Estranhos no ninho: internações judiciárias de pessoas negras no juquery (1903-1930)

Imagem de Miniatura
Data
2022-02-07
Autores
Vitorino dos Santos, Iris [Unifesp]
Orientadores
Nemi, Ana Lucia Lana
Tipo
Trabalho de conclusão de curso de graduação
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Inaugurado no ano de 1898, decorrente da superlotação do Hospital de Alienados da capital, o Hospício do Juquery abrigou, por mais de um século, uma grande população de pessoas com distúrbios psiquiátricos. Em uma demonstração prática de um discurso higienista, a instituição, envolta em uma proposta de assistência e cura aos alienados, segregou essas pessoas da sociedade em desenvolvimento, isolando-as em uma área afastada. Desde os primórdios, mesmo antes da fundação do Manicômio Judiciário Franco da Rocha (1927), o hospital acolhia alienados oriundos do judiciário e alienados comuns, formando um grande corpo de “loucos” e criminosos degenerados. Esta pesquisa tem o objetivo de compreender o racismo científico e institucional evidenciado pela internação de pessoas negras no Juquery (a partir de 1903) e no Manicômio Judiciário (a partir de 1927), com foco nas internações com justificativa criminal, analisando estas internações sob a ótica da Necropolítica de Achille Mbembe.
Descrição
Citação
Coleções