Arte, Psicanálise e Disputas em São Paulo: O Discurso do Médico Osório César (1925-1939)

Imagem de Miniatura
Data
2021-08-12
Autores
Almeida, Tairini Aparicio
Orientadores
Nemi, Ana
Tipo
Trabalho de conclusão de curso de graduação
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
O início do século XX foi historicamente um momento de ampla abordagem sobre a “loucura” e os “loucos” no Brasil. No Estado de São Paulo, a discussão permeava a necessidade de um estabelecimento da autoridade médica no campo da psiquiatria. Os debates deste momento eram amplamente divulgados tanto em periódicos quanto em reuniões da intelectualidade paulistana e as teorias sobre degenerescência, psicanálise e psicologia experimental, que estavam a “todo vapor”, amalgamavam-se nas proposições colocadas para tratamento. Ultrapassando a discussão médica, a temática se apresentou também no campo artístico e intelectual da cidade, principalmente pelo prisma das pesquisas de Sigmund Freud. Esta pesquisa busca analisar o discurso médico de Osório Thaumaturgo César, entre o período de 1925 a 1939 e as especificidades histórico/sociais que permitiram a este médico utilizar, dentro do Hospital do Juqueri, uma perspectiva psicanalítica, mesmo cercado de um corpo médico reconhecidamente organicista. César incentivou a produção artística dos internados do Juqueri, bem como defendeu veementemente as suas produções como obra de arte. Munido das teorias freudianas e da abertura proporcionada pelas discussões médicas do período, adentrou no campo de análise artística, cotejando sua formação médica. Para a compreensão de seu discurso buscamos a sua trajetória de vida, bem como as suas posições artísticas e políticas, visto que estas áreas proporcionaram uma rede de sociabilidade que contribuiu abertamente para o seu discurso médico. Neste sentido passaremos pelos debates da época em que César viveu, principalmente os que ele esteve inserido, direta ou indiretamente. Estes debates serão analisados em duas frentes: a médica e a artística. Na questão médica a análise se deu por meio do entrecruzamento de ideias de figuras importantes do ramo da psiquiatria paulista e presentes no meio social de César, tais como Francisco Franco da Rocha, Antônio Carlos Pacheco e Silva e Durval Marcondes. No que tange a arte, a abordagem ocorreu por meio de personalidades que discutiram as questões mentais e psicanalíticas e que foram presentes na vida de Osório César, tais como Tarsila do Amaral, Flávio de Carvalho e Oswald de Andrade. Por fim, cientes de sua trajetória e do momento em que elaborou o seu discurso, faremos uma análise mais próxima de suas obras, principalmente de seus dois livros: “A expressão artística nos alienados - Contribuição para o estudo dos símbolos na arte” de 1929 e “Misticismo e Loucura” de 1939. Além das fontes citadas, a pesquisa também utilizou livros de César ligados ao comunismo, periódicos da época, bem como os trabalhos acadêmicos que trataram o debate psiquiátrico do período, a vida de Osório César e o contexto artístico do início do século XX.
The beginning of the 20th century was, historically, a moment of broad approach to the “madness” and the “crazy” in Brazil. In the State of São Paulo, the discussion permeated the need to establish medical authority in the field of psychiatry. The debates at that time were widely publicized both in periodicals and in meetings of the São Paulo intellectuals, and theories on degeneration, psychoanalysis and experimental psychology, which were “at full steam”, were amalgamated in the proposals put forward for treatment. Going beyond the medical discussion, the theme was also presented in the artistic and intellectual field of the city, mainly through the prism of Sigmund Freud's research. This research seeks to analyze the medical discourse of Osório Thaumaturgo César, between the period 1925 and 1939 and the historical/social specificities that allowed this doctor to use, within the Juqueri Hospital, a psychoanalytic perspective, even though he was surrounded by a recognized organicist medical body. César encouraged the artistic production of the Juqueri inmates, as well as vehemently defended their productions as a work of art. Armed with Freudian theories and the opening provided by the medical discussions of the period, he entered the field of artistic analysis, comparing his medical training. In order to understand his discourse, we searched for his life trajectory, as well as his artistic and political positions, as these areas provided a network of sociability that openly contributed to his medical discourse. In addition, we will go through the debates of the time in which Caesar lived, especially those who were directly or indirectly involved. These debates will be analyzed on two fronts: medical and artistic. In the medical issue, the analysis took place through the intersection of ideas from important figures in the field of psychiatry in São Paulo and those present in César's social milieu, such as Francisco Franco da Rocha, Antônio Carlos Pacheco e Silva and Durval Marcondes. With regard to art, the approach occurred through personalities who discussed mental and psychoanalytic issues and who were present in the life of Osório César, such as Tarsila do Amaral, Flávio de Carvalho and Oswald de Andrade. Finally, aware of his trajectory and the moment in which he elaborated his speech, we will make a closer analysis of his works, especially his two books: "Artistic expression in the alienated - Contribution to the study of symbols in art" from 1929 and “Mysticism and Madness” from 1939. In addition to these two sources, the research also used books by César linked to communism, periodicals of the time, as well as academic works that dealt with the psychiatric debate of the period, the life of Osório César and the artistic context from the beginning of the 20th century.
Descrição
Citação
Coleções