PPG - Medicina (Ginecologia)

URI Permanente para esta coleção

Navegar

Submissões Recentes

Agora exibindo 1 - 5 de 494
  • Item
    Embargo
    Perfil e evolução acadêmica dos alunos ingressantes nos programas de mestrado e doutorado em ginecologia
    (Universidade Federal de São Paulo, 2024-06-18) Adolpho , Feliciano Benedito Aparecido [UNIFESP]; Nazário , Afonso Celso Pinto [UNIFESP]; http://lattes.cnpq.br/0266384667983727; http://lattes.cnpq.br/9400925854514420
    Objetivo: Sistematizar e analisar os registros pessoais e acadêmicos dos alunos ma triculados nos Programas de Pós­graduação e Pesquisa em Ciências da Saúde da Mulher e Medicina (Ginecologia), níveis de Mestrado, Doutorado e Pós­doutorado; considerando o universo das matrículas formalizadas até o mês de dezembro de 2022. Métodos: Levantamento dos dados pessoais e acadêmicos dos discentes e pesquisa dores, no Sistema de Informações Universitárias e processamento desses dados em software estatístico. Resultados: A população de alunos e alunas é formada por 711 discentes ou pesquisadores que formalizaram 880 matrículas, 499 no Mestrado, 342 no Doutorado e 39 no Pós­Doutorado. As matrículas em maioria são de discentes ou pesquisadores formados (75,6%). Conclusões: A população de discentes matriculados é tipicamente feminina, autodeclarada branca, natural de São Paulo. Concluíram a Graduação em curso na área das Ciências da Saúde, com menos de 25 anos de idade, em outras Instituições de ensino públicas ou privadas e vieram complementar a carreira acadêmica na Escola Paulista de Medicina. Iniciaram na Unifesp principalmente em cursos de Especialização, evoluindo para o stricto sensu, onde obtiveram titulação no Mestrado, depois de 34,5 meses, Doutorado com 43,3 meses de curso, os Projetos de Pós­doutorado foram conluídos com 60,4 meses (médias).
  • Item
    Embargo
    Subestimação diagnóstica em biópsias percutâneas de lesões papilíferas da mama
    (Universidade Federal de São Paulo, 2024-06-19) Puccini, Renata Fiorini [UNIFESP]; Nazário, Afonso Celso Pinto [UNIFESP]; Sanvido , Vanessa Monteiro [UNIFESP]; http://lattes.cnpq.br/8626524039311947; http://lattes.cnpq.br/0266384667983727; http://lattes.cnpq.br/8626524039311947
    Objetivo: Verificar a subestimação diagnóstica de lesões papilíferas da mama em biópsia por agulha grossa (BAG), após serem submetidas à excisão cirúrgica, bem como verificar as características clínicas e imaginológicas associadas ao subdiagnóstico. Método: Estudo retrospectivo, por meio de análise de prontuário de 56 pacientes com lesão papilífera mamária identificada em core biopsy e, posteriormente, submetidas à excisão cirúrgica da lesão, entre os anos de 2007 e 2020, na Disciplina de Mastologia da Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo (EPM – Unifesp). Resultados: Das 59 lesões incluídas no estudo, sendo 40,7% casos de lesões papilíferas com atipias, 39% de lesões papilíferas sem atipias e 20,3% de papilomas intraductais, foi identificado 52,5% de subdiagnóstico, não sendo observadas porcentagens distintas por classificação na biópsia (p=0,295) ou por características clínicas ou imaginológicas. Considerando-se apenas o subdiagnóstico de carcinoma in situ ou invasivo, observou-se taxa de 32,2%, sendo 54,2% (IC95%: 43,8% a 74,4%) entre as lesões papilíferas com atipias, 26,2% (IC95%: 10,2% a 48,4%) entre as lesões papilíferas sem atipias e nenhum caso entre os papilomas intraductais puros. Além disso, foi identificado que o aumento em 1 ano na idade da paciente acarretou um aumento de 6% na chance de subdiagnóstico e que pacientes com exame físico normal tiveram chance de subdiagnóstico 83% menor que pacientes com exame físico alterado. Conclusões: Esse estudo mostrou alta taxa de subdiagnóstico entre as lesões papilíferas obtidas em biópsia por agulha grossa e não identificou características clínicas ou imaginológicas associadas. Considerando-se apenas o subdiagnóstico de carcinoma in situ ou invasivo, identificou o aumento da idade da paciente e a presença de alteração em exame físico como fatores preditivos de subdiagnóstico. Dessa forma, conclui se que deve ser considerada a exérese de toda lesão papilífera identificada em BAG, tendo em vista o risco de subdiagnóstico não somente de carcinoma, mas também de atipias.
