Caregiver contribution to Heart Failure Self- Care – versão brasileira: adaptação transcultural e validação de conteúdo e de face

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2020-04-30
Autores
Grisante, Daiane Lopes [UNIFESP]
Orientadores
Lopes, Camila Takao [UNIFESP]
Tipo
Dissertação de mestrado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Introduction: Patients with heart failure (HF) commonly rely on the support of informal caregivers for self-care. It is relevant that their contributions are measured through reliable and valid instruments. The Caregiver Contribution to Heart Failure Self-Care (CACHS) was developed in Canada, in order to measure the caregivers' contributions to self-care patients with HF, with adequate psychometric properties in the country of origin. Objective: To adapt CACHS into Brazilian Portuguese and to estimate the content and face validity of the adapted version. Method: A psychometric study of cross-cultural adaptation, content and face validation of CACHS, initiated upon authors´ permission, by following the phases: 1) Two English-Portuguese translations (T1 and T2); 2) Synthesis by a third Brazilian translator - version T12; 3) Two T12 back-translations (BT1 and BT2); 4) Review of BT1 and BT2 for conceptual consistency by the authors of the instrument; 5) Iterative review of all phases based on the authors' opinions; 6) Review by an expert committee: 6.1) Semantic, idiomatic, cultural and conceptual equivalences (-1: not equivalent, 0: undecided and 1: equivalent). Agreement was considered to be ≥80%. 6.2.) Clarity, theoretical relevance and practical relevance (1: no, 2: little, 3: quite; 4: very clear relevant/pertinent). Content validity coefficients (CVC)≥0.80 were considered acceptable. 7) Cognitive testing: Evaluation of the understanding of the items and the aesthetic aspect of the instrument by 46 caregivers. 8) Review of the aspects suggested by caregivers and a new test with six caregivers. The project was approved by the Research Ethics Committee of Universidade Federal de São Paulo (Protocol 2.935.525) Results: Phase 1) T1 and T2 had discrepancies related to the use of synonyms, a literal or interpretive approach and regarding the translation of the item “I call to make an appointment with a nurse or doctor”, because the lay translator was unaware of nursing appointments. Phase 2) In the T12 version, the more literal translation was preferred. Phases 3 to 5) The authors considered that BT1 and BT2 kept a conceptual consistency with the original version, therefore, there was no need for a new revision of the translations. Phase 6) In the first round, four items had a 75% agreement on semantic equivalence, seven items had a 62.5% to 75% agreement on idiomatic equivalence and one item had a 75% agreement on cultural equivalence. In the second round, all items reached 100% agreement, except for the item "I encourage him/her to get some exercise every day”", which had a 75% agreement on the equivalent conceptual. The CVCs in the first and second rounds were 0.80 to 0.90. Phase 7) The caregivers requested explanations about three items, which were reformulated. The font size was increased. Phase 8) All caregivers understood the reformulated version of CACHS, named “Caregiver Contribution to Heart Failure Self-Care – Versão Brasileira”. Conclusion: CACHS was adapted into the Brazilian culture, with adequate evidences of content and face validity. Further psychometric testing of this version is needed enable the accurate measurement of the CG contributions to HF self-care in Brazil.
Introdução: Pacientes com insuficiência cardíaca (IC) comumente contam com o apoio de cuidadores informais para autocuidado. É relevante que as contribuições dos cuidadores sejam avaliadas por meio de instrumentos confiáveis e válidos. O Caregiver Contribution to Heart Failure Self-Care (CACHS) foi desenvolvido no Canadá, de forma a mensurar as contribuições dos cuidadores para o autocuidado dos pacientes com IC, e apresentou adequadas propriedades psicométricas no país de origem. Objetivo: Adaptar o CACHS para Português falado no Brasil e estimar evidências de validade de conteúdo e de face da versão adaptada. Método: Estudo psicométrico de adaptação transcultural e validação de conteúdo e face do CACHS, iniciado após permissão das autoras, seguindo as fases: 1) Duas traduções Inglês-Português (T1 e T2); 2) Síntese por uma terceira tradutora brasileira - versão T12; 3) Duas retrotraduções T12 (RT1 e RT2); 4) Revisão de RT1 e RT2 quanto à consistência conceitual pelas autoras do instrumento; 5) Revisão iterativa de todas as fases a partir da opinião das autoras; 6) Revisão por comitê de especialistas: 6.1) Equivalências semântica, idiomática, cultural e conceitual (-1: não equivalente, 0: indeciso e 1: equivalente). Foi considerada aceitável concordância≥80%. 6.2.) Clareza, relevância teórica e pertinência prática (1: não, 2: pouco, 3: bastante; 4: muito claro/relevante/pertinente). Foram considerados aceitáveis coeficientes de validade de conteúdo (CVC)≥0,80. 7) Testagem cognitiva: Avaliação da compreensão dos itens e do aspecto estético do instrumento por 46 cuidadores. 8) Revisão dos aspectos sugeridos pelos cuidadores e novo teste com sete cuidadores. O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética da Universidade Federal de São Paulo (Protocolo 2.935.525) Resultados: Fase 1) T1 e T2 apresentaram discrepâncias relacionadas ao uso de sinônimos, à abordagem literal ou interpretativa, e quanto à tradução do item I call to make an appointment with a nurse or doctor, pois a tradutora leiga desconhecia consultas de enfermagem. Fase 2) Na versão T12, deu-se preferência à tradução mais literal. Fases 3 a 5) As autoras consideraram que RT1 e RT2 mantiveram consistência conceitual com a versão original, sem necessidade de nova revisão das traduções. Fase 6) Na primeira rodada, quatro itens tiveram concordância de 75% na equivalência semântica, sete itens tiveram concordância de 62,5% a 75% na equivalência idiomática e um item teve concordância de 75% na equivalência cultural. Na segunda rodada, todos os itens alcançaram concordância de 100%, exceto pelo item “Eu sugiro que a pessoa faça um pouco de exercício todos os dias”, que apresentou concordância de 75% em equivalência conceitual. O CVC na primeira e segunda rodada foi de 0,80 a 0,90. Fase 7) Os cuidadores solicitaram explicações sobre três itens, os quais foram reformulados. O tamanho da fonte foi aumentado. Fase 8) Todos os cuidadores demonstraram compreensão da versão reformulada do CACHS, denominado “Caregiver Contribution to Heart Failure Self-Care – Versão Brasileira””. Conclusão: O CACHS foi adaptado à cultura brasileira e apresentou adequadas evidências de validade de conteúdo e face. Propriedades psicométricas adicionais do instrumento serão testadas de forma a subsidiar a avaliação das contribuições do cuidador para o autocuidado de pacientes com IC no país.
Descrição
Citação