Análise dos eventos infecciosos ocorridos com receptores de transplante renal com doador falecido com critério expandido

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2020-07-30
Autores
Sousa, Sirlei Regina De [UNIFESP]
Orientadores
Barbosa, Dulce Aparecida [UNIFESP]
Tipo
Tese de doutorado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Introduction: despite advances in dialysis methods and kidney transplantation, mortality from chronic kidney disease remains high. There are few epidemiological studies on risk factors for infection / colonization by multi-resistant bacteria in kidney recipients with Deceased Donor with Expanded Criteria. Objectives: to analyze risk factors for infection / colonization by multi-resistant bacteria in kidney transplant recipients with Deceased Donor with Expanded Criteria. Method: a retrospective, epidemiological, cohort study that analyzed the presence of infection in 466 kidney transplant recipients with an expanded deceased donor. A descriptive analysis of the data presented was performed using absolute and percentage frequencies, means, standard deviations, minimum and maximum values, when appropriate, univariate and multivariate analysis for risk factors for infection. The level of significance adopted was 0.05. The statistical program used to perform the calculations was RStudio, version 1.2.1335 and R, version 3.4.4. Results: A total of 466 kidney transplant recipients with Deceased Donor with Expanded Criterion were included in the study. 63% were male, mean age 47 years, mixed race (44.2%) prevailed, 89% were positive for cytomegalovirus, 49% received even a bag of hemacene concentrate before transplantation. The mean cold ischemia time was 1503 minutes, 53.4% underwent urethral anastomosis using the Gregoir technique, requiring hemodialysis after transplantation 3 to 4 times, the use of thymoglobulin was observed in 39.9% for one dose and in 15.9% for 4 doses. The main cause of death of the donor was stroke (31.5%) followed by traumatic brain injury (32%). The presence of acute tubular necrosis was observed in 64.2% of the donor kidney before transplantation. A total of 551 episodes of infection were recorded, 162 by cytomegalovirus, 80 by urinary tract infection and others. Episodes of infections were 70.2% in kidney transplant recipients with Deceased Donor with Expanded Criterion. The risk factors for infection for the 327 (70.20%) recipients were using the immunosuppressive protocol Tacrolimus, Prednisone and Azathioprine, Tacrolimus, Prednisone and Mycophenolate Sodium, induction with thymoglobulin and presence of CMV infection. The incidence of infection with multidrug-resistant bacteria was 6.1%. The most common infection was Urinary Tract Infection (70%), and the carbapenemase-producing etiologic agent Klebsiella pneumoniae was diagnosed in eleven urine cultures (78.50%). Klebsiella pneumoniae carbapenemase-producing pneumonia was present in four patients and in one due to surgical site infection. One patient had multidrug-resistant Eschichia Coli urinary tract infection, a vancomycin-resistant Enterococcus blood-correcting infection, and two had carbapenemase-producing Klebsiella pneumoniae and Eschichia Coli. Survival was 96% among patients with infection. Patients without infection survived at a rate of 100% two years after the transplant. Survival was shorter for recipients who had CMV infection in the first month after transplantation. Conclusions: the most frequent infectious episodes were due to cytomegalovirus and urinary tract infection. The etiologic agent most present in the result of urine culture was the carbapenemase-producing Klebsiella pneumoniae. The risk factors for infection were length of stay, having infection with Cytomegalovirus, use of Tacrolimus, Prednisone and Azathioprine, Tacrolimus, Prednisone and Mycophenolate Sodium, induction with Timoglobulin and diabetes. Death occurred in 3.3% of the studied population and the main cause of death was infectious. Survival was 96% among patients with infection.
Introdução: apesar dos avanços nos métodos dialíticos e no transplante renal, a mortalidade na Doença Renal Crônica permanece elevada. Há poucos estudos epidemiológicos sobre os fatores de risco para infecção/colonização por bactérias multirresistentes em receptores de rim com Doador Falecido com Critério Expandido. Objetivos: analisar os fatores de risco para infecção/colonização por bactérias multirresistentes em receptores de transplante renal com Doador Falecido com Critério Expandido. Método: estudo de coorte, retrospectivo, epidemiológico, que analisou a presença de infecção em 466 receptores de transplante renal com doador falecido expandido. Realizada análise descritiva dos dados apresentados utilizando-se frequências absolutas e percentuais, médias, desvios padrão, valores mínimos e máximos, quando apropriados, análise univariada e multivariada para fatores de risco para infecção. O nível de significância adotado foi de 0,05. O programa estatístico utilizado para efetuar os cálculos foi o RStudio, versão 1.2.1335 e o R, versão 3.4.4. Resultados: Um total de 466 receptores de transplante renal com Doador Falecido com Critério Expandido foram incluídos no estudo. Eram do sexo masculino 63%, media de idade 47 anos, prevaleceu etnia parda (44,2%), 89% eram positivos para citomegalovírus, 49% receberam ate uma bolsa de concentrado de hemácias antes do transplante. O tempo médio de isquemia fria foi de 1503 minutos, 53,4% realizaram anastomose uretral com a técnica de Gregoir, com necessidade de realizara hemodiálise apos o transplante de 3 a 4 vezes, o uso de timoglobulina foi observado em 39,9% para uma dose e em 15,9% para 4 doses. A principal causa de morte do doador foi acidente vascular encefálico (31,5%) seguido de traumatismo crânio encefálico (32%). A presença de necrose tubular aguda foi observada em 64,2% do rim do doador antes do transplante. Um total de 551 episódios de infecção foram registrados, sendo 162 por citomegalovírus, 80 por infecção do trato urinário e outras. Os episódios de infecções foram de 70,2% nos receptores de transplante renal com Doador Falecido com Critério Expandido .Os fatores de risco para infecção para os 327 (70,20%) dos receptores foram uso do protocolo imunossupressor Tacrolimus, Prednisona e Azatioprina, Tacrolimus, Prednisona e Micofenolato Sódico, indução com Timoglobulina e presença de infecção por CMV. A incidência de infecção com bactérias multirresistente foi de 6,1%. A infecção mais presente foi a Infecção do Trato Urinário (70%), e o agente etiológico Klebsiella pneumoniae produtora de carbapenemase foi diagnosticado em onze uroculturas (78,50%). A pneumonia por Klebsiella pneumoniae produtora de carbapenemase estava presente em quatro pacientes e em um por Infecção de sitio cirúrgico. Um paciente estava com Infecção do trato urinário por Eschichia Coli Multirresistente, um Infecção de correte sanguínea por Enterococcus resistente à vancomicina, e dois estavam com Klebsiella pneumoniae produtora de carbapenemase e Eschichia Coli. A sobrevida foi de 96% entre os pacientes com infecção. Os pacientes sem infecção sobreviveram com uma taxa de 100% após dois anos do transplante. A sobrevida foi menor para os receptores que tiveram infecção por CMV no primeiro mês após o transplante. Conclusões: os episódios infecciosos mais frequentes foram por citomegalovírus e Infecção do trato urinário. O agente etiológico mais presente no resultado da urocultura foi o Klebsiella pneumoniae produtora de carbapenemase. Os fatores de risco para infecção foram o tempo de internação, ter infecção por Citomegalovírus, uso de Tacrolimus, Prednisona e Azatioprina, Tacrolimus, Prednisona e Micofenolato Sódico, indução com Timoglobulina e diabetes. O óbito ocorreu em 3,3% da população estudada e a principal causa de óbito foi infecciosa. A sobrevida foi de 96% entre os pacientes com infecção.
Descrição
Citação