Show simple item record

dc.contributor.advisorToledo, Maria Rita de Almeida
dc.contributor.authorMartins, Manoel Ruiz Corrêa [UNIFESP]
dc.coverage.spatialGuarulhospt_BR
dc.date.accessioned2022-08-22T20:41:13Z
dc.date.available2022-08-22T20:41:13Z
dc.date.issued2022-06-22
dc.identifier.citationMARTINS, Manoel Ruiz Corrêa. “Velha roupa colorida”: a crítica musical da “Ilustrada” (1979-1985). 2022. 209 f. Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Guarulhos, 2022.pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.unifesp.br/11600/65335
dc.description.abstractEsta pesquisa tem como objetivo analisar as relações entre a “Ilustrada” (o caderno de cultura do jornal Folha de S.Paulo), a MPB (Música Popular Brasileira) e o cenário musical brasileiro dos anos 1980. Trata-se de um estudo com foco na história da imprensa no Brasil, que faz interlocuções com a historiografia da música popular e com as questões relacionadas à indústria fonográfica do último quarto do século XX. O recorte temporal da pesquisa (1979-1985) abrange um momento em que a Folha implantava um projeto editorial (conhecido como Projeto Folha), cujas injunções afetaram a “Ilustrada”, sua redação e seus parâmetros jornalísticos. Paralelo a isso, a indústria fonográfica atravessava uma grave crise, seguida de um processo de concentração e desnacionalização, o que demandou a redefinição de suas táticas comerciais. As grandes gravadoras, nessa direção, buscaram, entre outras coisas, a redução de seus quadros de funcionários e artistas, a segmentação do mercado, a juvenilização do mundo do disco e a multiplicação de lançamentos internacionais ou de discos nacionais regados a referências ao rock e aos gêneros da música jovem internacional. Diante de um cenário hostil à renovação de artistas, um grupo de intérpretes e compositores de São Paulo, às fímbrias dos terrenos do “circuito oficial”, destacou-se ao impulsionar uma movimentação pautada na ideia de produção “independente”. Tratando sobre o complexo cenário musical dos anos 1980, a crítica da “Ilustrada” buscou ordenar a recepção e o uso que o público eventualmente faria dos materiais sonoros. Nesse itinerário, a sigla MPB adquiriu múltiplos significados, sendo colocada, por parte da “Ilustrada” e de outros setores da indústria cultural, diante de um paradoxo: ora acusada de estar em “crise”, uma vez que não mais correspondia às angústias e expectativas da juventude brasileira que vivia o ato final da ditadura militar, ora usada como uma espécie de filtro de organização do mercado e elemento enriquecedor das novas cenas musicais que se popularizavam (como o movimento dos “independentes”, o rock e a música infantil). Considerando que a imprensa atua como uma força ativa nos processos sociais, propomos que a “Ilustrada” não apenas retratou os acontecimentos que envolveram a MPB e a indústria fonográfica dos anos 1980, como também influiu sobre os seus rumos.pt_BR
dc.format.extent209 f.pt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal de São Paulopt_BR
dc.rightsAcesso abertopt_BR
dc.subjectHistória da imprensapt_BR
dc.subjectIlustradapt_BR
dc.subjectMPBpt_BR
dc.subjectIndústria fonográficapt_BR
dc.subjectAnos 1980pt_BR
dc.title“Velha roupa colorida”: a crítica musical da “Ilustrada” (1979-1985)pt_BR
dc.title.alternative“Velha roupa colorida”: the music criticism of “Ilustrada” (1979-1985)pt_BR
dc.typeDissertação de mestradopt_BR
unifesp.campusEscola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (EFLCH)pt_BR
unifesp.graduateProgramHistóriapt_BR
unifesp.researchAreaPoder, cultura e saberespt_BR
dc.contributor.authorLatteshttp://lattes.cnpq.br/5993335793043641pt_BR
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/0174591208393017pt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record