Prevalência e impacto da infecção pelo vírus da Hepatite E em portadores de doença hepática avançada

Imagem de Miniatura
Data
2022-03-11
Autores
Raimundo, Luis Gustavo [UNIFESP]
Orientadores
Carvalho-Filho, Roberto José [UNIFESP]
Tipo
Tese de doutorado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Introdução: O vírus da hepatite E (HEV) é um vírus hepatotrópico não envelopado pertencente à família Hepeviridae. Recentemente, a infecção pelo HEV tem se tornado mais comum em países considerados não endêmicos, como o Brasil. A importância da infecção pelo HEV em pacientes com doença hepática avançada (DHA), que cursa com inflamação crônica e disfunção imune, é desconhecida. Objetivos: Avaliar a relevância clínica da infecção pelo HEV em portadores de DHA, de forma a: A) Identificar a prevalência e os fatores associados ao contato com o HEV; B) Avaliar o impacto do contato prévio com o HEV na gravidade da hepatopatia; C) Pesquisar a prevalência de infecção crônica pelo HEV; e D) Avaliar a concordância entre dois testes disponíveis comercialmente para a de detecção de anticorpos anti-HEV da classe IgG. Material e métodos: Estudo observacional analítico transversal com inclusão de pacientes seguidos em um ambulatório terciário. O estado funcional da hepatopatia crônica foi avaliado pela classificação de Child-Turcotte-Pugh (CTP) e pelo escore MELD (Model for End-stage Liver Diseases). As amostras séricas dos pacientes incluídos no estudo foram testadas para anticorpos anti-HEV da classe IgG (por dois ensaios imunoenzimáticos diferentes) e para a presença de HEV-RNA (por RT-PCR). Resultados: Os 155 pacientes incluídos foram semelhantes aos 394 indivíduos excluídos, embora tenham se apresentado com indícios de hipertensão portal mais acentuada. Doença hepática alcoólica foi a causa da DHA em 56% da amostra, na qual 81% possuíam varizes esofágicas e 39% tinham história prévia de hemorragia varicosa. CTP classe A foi observada em 61% da amostra, com mediana de MELD de 10,4 pontos. A prevalência de anticorpos anti-HEV da classe IgG foi de 28% (44/155) e de 38% naqueles com DHA criptogênica (9/24). Pacientes com sorologia reagente apresentaram menor índice de massa corporal (IMC), mas não diferiram dos indivíduos com sorologia anti-HEV não reagente em relação às demais características clínicas e laboratoriais e quanto à gravidade da hepatopatia. HEV-RNA foi detectado em dois casos (1,3%), sendo uma paciente com hepatite C crônica (com sorologia não reagente) e um indivíduo com DHA criptogênica (com sorologia reagente). A concordância entre os dois ensaios sorológicos foi considerada boa (kappa = 0,663 + 0,068). Conclusões: Contato prévio com o HEV foi observado em 28% dos portadores de DHA, sem a identificação de fatores clínicos ou laboratoriais consistentemente associados a este achado. Evidência sorológica de contato com o HEV reagente não se associou à presença de pior estado funcional hepático em portadores de DHA. Infecção crônica pelo HEV foi observada em dois casos (1,3%), com sorologia anti-HEV IgG não reagente em um deles. Em portadores de DHA, dois ensaios imunoenzimáticos comercialmente disponíveis apresentam boa concordância.
Introduction: Hepatitis E virus (HEV) is a non-enveloped hepatotropic virus of Hepeviridae family. Recently, HEV infection has become more common in non-endemic countries, like Brazil. The importance of HEV infection in patients with advanced liver disease (ALD), that evolves with chronic inflammation and immune dysfunction, is unknown. Objectives: To evaluate the clinical relevance of HEV infection in patients with ALD, in order to: A) Identify the prevalence and factors associated to HEV contact; B) Assess the impact of previous HEV contact on the liver disease severity; C) Research the prevalence of chronic HEV infection; and D) Assess the agreement between two commercially available tests for anti-HEV IgG antibodies detection. Material and Methods: Observational cross-sectional analytical study with inclusion of 155 patients from a ALD specialized outpatient service. The functional status of chronic liver disease was assessed using the Child-Turcotte-Pugh classification and the MELD score (Model for End-stage Liver Diseases). Sera samples from included patients were tested for IgG class Anti-HEV antibodies (by two different kits) and the presence of HEV-RNA (by RT-PCR). Results: The 155 patients included were similar to 394 excluded individuals, although they presented with signs of more severe portal hypertension. Alcoholic liver disease was the cause of ALD in 56% of the sample, in which 81% had esophageal varices and 39% had previous variceal hemorrhage event. Class A CPT was observed in 61% of the sample, with a median MELD of 10.4 points. The prevalence of IgG class anti-HEV antibodies was 28% (44/155) and 38% in patients with cryptogenic DHA (9/24). Patients with positive serology had lower body mass index (BMI), but did not differ from individuals with non-reactive anti-HEV serology in others clinical and laboratory characteristics and severity of liver disease. HEV-RNA was detected in two cases (1.3%): one patient with chronic hepatitis C (with non-reactive serology) and the other with cryptogenic DHA (with reactive serology). The agreement between the two serological tests was considered good (kappa = 0,663 + 0,068). Conclusions: More studies will be necessary for a better understanding of HEV as an intimately involved factor in the natural evolution of fibrous liver disease. Previous contact with HEV was observed in 28% of ALD patients, without clinical or laboratory factors consistently associated with this finding. Serological evidence of HEV contact was not associated to a worse liver functional status in patients with ALD. Chronic HEV infection was observed in two cases (1.3%), with a non-reactive anti-HEV IgG serology in one of them. In ALD patients, two commercially available enzyme immunoassays show good agreement.
Descrição
Citação
RAIMUNDO, L.G. Prevalência e impacto da infecção pelo vírus da Hepatite E em portadores de doença hepática avançada. São Paulo, 2022. 103 f.Tese (Doutorado em Gastroenterologia) - Escola Paulista de Medicina (EPM), Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2022.