Aproveitamento da glicerina para produção de materiais a base de ferro/carvão

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2020-12-18
Autores
Diniz, Rochele Ferreira Silva Diniz
Orientadores
Gonçalves, Maraísa [UNIFESP]
Tipo
Dissertação de mestrado profissional
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
A poluição ambiental de solos, ar e água vem crescendo de forma considerável, motivando discussões sobre diversas formas de minimizar os impactos causados ao meio ambiente e, consequentemente, para a sociedade. Uma preocupação atual é a queima de combustíveis fósseis, que causam grande poluição e consequentemente levando ao aquecimento global e a escassez futura dessa matéria-prima nobre. Com isso, políticas públicas têm incentivado a utilização de combustíveis oriundos de fontes renováveis, os biocombustíveis, sendo o biodiesel um dos mais produzido em grande escala no Brasil. Outro grande problema ambiental é a poluição por contaminantes da indústria farmacêutica e de higiene pessoal, ocasionando uma grande carga orgânica dos cursos d’água, causando um grande impacto na vida aquática. Neste trabalho, produzimos material a base de ferro/carvão pela polimerização simultânea da glicerina bruta, resíduo do biodiesel, em presença de sal de ferro utilizando método in situ, sem necessidade de preparação do carvão e posterior impregnação. A polimerização foi realizada por 3 h à temperatura de 180 °C e em seguida o material foi tratado termicamente em forno horizontal em atmosfera inerte em temperaturas de 500 e 600 ºC, variando-se o tempo em 2 e 4 h. Os materiais carbonáceos obtidos foram caracterizados por isoterma de adsorção de nitrogênio, microscopia eletrônica de varredura, difratometria de raios-X e análise termogravimétrica. A área superficial específica dos materiais foi de aproximadamente 30 m2g-1, com presença das fases de ferro hematita e magnetita identificada por difratometria de raios-X. Os teores de cinzas variaram de 5 a 17%. Os testes de adsorção e oxidação de contaminantes orgânicos apresentaram remoção do corante azul de metileno (AM) variando de 20 a 99%. Os melhores catalisadores, N1025 e S1025, removeram 99% do AM em presença de peróxido de hidrogênio. O teste de lixiviação mostrou que após remoção do catalisador, o processo de oxidação foi interrompido, portanto não há fase ativa em solução. As medidas de emissão de fluorescência com excitação em 615 nm comprovaram a oxidação do corante com formação de outros produtos comprovada pela diminuição de intensidade do espectro e deslocamento das bandas.
Descrição
Citação