Show simple item record

dc.contributor.advisorPerissinoto, Jacy [Unifesp]
dc.contributor.authorCamargo, Aline Andrade [Unifesp]
dc.date.accessioned2021-11-29T17:03:22Z
dc.date.available2021-11-29T17:03:22Z
dc.date.issued2021
dc.identifier.urihttps://repositorio.unifesp.br/xmlui/handle/11600/62332
dc.description.abstractO vocabulário expressivo da criança corresponde ao léxico que pode ser utilizado por ela e, a partir do momento que a criança começa a falar, já é possível medir a extensão, ritmo de desenvolvimento e características de seu vocabulário. Pressupõe-se que, os indivíduos com TEA apresentam ritmo próprio de surgimento e variedade de vocabulário. Objetivo: O objetivo deste estudo foi verificar a variedade de campos semânticos no vocabulário expressivo de crianças com idade entre 18 e 30 meses, em risco para TEA. Método: Este trabalho é parte de pesquisa realizada nos Departamentos de Fonoaudiologia e de Psiquiatria, ambos da Unifesp, CEP: n:1120/2019. Foram selecionadas para o estudo 7 crianças (1 menina e 6 meninos), cujo critério de inclusão foi a idade e a pontuação na escala Modified Checklist for Autism in Toddlers - M-CHAT (Diana Robins,1999), tradução (Losapio, Pondé, 2007). Adotou-se o Autism Behavior Checklist – ABC (Almond,PJ, 1993/Tradução Pedromonico, MRM, Marteletto,MRF, 2001) e a Lista de Avaliação de Vocabulário Expressivo – LAVE (Rescorla, 1989), tradução (Capovilla, 1997), ambos aplicados em entrevista individual presencial com intervalo de 4 meses. Em análise descritiva dos casos considerou-se as variáveis idade, sexo, pontuação no ABC e resposta dos pais à LAVE. Resultados: Na primeira avaliação, os campos semânticos mais assinalados foram “PESSOAS” e “OUTROS”, nos quais 4 das 7 crianças assinalaram ao menos uma palavra. Os campos “COMIDAS”; “ANIMAIS”; “PARTES DO CORPO”; e “AÇÕES” foram assinalados apenas por uma criança. Os demais campos semânticos não foram assinalados por nenhum dos indivíduos na primeira avaliação. Na segunda avaliação, o campo semântico mais assinalado foi “PESSOAS”, no qual 5 das 7 crianças assinalaram ao menos uma palavra. O campo semântico menos assinalado foi “LUGARES”, com nenhuma palavra assinalada por nenhum indivíduo da amostra. Conclusão: No campo semântico “PESSOAS” se registrou o maior vocabulário para os casos deste estudo. A variabilidade do vocabulário expressivo ampliou-se, em crianças mais velhas e de menor inabilidade adaptativa.pt_BR
dc.description.abstractThe expressive vocabulary of the child corresponds to the lexicon which can be use for he or she. It is possible to measure the extension, the rate of development and the characteristics of vocabulary from the moment the child begins to speak. Children with ASD are assumed to have their own rate of onset and variety of vocabulary. Objective: The objective of this study was to verify the variety of semantic fields in the expressive vocabulary of children between 18 and 30 months, at risk of ASD. Method: This study is part of a survey carried out in the Departments of Speech Therapy and Psychiatry, both of Unifesp, CEP: n: 1120/2019. A total of 7 children (1 girl and 6 boys) were selected for the study, and the inclusion criteria were the age of the children and the score on the Modified Checklist for Autism in Toddlers - M-CHAT scale (Diana Robins, 1999), translation (Losapio, Pondé, 2007). The Autism Behavior Checklist - ABC (Almond, PJ, 1993 / Translation Pedromonico, MRM, Marteletto, MRF, 2001) and the Lista de Avaliação de Vocabulário Expressivo (LAVE) (Rescorla, 1989), translation (Capovilla, 1997) were applied in an individual face-to-face interviews with an interval of 4 months. In a descriptive analysis of the cases, the variables age, sex, ABC score and parental response to LAVE were considered. Results: In the first evaluation, the most marked semantic fields were “PEOPLE” and “OTHERS”, in which 4 of the 7 children marked at least one word. The fields: "FOOD"; "ANIMALS"; "BODY PARTS"; and "ACTIONS", were marked by a single child. The other semantic fields were not marked by any of the individuals in the first evaluation. In the second evaluation, the semantic field with the most scores was "PEOPLE", in which 5 of the 7 children marked at least one word. The least marked semantic field was "PLACES", with no words marked by any individual in the sample. Conclusion: In the semantic field "PEOPLE" the most extensive vocabulary was recorded for the cases in this study. The expressive vocabulary variability increased in older children and children with less adaptive disability.en
dc.description.sponsorshipNão recebi financiamentopt_BR
dc.format.extent42 f.pt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal de São Paulopt_BR
dc.rightsAcesso abertopt_BR
dc.subjectLinguagem infantilpt_BR
dc.subjectVocabulário expressivopt_BR
dc.subjectTranstorno do espectro autistapt_BR
dc.subjectFonoaudiologiapt_BR
dc.titleVocabulário expressivo em crianças com TEA: análise em dois momentospt_BR
dc.title.alternativeExpressive vocabulary in children with ASD: analysis in two momentsen
dc.typeTrabalho de conclusão de curso de graduaçãopt_BR
unifesp.campusEscola Paulista de Medicina (EPM)pt_BR
dc.contributor.authorLatteshttp://lattes.cnpq.br/5674998651381606pt_BR
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/6591561982003926pt_BR
unifesp.graduacaoFonoaudiologiapt_BR


Files in this item

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record