Prevalência e características da queixa de dor no ombro em praticantes de Crossfit® - estudo observacional transversal

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2020-12-01
Autores
Orrillo, Milca Magalhaes De Souza [UNIFESP]
Orientadores
Pochini, Alberto De Castro [UNIFESP]
Tipo
Dissertação de mestrado profissional
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Objective: To describe the prevalence and characteristics of self-reported shoulder pain in CrossFit® practitioners. Secondary objectives included exploring possible associations between self-reported shoulder pain and the following variables: personal and training characteristics, shoulder disability, general joint laxity, and glenohumeral instability in this population. Methods: This cross-sectional study included 675 CrossFit® practitioners; participants self-reported personal data on their exercise practice, shoulder pain, and shoulder disability and then received a physical exam to explore generalized ligament laxity and shoulder instability. Participants mentioning shoulder pain answered additional questions about the pain, and the evaluator registered the pain site. The data were analyzed through descriptive statistics and logistic regression. Results: Participants were mostly men (58.7%, n = 396) between 18 and 65 years old, with a mean age of 32.7 (SD 6.6) years, an average BMI of 25.3 (SD 3.4), and had an average of 2.6 (SD 1.7) years of experience with CrossFit. In the previous week, 31.3% (n=211) of the sample size had a prevalent shoulder pain case. This pain was rated as an average intensity of 4.4 (SD 2.2), with the anterolateral region being the most referenced region, by 38.4% (n=81) of the participants. Overhead weight lifting movements were the most commonly-reported exercises related to the shoulder pain, reported by 50.5% (n=103) of the individuals, followed by gymnastic movements, reported by 31.9% (n=65). Statistically significant differences (p>0.001) were found between the shoulder pain and healthy study participants in terms of shoulder disability, with those reporting shoulder pain scoring an average of 20 (SD 12.7) and those without shoulder pain scoring an average of 9.4 (SD 3.3) with a statistically significant difference between groups. Of all participants, 38.4% (n=259) practiced another sport in addition to CrossFit®, with a statistically significant difference between the groups with and without complaints of shoulder pain for this variable (p=0.042). Study evaluators explored general ligament laxity, finding that 12% (n=81) of the study population was positive for this condition. Among the participants, 5.9% (n=40) reported feeling complaints of shoulder instability during CrossFit® practice, with a statistically significant difference between groups with and without shoulder pain for this variable (p<0.001). Conclusion: The prevalence of shoulder pain in CrossFit® practitioners in the previous week was 31.3%, with mild- to moderate severity. The primary site of the pain was the anterolateral region of the shoulder and the exercise movements attributed to the primary cause of the pain were overhead weightlifting and gymnastic movements. Personal and training characteristics, higher values of BMI, and practicing other sports were associated with self-reported shoulder pain in this population. Shoulder pain was associated with greater degrees of shoulder disability. Generalized ligament laxity was not associated with self-reported shoulder pain, while instability while practicing this sport was associated with self-reported shoulder pain.
Objetivo: Descrever a prevalência e as características da queixa de dor no ombro em praticantes de CrossFit®; secundariamente, investigar possíveis associações entre prevalência da queixa de dor no ombro e as seguintes variáveis: características pessoais e de treinamento, incapacidade no ombro, frouxidão ligamentar generalizada e instabilidade glenoumeral nesta população. Métodos: Estudo transversal incluindo 675 praticantes de CrossFit ®, que responderam a uma ficha de avaliação contendo dados pessoais e sobre a prática esportiva, avaliação da queixa de dor e da incapacidade no ombro por meio de questionários e foi realizado um exame físico para frouxidão ligamentar generalizada e instabilidade do ombro. Os participantes com queixa responderam a questões sobre a dor no ombro e a avaliadora registrou a região da dor. Os dados foram analisados pela estatística descritiva e modelos de regressão logística. Resultados: A prevalência de dor no ombro entre praticantes de CrossFit® foi de 31,3% (n=211) e a intensidade da dor entre estes indivíduos foi de 4,41 (DP 2,16) em média na escala numérica de avaliação da dor, sendo a região ântero-lateral do ombro apontada por 38,4% (n=81) dos participantes como o local da dor. Quanto aos exercícios do CrossFit® relacionados com a causa principal de dor, foram relatados os movimentos com carga acima da cabeça por 50,5% (n=103) dos indivíduos, seguidos pelos movimentos da ginástica com 31,9% (n=65). Os participantes tinham idade entre 18 e 65 anos, com média de 32,7 (DP 6,6) anos, apresentaram IMC de 25,3 (DP 3,4) em média, a maioria deles eram homens (58,7%, n=396) e tinham em média 2,6 (DP 1,7) anos de experiência com a modalidade. De todos os participantes, 38,4% (n=259) praticavam outro esporte além do CrossFit®, com diferença estatisticamente significante entre os grupos com e sem queixa de dor no ombro para esta variável (p=0,042). Quanto à pontuação do questionário que avaliou incapacidade no ombro, o grupo com queixa de dor no ombro apresentou média de 20 (DP 12,7) e a média no grupo sem queixa de dor no ombro foi de 9,4 (DP 3,3) com diferença estatisticamente significante entre os grupos (p>0,001). Na avaliação da frouxidão ligamentar generalizada, foram encontrados 12% (n=81) indivíduos positivos para esta condição. Dentre os participantes, 5,9% (n=40) relataram sentir queixa de instabilidade no ombro durante a prática do CrossFit®, com diferença estatisticamente significante entre os grupos com e sem xiv queixa de dor no ombro para esta variável (p<0,001). Conclusão: A prevalência de queixa de dor no ombro em praticantes de CrossFit® foi de 31,3%, com severidade leve à moderada; o principal local da dor foi a região ântero-lateral do ombro e os movimentos da modalidade atribuídos como causa principal da dor no ombro foram os movimentos de levantamento de peso com carga acima da cabeça e os movimentos da ginástica, características pessoais e de treinamento, valores mais altos para o IMC e a prática de outra atividade esportiva estiveram associados com a queixa de dor no ombro nesta população. A queixa de dor no ombro esteve associada à maior incapacidade no ombro. A frouxidão ligamentar generalizada não esteve associada com a dor no ombro, enquanto tal associação foi encontrada para a queixa de instabilidade durante a prática da modalidade.
Descrição
Citação