Conservação de Rudgea Salisb. (Rubiaceae) na Mata Atlântica brasileira

Imagem de Miniatura
Data
2022-01-28
Autores
Gouveia, Alice [UNIFESP]
Orientadores
Bruniera, Carla Poleselli [UNIFESP]
Tipo
Trabalho de conclusão de curso de graduação
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
A Mata Atlântica é conhecida por sua riqueza e endemismo de espécies, sendo uma das regiões mais biodiversas e ameaçadas do planeta - um hotspot de biodiversidade. O bioma sofreu níveis sem precedentes de perda de habitat, tendo apenas 12% da extensão original. Somente 9,3% dos remanescentes atuais estão protegidos, que correspondem a fragmentos pequenos e isolados. Esta fragmentação levou a uma grande porção da vasta biodiversidade da floresta estar sob algum grau de ameaça, como é o caso do gênero Rudgea Salisb., da família Rubiaceae - só 3 espécies são reconhecidas como ameaçadas pela IUCN. Rudgea apresenta 69 espécies, sendo 36 endêmicas ao domínio da Mata Atlântica, e com 3 espécies possuindo subespécies endêmicas ou não da Mata Atlântica. O trabalho teve o objetivo de avaliar o status de conservação das espécies não avaliadas pela International Union for Conservation of Nature (IUCN), determinando se as espécies do gênero se encontram em alguma categoria de ameaça. As coordenadas geográficas das 36 espécies endêmicas de Rudgea da Mata Atlântica foram retiradas do banco de dados de trabalhos com o gênero, e complementadas com as exsicatas dos herbários virtuais Reflora e Global Biodiversity Information Facility (GBIF). Os status de conservação preliminar foram verificados seguindo os critérios da IUCN (2019). A Extensão de Ocorrência (EOO) e a Área de Ocupação (AOO) de cada espécie foram calculados utilizando a ferramenta GeoCAT. Grande parte das coordenadas geográficas de todas as espécies tiveram que ser inferidas a partir da descrição da localidade. 13 táxons foram classificados sob alguma categoria de ameaça, sendo 4 “Vulnerável”, 5 “Em Perigo” e 4 “Criticamente em Perigo”, sendo 7 com suas coletas total ou majoritariamente apenas em Unidades de Conservação (UC), mesmo algumas sendo de Proteção Integral. O status de conservação preliminar “Quase Ameaçada” foi a mais atribuída para os táxons analisados, e pelo menos 10 por serem “dependentes de conservação”. O alto número de UCs presentes no domínio da Mata Atlântica abrange a maioria das populações das espécies de Rudgea endêmicas ao domínio. Portanto, o risco de extinção de espécies endêmicas de Rudgea na Mata Atlântica brasileira está relativamente baixo, mas pode aumentar caso o cenário de proteção do domínio se altere.
The Atlantic Forest is known for its richness and endemism of species, being one of the most biodiverse and threatened regions on the planet - a biodiversity hotspot. The biome has suffered unprecedented levels of habitat loss, having only 12% of its original extent. Only 9.3% of the current remnants are protected, which correspond to small and isolated fragments. This fragmentation has led to a large portion of the vast biodiversity of the forest being under some degree of threat, as is the case of the genus Rudgea Salisb., of the Rubiaceae family - only 3 species are recognized as threatened by the IUCN. Rudgea has 69 species, 36 of which are endemic to the Atlantic Forest domain, and with 3 species having subspecies endemic or not to the Atlantic Forest. The objective of this work was to assess the conservation status of species not evaluated by the International Union for Conservation of Nature (IUCN), determining whether species of the genus are in any category of threat. The geographic coordinates of the 36 endemic species of Rudgea from the Atlantic Forest were taken from the database of works with the genus, and complemented with the exsiccata from the virtual herbaria Reflora and Global Biodiversity Information Facility (GBIF). Preliminary conservation statuses were verified following IUCN criteria (2019). The Range of Occurrence (EOO) and the Area of Occupancy (AOO) of each species were calculated using the GeoCAT tool. Most of the geographic coordinates of all species had to be inferred from the locality description. 13 taxa were classified under some category of threat, 4 being “Vulnerable”, 5 “Endangered” and 4 “Critically Endangered”, 7 of which had their collections totally or mostly only in Conservation Units (UC), even though some were from Comprehensive Protection. The preliminary conservation status “Near Threatened” was the most attributed to the analyzed taxa, and at least 10 for being “conservation dependent”. The high number of UCs present in the Atlantic Forest domain covers most populations of Rudgea species endemic to the domain. Therefore, the risk of extinction of endemic species of Rudgea in the Brazilian Atlantic Forest is relatively low, but could increase if the domain protection scenario changes.
Descrição
Citação