Balneoterapia em insuficiência venosa crônica: revisão sistemática e metanálise

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2020-11-26
Autores
Silva, Melissa Andreia De Moraes [UNIFESP]
Orientadores
Miranda Junior, Fausto [UNIFESP]
Tipo
Tese de doutorado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Backgroud: Chronic venous insufficiency, a slow and progressive disease, with a wide range of clinical manifestations, presents several types of treatment, including surgery, elastocompression and balneotherapy, the latter being an effective treatment, with reduced cost. Objective: To assess the efficacy and safety of balneotherapy for the treatment of people with chronic venous insufficiency. Methods: Systematic review of randomized and quasi-randomized clinical trials. The search was conducted in Cochrane Vascular Specialised Register, CENTRAL, MEDLINE, Embase, AMED and CINAHL databases, the World Health Organization International Clinical Trials Registry Platform, the ClinicalTrials.gov trials register, Lilacs and IBECS and complemented by checking through manual search of relevant journals, books and conference abstracts. There were no language and date of publication restrictions. Randomized clinical trials that compared balneotherapy with no treatment or with other types of treatment in patients with chronic venous insufficiency were included. Primary outcomes were disease severity signs and symptoms score, health-related quality of life and adverse events of treatment, and secondary outcomes included pain, oedema, incidence of leg ulcer and skin pigmentation changes. Two review authors independently reviewed studies retrieved by the search strategies, assessed selected studies for complete analysis and performed study selection, data extraction and risk of bias assessment for included studies, following the Cochrane Collaboration recommendations. Where possible, we pooled data into metaanalyses. For binary outcomes (leg ulcer incidence and adverse events), we presented the results using odds ratio (OR) with 95% confidence intervals (CI). For continuous outcomes (disease severity, health-related quality of life (HRQoL), pain, oedema, skin pigmentation), we presented the results as a mean difference (MD) with 95% CI. Results: We included seven randomised controlled trials with 891 participants. Six studies (836 participants) evaluated balneotherapy versus no treatment. One study evaluated balneotherapy versus a phlebotonic drug (Melilotus officinalis) (55 participants). There was a lack of blinding of participants and investigators, imprecision and inconsistency, which downgraded the certainty of the evidence. For the balneotherapy versus no treatment comparison, there probably was no improvement in favour of balneotherapy in disease severity signs and symptom score as assessed using the Venous Clinical Severity Score. Balneotherapy probably resulted in a moderate improvement in HRQoL as assessed by the Chronic Venous Insufficiency Questionnaire 20 (CVIQ20) at three months, nine months and 12 months. There was no clear difference in HRQoL between balneotherapy and no treatment at six months. Balneotherapy probably slightly improved pain compared with no treatment. There was no clear effect related to oedema between the two groups at 24 days. There probably was no improvement in favour of balneotherapy in the incidence of leg ulcers. There was probably a reduction in incidence of skin pigmentation changes in favour of balneotherapy at 12 months. The main complications reported included erysipelas, thromboembolic events and palpitations, with no clear evidence of an increase in reported adverse effects with balneotherapy. There were no serious adverse events reported in any of the studies. For the balneotherapy versus a phlebotonic drug (melilotus officinalis) comparison, we observed no clear difference in pain symptoms and oedema. This single study did not report on the other outcomes of interest. Conclusion: We identified moderate- to low-certainty evidence that suggests that balneotherapy can result in an improvement in pain, quality of life and changes in skin pigmentation. There is no clear effect on signs and symptoms of disease severity, adverse effects, leg ulcers and edema when compared to no treatment.
Introdução: A insuficiência venosa crônica, doença de evolução lenta e progressiva, com vasta gama de manifestações clínicas, apresenta vários tipos de tratamento, incluindo cirurgia, elastocompressão e balneoterapia, sendo este último um tratamento eficaz, com custo reduzido. Objetivo: Avaliar a eficácia e a segurança da balneoterapia no tratamento de pessoas com insuficiência venosa crônica. Métodos: Revisão sistemática de ensaios clínicos randomizados e quasi-randomizados. A pesquisa foi realizada nas bases de dados Cochrane Vascular Specialized Register, CENTRAL, MEDLINE, Embase, AMED e CINAHL, na Plataforma Internacional de Registro de Ensaios Clínicos da Organização Mundial da Saúde, no registro de ensaios clínicos do ClinicalTrials.gov, Lilacs e IBECS e complementado através da verificação através de busca manual de revistas, livros e resumos de conferências relevantes. Não houve restrições de idioma e data de publicação. Foram incluídos ensaios clínicos randomizados que compararam balneoterapia com nenhum tratamento ou com outros tipos de tratamento em pacientes com insuficiência venosa crônica. Os desfechos primários foram os sinais e sintomas de gravidade da doença, a qualidade de vida relacionada à doença e os eventos adversos do tratamento; e os desfechos secundários incluíram dor, edema, incidência de úlcera de perna e alterações na pigmentação da pele. Dois revisores independentes realizaram a seleção de estudos, extração de dados e avaliação de risco de viés para os estudos incluídos, seguindo as recomendações da Cochrane Collaboration. Sempre que possível, reunimos dados em metanálise. Para desfechos binários (incidência de úlcera de perna e eventos adversos), apresentamos os resultados usando odds ratio (OR) com intervalos de confiança de 95% (IC). Para resultados contínuos (gravidade da doença, qualidade de vida relacionada à doença, dor, edema, pigmentação da pele), apresentamos os resultados como diferença média com IC 95%. Resultados: Foram incluídos sete ensaios clínicos randomizados com 891 participantes. Seis estudos (836 participantes) avaliaram balneoterapia versus nenhum tratamento. Um estudo avaliou a balneoterapia versus um medicamento flebotônico (Melilotus officinalis) (55 participantes). Houve falta de cegamento dos participantes e investigadores, imprecisão e inconsistência, o que diminuiu a certeza das evidências. Para a balneoterapia versus comparação sem tratamento, provavelmente não houve melhora em favor da balneoterapia nos sinais de gravidade da doença e no escore de sintomas, conforme avaliado pelo Venous Clinical Severity Score. A balneoterapia provavelmente resultou em uma melhora moderada na qualidade de vida avaliada pelo Questionário de Insuficiência Venosa Crônica 20 (CVIQ20) em três meses, nove meses e 12 meses. Não houve clara diferença na qualidade de vida entre balneoterapia e nenhum tratamento aos seis meses. A balneoterapia provavelmente melhorou ligeiramente a dor em comparação com nenhum tratamento. Não houve efeito claro relacionado ao edema entre os dois grupos em 24 dias. Provavelmente não houve melhora a favor da balneoterapia na incidência de úlceras nas pernas. Provavelmente houve uma redução na incidência de alterações na pigmentação da pele em favor da balneoterapia aos 12 meses. As principais complicações relatadas incluíram erisipela, eventos tromboembólicos e palpitações, sem evidências claras de um aumento nos efeitos adversos relatados com a balneoterapia. Não houve eventos adversos graves relatados em nenhum dos estudos. Para a comparação da balneoterapia versus uma droga flebotônica (Melilotus officinalis), não observamos diferença clara nos sintomas de dor e edema. Este único estudo não relatou os outros resultados de interesse. Conclusão: Identificamos evidências de moderada a baixa certeza que sugerem que a balneoterapia pode resultar em uma melhora em dor, qualidade de vida e alterações na pigmentação da pele. Não é observado efeito claro nos sinais e sintomas de gravidade da doença, efeitos adversos, úlceras nas pernas e edema quando comparado com nenhum tratamento.
Descrição
Citação