Evolução etária do ângulo de carregamento do cotovelo: estudo clínico-radiográfico

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2011-04-01
Autores
Terra, Bernardo Barcellos [UNIFESP]
Silva, Bruno Costa Mello [UNIFESP]
Carvalho, Henrique Bella Freire de [UNIFESP]
Dobashi, Eiffel Tsuyoshi [UNIFESP]
Pinto, Jose Antonio [UNIFESP]
Ishida, Akira [UNIFESP]
Orientadores
Tipo
Artigo
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
OBJECTIVE: This paper has the purpose of evaluate the elbow carrying angle by clinic and radiographic examination in normal children and determine the range of normality according to age from childhood to skeletal maturity and also check if there is a statistically significant difference between the clinical and radiographic measurements. METHODS: We evaluated 510 persons with ages varying from 1 to 18 years distributed in groups with 30 subjects according to the age group with 1-year interval. We performed radiographic examination of the elbow and measured the angle formed by the long axis of the humerus and ulna. The data were statistically analyzed using the student t-test. RESULTS: We determined a normal curve of the study population where there was an increase of this parameter with the progression of age. No statistically significant difference between the clinical and radiographic measures. CONCLUSION: The average of the elbow carrying angle was 12,78 ± 5,35 degrees for females and 11,20 ± 4,45 degrees for males. This values increase progressively from childhood until 16 years when we notice stabilization. There was no statistical difference between the clinical and radiographic measurements.
OBJETIVO: Avaliar clínica e radiograficamente o ângulo de carregamento do cotovelo (ACC) determinando uma curva de normalidade de acordo com faixas etárias (da infância à maturidade esquelética) e comparar as medidas clínicas e radiográficas. MÉTODOS: Avaliamos 510 indivíduos (1020 cotovelos), com idades entre 1 e 18 anos, distribuídos em grupos de 30 conforme faixas etárias, com intervalo de 1 ano. Excluímos os portadores de: fraturas do cotovelo, sequelas, malformações, doenças genéticas, afecções inflamatórias e frouxidão ligamentar. Mensuramos clinicamente o ACC bilateralmente com goniômetro, onde obtivemos duas medidas por dois examinadores onde média destas foi considerada. Realizamos radiografias ântero-posteriores dos cotovelos e aferimos os ângulos formados pelos eixos do úmero e da ulna. Todos os dados foram analisados estatisticamente pelo teste t student. RESULTADOS: Determinamos uma curva de normalidade onde observamos aumento deste parâmetro conforme a progressão da idade. Não observamos diferença significante entre as medidas clínicas e radiográficas. CONCLUSÃO: A média do ângulo de carregamento para o sexo feminino foi 12,78º ± 5,35 e para o masculino 11,20º ± 4,45. Este valor aumenta progressivamente da infância até os 16 anos quando observamos estabilização. Não houve diferença estatística significante das medidas clínicas e radiográficas.
Descrição
Citação
Acta Ortopédica Brasileira. Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, v. 19, n. 2, p. 79-82, 2011.