Show simple item record

dc.contributor.advisorFeldmann, Daniel Augusto [UNIFESP]
dc.contributor.authorOliveira, Beatriz Almeida [UNIFESP]
dc.coverage.spatialOsascopt_BR
dc.date.accessioned2021-09-17T22:42:20Z
dc.date.available2021-09-17T22:42:20Z
dc.date.issued2021-08-04
dc.identifier.citationOLIVEIRA. Beatriz, Almeida. Crise estrutural do capital e a transfiguração do Estado no neoliberalismo. 2021. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Relações Internacionais) - Escola Paulista de Política, Economia e Negócios, Universidade Federal de São Paulo, Osasco, 2021.pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.unifesp.br/handle/11600/61992
dc.description.abstractA partir da década de 1970, o neoliberalismo tem se erigido em resposta à redução das taxas de lucro no capitalismo global, momento marcado pela desdemocratização do Estado e fragmentação das unidades nacionais. Com isso, se verifica uma mudança na forma do Estado: do fiscal ao endividado, ou então, do produtor ao gerencial, alteração que encontra raízes na própria tentativa do capital de superar seus limites. Compreendida como crise estrutural, a incapacidade do capital de realizar um ajuste espaço-temporal adequado, e nesse sentido, a incapacidade do Estado “facilitar” e sustentar a expansão do capital, coloca o último contra a suas próprias determinações ideais afim de se tornar, ele mesmo, objeto apreendido pelo movimento de valorização do valor. Com isso, se expõe a fragmentação das estruturas sociais sobre as quais se erige o capital, e questiona a própria capacidade de continuidade ilimitada da acumulação capitalista.pt_BR
dc.description.abstractSince the 1970s, neoliberalism has emerged in response to the reduction of profit rates in global capitalism, a moment marked by the dedemocratization of the State and the fragmentation of national units. With this, there is a change in the form of the State: from fiscal to indebted, or else, from producer to managerial, a change that finds roots in capital's own attempt to overcome its limits. Understood as a structural crisis, the inability of capital to carry out an adequate spatio-temporal adjustment, and in this sense, the inability of the State to “facilitate” and sustain the expansion of capital, places the latter against its own ideal determinations in order to become, itself, an object apprehended by the value appreciation movement. This movement exposes the fragmentation of social structures on which capital is built, and questions the very capacity for unlimited continuity of capitalist accumulation.pt_BR
dc.description.sponsorshipNão recebi financiamentopt_BR
dc.format.extent30pt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal de São Paulopt_BR
dc.rightsAcesso abertopt_BR
dc.subjectEstadopt_BR
dc.subjectCapitalpt_BR
dc.subjectEspoliaçãopt_BR
dc.subjectCrisept_BR
dc.subjectNeoliberalismopt_BR
dc.subjectImperialismopt_BR
dc.titleCrise estrutural do capital e a transfiguração do Estado no neoliberalismopt_BR
dc.title.alternativeStructural crisis of capital and the transfiguration of the state in neoliberalismpt_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de curso de graduaçãopt_BR
unifesp.campusEscola Paulista de Política, Economia e Negócios (EPPEN)pt_BR
dc.contributor.authorLatteshttp://lattes.cnpq.br/3438685893706279pt_BR
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/8121964433446225pt_BR
unifesp.graduacaoRelações Internacionaispt_BR


Files in this item

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record