A cultura digital na educação e a in(ex)clusão social

Imagem de Miniatura
Data
2022-07-15
Autores
Lima, Jackson Luiz Silva de [UNIFESP]
Orientadores
Pesce, Lucila [UNIFESP]
Tipo
Trabalho de conclusão de curso de graduação
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Esta pesquisa bibliográfica (LIMA e MIOTO, 2007) busca analisar a inserção da cultura digital na educação e seus processos de ampliação do alcance da sala de aula, percebendo a inclusão digital como uma das facetas da inclusão social e, como tal, contribuinte ao empoderamento de grupos sociais. Com a chegada abrupta da cultura digital na educação regular, em função da pandemia da covid-19, a escola brasileira se viu diante da necessidade de ampliar sua inserção no mundo tecnológico. A escola que é uma via imensa de disseminação de inovações, se viu diante do ensino online, híbrido, estudantes, docentes e gestores diante do desafio de fazer a escola funcionar também no universo online. Antes da pandemia da covid-19, já havia vários programas em prol da inclusão digital nas escolas, tentativas de modernização e rompimento com métodos mais tradicionais e galgar espaços para a inserção e difusão das tecnologias como potencializadores das aprendizagens e conhecimento. No entanto, o cenário atual exigiu uma adaptação mais rápida, mudanças mais bruscas e isso permitiu perceber vantagens e debilidades em todo o processo. Ao longo da vivência, como docente na rede pública estadual de São Paulo e como estudante da Universidade Federal de São Paulo, este pesquisador notou proximidades entre os achados da pesquisa bibliográfica e os enfrentamentos por ele vividos no seio das escolas: as limitações e os avanços de estudantes, docentes, gestores e instituições de ensino, em face da abrupta inclusão digital e da premência de construção de saberes em meio ao “capital tecnológico” (LARA e QUARTIERO, 2011). Nas instituições públicas de ensino fundamental, a expectativa inicial era de um processo de transição relativamente tranquilo, uma vez que a atual geração é tida como nativa digital (PRENSKY, 2001); na prática isso não se sustentou. Houve grandes dificuldades, pouca adesão e os motivos não eram tão diversos assim, passavam pela pouca habilidade de pais e estudantes com as tecnologias digitais, chegando a problemas financeiros e sociais, como famílias com apenas um celular de uso para todos. Os achados da pesquisa bibliográfica, em contraponto à vivência do pesquisador, como docente em escola pública ressaltam o caráter basilar, relevante e fundamental da inclusão digital e problematizam dificuldades já existentes em meio ao processo de inclusão digital, notadamente no âmbito das escolas brasileiras.
Descrição
Citação
Coleções