  • Item
    Embargo
    Análise de citocinas presentes em tecido placentário associadas à infecção pelo SARS-CoV-2 durante a gestação
    (Universidade Federal de São Paulo, 2024-02-20) Barpp, Patricia Sotter Rodrigues [UNIFESP]; Bonetti, Tatiana Carvalho Souza [UNIFESP]; http://lattes.cnpq.br/4844851515888706; http://lattes.cnpq.br/3864435158351345
    Introdução: Durante a pandemia da COVID-19, observou-se que gestantes apresentam maior probabilidade de serem hospitalizadas e necessitar de internação em unidades de terapia intensiva que mulheres não gestantes quando infectadas pelo SARS-Cov-2. Apesar do vírus ter transmissão vertical rara, ele pode infectar células placentária e alterar mecanismos moleculares deste tecido. Objetivos: Avaliar citocinas presentes em extrato placentário de parturientes infectadas pelo SARS-CoV-2 durante a gestação ou na vigência do parto, comparado com grupo controle sem infecção. Métodos: Foram incluídas no estudo parturientes assistidas no Departamento de Obstetrícia da EPM-UNIFESP ou Amparo Maternal no período de outubro de 2020 a fevereiro de 2021, que apresentassem infecção pelo SARS-CoV-2 durante a gestação ou no momento do parto. Como grupo controle foram incluídas parturientes sem infecção prévia ou atual pelo SARS- CoV-2. Foram coletadas amostras de tecido placentário, sangue periférico da parturiente e sangue de cordão umbilical. Foi avaliada a presença de anticorpos IgG anti-SARS-CoV-2 em amostras de sangue periférico materno e de cordão umbilical; e a concentração de citocinas (IL-6, IL-8, IL-15, IL-18 e IP-10) em extrato placentário. Resultados: Gestantes infectadas pelo SARS-CoV-2 em algum momento da gestação ou parto apresentam um aumento de IL-18 comparado ao grupo controle. A concentração de IL- 18 está associada com a presença da infecção, mesmo quando ajustada para tipo de parto e idade gestacional por modelos de regressão linear múltipla. A média de semanas da infecção até o parto foi 15.92±11.21 para as parturientes do grupo COVID-G e 1.22±0.44 para aquelas do grupo COVID-P. Ainda, a maioria dos casos foram assintomáticos-leves em ambos os grupos, COVID-G (80%) e COVID-P (67%). Não houve associação do aumento da IL-18 com o tempo da infecção em relação ao momento do parto (coleta da amostra) ou gravidade dos sintomas. Conclusões: Ao analisar as concentrações de citocinas em extrato placentário de gestantes infectadas pelo SARS-CoV-2, observamos um aumento significativo da IL-18, e uma elevação menos evidente e não estatisticamente significante das IL-15 e IP-10. Corroborando com a literatura, os resultados deste estudo sugerem que a infecção pelo SARS-CoV-2 gera um perfil inflamatório na placenta das gestantes infectadas, mediado principalmente pela IL-18. Palavras-chave: SARS- COVID-19, citocina, IL-18, gravidez e placenta.
  • Item
    Acesso aberto (Open Access)
    Estudo randomizado controlado duplo-cego de avaliação do efeito da fotobiomodulação intravaginal em mulheres com transtorno da dor gênito-pélvica/penetração secundário a dor miofascial do assoalho pélvico
    (Universidade Federal de São Paulo, 2023-05-02) Chamma, Bruna Mello [UNIFESP]; Schor, Eduardo [UNIFESP]; Ploger, Christine [UNIFESP]; http://lattes.cnpq.br/4694996196890284; http://lattes.cnpq.br/8854353153245040; http://lattes.cnpq.br/2642338953044012
    A dor gênito-pélvica/penetração inclui os conceitos de dispareunia e vaginismo, onde há espasmo da musculatura de assoalho pélvico. A dor miofascial do assoalho pélvico (DMFAP) possui duração de pelo menos seis meses, e é frequentemente associada com pontos gatilho. O tratamento para a dor miofascial é clínico e pode ser realizado com recursos mais invasivos (como infiltração de anestésicos, acupuntura e agulhamento a seco) ou mais conservadores (como relaxantes musculares, modificações comportamentais, termoterapia, crioterapia, técnicas de terapia manual e a fotobiomodulação). A fotobiomodulação aumenta o aporte sanguíneo para as células no ponto gatilho que estão em hipoxemia, com a melhora da microcirculação local e favorece a remoção dos metabólitos celulares, quebrando o ciclo dor-espasmo-dor. Objetivo: Verificar o efeito da fotobiomodulação, em mulheres com queixa do transtorno da dor gênito-pélvica/penetração, secundária a dor miofascial. Método: Estudo randomizado controlado duplo cego com 25 pacientes com queixa de dor gênito pélvica/penetração divididas em 2 grupos: grupo de fotobiomodulação e o grupo placebo. As mulheres foram submetidas a 10 sessões de fotobiomodulação no assoalho pélvico e responderam a questionários específicos de pré e pós o protocolo de 10 sessões. Resultados: Com relação a intensidade da dor gênito pélvica/ penetração houve redução da queixa após a aplicação da fotobiomodulação (p= <0.001). No questionário FSFI observamos, diminuição significativa, após a aplicação da FBM no domínio dor(p=<0,001). Houve, também melhora significativa no desejo (p= 0,010), excitação (p= 0,033) e satisfação (P= 0,018). Com relação a lubrificação vaginal e orgasmo não houve diferença estatística. Conclusão: A fotobiomodulação se apresenta como potencial nova ferramenta para o tratamento, fisioterapêutico, de mulheres com dor gênito pélvica/penetração.
