Efeitos de diferentes concentrações de cortisol em tratamentos contínuo e intermitente na linhagem celular SGHPL-4 de trofoblasto extraviloso

Imagem de Miniatura
Data
2021-08-31
Autores
Húngaro, Talita Guerreiro Rodrigues [UNIFESP]
Orientadores
Araújo, Ronaldo de Carvalho [UNIFESP]
Tipo
Tese de doutorado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Objetivo: Analisar os efeitos de tratamentos com baixas e altas concentrações de cortisol na linhagem celular SGHPL-4, trofoblasto extraviloso do primeiro trimestre gestacional, considerando especialmente a expressão gênica e a função destas células. Materiais e Métodos: As células SGHPL-4 foram tratadas com 5 concentrações diferentes (0-1000nM) e 2 exposições (contínua: 24h/dia; e intermitente: 2h/dia) ao cortisol. Analisamos a expressão gênica, a migração celular e a formação de estruturas semelhantes a tubos (tube-like formation). Resultados: No tratamento intermitente, o cortisol atuou principalmente como um hormônio anti-inflamatório, reprimindo moduladores inflamatórios como o receptor B1 de cininas (B1R), interleucina 6 e interleucina 1 beta. Por outro lado, o tratamento contínuo com cortisol, mesmo em concentrações fisiológicas, modulou tanto as vias inflamatórias quanto as angiogênicas, reprimindo significativamente a expressão gênica de alguns fatores de crescimento como o fator de crescimento vascular endotelial, fator de crescimento placentário e seus receptores VEGFR-2 e sVEGFR-1. O cortisol prejudicou a formação de estruturas semelhantes a tubos e o agonista do B1R (DBK) reverteu este efeito. Além disso, a resposta ao hormônio mostrou ser concentração-dependente no ensaio de migração. Conclusões: As exposições contínuas ao cortisol reprimiram a expressão de genes inflamatórios e angiogênicos, o que não ocorreu com o tratamento intermitente, sugerindo assim, que um aumento prolongado desse hormônio é mais prejudicial do que um aumento de curto prazo, mesmo que elevado. Além disso, o tratamento com cortisol diminuiu a migração celular e prejudicou a formação de tubos nas células SGHPL-4. O efeito antiangiogênico foi revertido após tratamento com agonista do receptor B1.
Descrição
Citação