Avaliação de Incidentalomas Adrenais: correlação morfológica e funcional

Show simple item record

dc.contributor.advisor Kater, Claudio Elias [UNIFESP]
dc.contributor.author Huayllas, Martha Katherine Paniagua [UNIFESP]
dc.date.accessioned 2021-01-19T16:31:58Z
dc.date.available 2021-01-19T16:31:58Z
dc.date.issued 2019-11-29
dc.identifier https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=7943254 pt
dc.identifier.uri https://repositorio.unifesp.br/handle/11600/59229
dc.description.abstract Background: Adrenal Incidentalomas occur in 5 percent of adults and can produce autonomous cortisol secretion that increases the risk of metabolic syndrome and cardiovascular disease. Purpose: Evaluate the relationship between adrenal nodule size measured by CT and autonomous cortisol secretion. Patients and methods: In a prospective study of 73 patients aged 42-87 years with incidentalomas, 52 unilateral, 21 bilateral, we measured maximum diameter on CT, serum cortisol at 8.00h, 60 minutes postACTH and after dexamethasone suppression. Also studied were 34 age, gender and BMI matched controls. Statistics used were Spearman correlations, t-tests, ANOVA and multivariate analysis. Results: The mean maximum diameter of unilateral nodules measured by CT was larger on the right 2.78 ± 0.74 cm compared to left 1.97 ± 0.53 cm (p 0.003), in bilateral cases mean diameter of right nodules was 2.62 ± 0.73 cm compared to 1.77± 0.38 cm on left (p 0.014). Mean baseline serum cortisol was significantly higher in incidentalomas, bilateral 13.1 ± 4.5 mcg/dL(p <0.001),unilateral 9.7±3.2 mcg/dL (p <0.019) compared to controls 7.5±3.6 mcg/dL. After dexamethasone, serum cortisol levels suppressed < 1.8 mcg/dl in 100 percent of controls, 33 percent bilateral and 62 percent unilateral incidentalomas (p<0.001).There were significant correlations between CT maximum diameter and post-dexamethasone serum cortisol (ρ= 0.50; p< 0.001) and baseline serum cortisol (ρ= 0.373; p= 0.003). Conclusion: Increasing size of adrenal nodules is associated with more severe hypercortisolism and less dexamethasone suppression, these cases need further evaluation and possibly surgery because of increased risks of metabolic syndrome and cardiovascular mortality. en
dc.description.abstract Incidentalomas adrenais (IA) estão entre as mais intrigantes "doenças" da era moderna; de fato, 5 a 10% das pessoas em idade adulta que realizam um procedimento radiológico do abdome irá encontrar uma imagem nodular unilateral em 80% (1-2). A maioria das lesões adrenais são adenomas, lesões benignas com origem cortical e a literatura mostra que 80% delasão nãofuncionantes, ou seja, não produzem esteróidesem excesso (3). Porém,estudos recentes têm demonstrado que em 20% dos portadores de IA ocorre uma produção subclínica de cortisolde forma autônoma, mas sem quadro clínico manifesto de Síndrome de Cushing. Como consequência, estes pacientes estão mais susceptíveis ao aparecimento de hipertensão arterial, diabetes mellitus, dislipidemia e osteoporose, aumentando os eventos cardiovasculares nesta população e inclusive a mortalidade.Interessante a observação de que a adrenalectomia unilateral demonstra melhora nestes parâmetros (4) com a reversão dos efeitos metabólicos adversos. O diagnóstico de hipercortisolismo subclínico é principalmente baseado no teste de supressão do cortisol após dexametasona com diferentes níveis de corte, sendo o ponto de corte atual em 1,8 mcg/dL; o achado de ACTH e SDHEA suprimidos também corroboram este quadro. Em nosso estudo, 73 pacientes portadores de incidentalomas adrenais, sendo 52 unilaterais foram avaliados sob 3 aspectos: dosagens hormonais por 2 metodologias diferentes (radioimunoenasaio [RIE] e cromatografia líquida acoplada a espectrometria de massas [LC/MS-MS]), avaliação do fenótipo da imagem por tomografia computadorizada (TC) e um painel estendido de esteroides adrenocorticais avaliados por LC/MS-MS. A validação do método do RIE para dosagem do cortisol foi feita pela comparação com a LC/MSMS, realizada no exterior, em artigo publicado em 2018.A correlação entre o fenótipo da lesão (uni e bilateral)avaliado por TC com o grau de supressão após dexametasona foi feita em um dos artigos apresentados nesse material (2019). A dosagem hormonal do cortisol por LC/MS-MS foi usada pela primeira vez na literatura em três cenários: basal, após estímulo com cortrosina e após supressão com dexametasona. A esteroidogênese compreende uma cascata de eventos que culminam com a formação do cortisol, aldosteronae andrógenos.A avaliação de um painel mais amplo e estendido dos precursores esteroides foi realizada na Mayo Clinic em comparação comindivíduos controles. Com a evolução das dosagens hormonais por métodos mais acurados, é importante comparar dosagens hormonais observando a correlação entre o RIE e LC/MS-MS. Este trabalho revela a vasta gama de eventos que cursam nesta patologia tão importante onde correlacionamos, clínica, imagem e hormônios. pt
dc.format.extent 66 p.
dc.language.iso eng
dc.publisher Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
dc.rights Acesso restrito
dc.subject Adrenocortical Incidentalomas en
dc.subject Incidentalomas Adrenais pt
dc.title Avaliação de Incidentalomas Adrenais: correlação morfológica e funcional pt
dc.type Tese de doutorado
dc.contributor.institution Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) pt
dc.description.source Dados abertos - Sucupira - Teses e dissertações (2019)
unifesp.campus São Paulo, Escola Paulista de Medicina pt
unifesp.graduateProgram Medicina (Endocrinologia e Metabologia) pt
unifesp.knowledgeArea Endocrinologia E Metabologia pt
unifesp.researchArea Fisiologia, Fisiopatologia E Etiopatogenia pt
dc.audience.educationlevel Doutorado



File

File Size Format View

There are no files associated with this item.

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Search


Browse

Statistics

My Account