  • Item
    Acesso aberto (Open Access)
    Avaliação da reserva ovariana, por meio da dosagem do hormônio antimulleriano, após escleroterapia alcoólica do endometrioma ovariano
    (Universidade Federal de São Paulo, 2023-05-29) Neves, Jaqueline da Silva [UNIFESP]; Eduardo, Schor [UNIFESP]; Kopelman, Denis [UNIFESP]; Szejnfeld, Alexander; http://lattes.cnpq.br/5784659077054234; http://lattes.cnpq.br/9794875065191681; http://lattes.cnpq.br/8854353153245040; http://lattes.cnpq.br/9665574384113372
    Introdução: Endometriose é uma doença ginecológica benigna, que acomete 6- 10% das mulheres em idade reprodutiva. A manifestação ovariana, denominada endometrioma, está presente em 17- 44% dessas pacientes. A infertilidade e a dor pélvica são sintomas comuns, que pioram a qualidade de vida das mulheres afetadas. O tratamento clínico medicamentoso é pouco eficaz nos endometriomas maiores que um centímetro. O tratamento cirúrgico é o mais indicado, sendo a cistectomia ovariana o procedimento cirúrgico padrão ouro. Entretanto, após a cistectomia, há diminuição da reserva ovariana nessas mulheres, que pode prejudicar a fertilidade. Portanto a busca por procedimento que possa reestabelecer a qualidade de vida e, também não prejudicar o futuro reprodutivo nos motivou a realizar este trabalho. Objetivo: Avaliar prospectivamente, por meio da dosagem do Hormônio Anti- Mulleriano (HAM), o comportamento da reserva ovariana, além da variação na intensidade da dor e taxa de recidiva dos cistos endometrióticos em pacientes submetidas ao procedimento de escleroterapia alcoólica. Métodos: Neste estudo prospectivo, 10 pacientes (com idade média de 30,5 anos), foram submetidas à escleroterapia alcoólica, como parte da terapêutica do ambulatório de Algia Pélvica e Endometriose, da UNIFESP, de maio de 2019 até janeiro de 2022. O diagnóstico foi baseado nos sintomas clínicos e exames de imagem. Para avaliar o impacto da reserva ovariana, o HAM sérico foi medido antes e 3 meses após o procedimento. O acompanhamento com ultrassonografia foi realizado 1 e 3 meses após a alcoolização. A comparação do HAM e tamanho dos endometriomas antes e depois foi realizada com software JAMOVI, através de testes pareados não paramétricos. A avaliação da qualidade de vida foi através do questionário Endometriosis Health Profile Questionnaire 30 (EHP-30) e escala visual analógica (EVA). Resultados: O tamanho médio do endometrioma variou de 5.56 cm ± 2.25 para 2.52 cm ± 1.79 com p < 0,001. Foi possível observar melhora em várias dimensões da qualidade de vida, analisadas pelo questionário EHP-30. Em relação ao score de dor houve uma diminuição de 49.91 pontos ± 19.31 para 7.96 pontos ± 5.79 (p < 0,001), indicando melhora desse sintoma. Não foi possível realizar a análise estatística em relação à variação dos níveis da medida do HAM sérico devido ao pequeno número de participantes. Conclusão: A escleroterapia alcoólica como tratamento para os endometriomas, resultou em melhora da dor, qualidade de vida e redução do tamanho dos cistos. Em relação à reserva ovariana, futuros trabalhos envolvendo número maior de pacientes, são necessários para assegurar a eficácia e segurança do método em relação à fertilidade.