% had diabetes (p<0.001) and 42.7% were smokers. 13.3% of the patients died. Swallowing disorders occurred in 19.6%, among whom 91.5% had mild difficulty and 8.5% had severe difficulty. 87.1% had spontaneous recovery after a mean of 2.4 months. A lesion in the brainstem region occurred in 6.8% (p<0.001). CONCLUSION: Swallowing disorders occurred in almost 20% of the population and most of the difficulty in swallowing found was mild. The predictors for swallowing disorders were older age, diabetes mellitus and lesions in the brainstem region.
OBJETIVO: Verificar alteração da deglutição após acidente cerebrovascular isquêmico (AVCI). MÉTODO: Estudo retrospectivo de 596 prontuários. Critérios de inclusão: pacientes hospitalizados com diagnóstico de AVCI. Critérios de exclusão: pacientes com problemas cardíacos associados e com mais de 14 dias de internação. RESULTADOS: 50,5% homens e 49,5% mulheres, idade média 65,3 anos (DP=±11,7) (p<0,001). Entre os fatores de risco, 79,4% hipertensão arterial, 36,7% diabetes (p<0,001), 42,7% tabagismo. Óbito ocorreu em 13,3% dos pacientes. Alteração de deglutição ocorreu em 19,6%, sendo 91,5% com dificuldade leve e 8,5% com dificuldade grave; 87,1% tiveram recuperação espontânea com tempo médio de 2,4 meses. A lesão em região de tronco encefálico ocorreu em 6,8% (p<0,001). CONCLUSÃO: A alteração da deglutição ocorreu em quase 20% da população e a dificuldade de deglutição mais encontrada foi a leve. Os fatores preditores para alteração de deglutição foram aumento da idade, diabetes mellitus e lesão em região de tronco encefálico.
Descrição
Citação
Arquivos de Neuro-Psiquiatria. Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO, v. 69, n. 5, p. 785-789, 2011.