Hairy cell leukemia: a histo-cytochemical and ultra-structural study

Nenhuma Miniatura disponível
Data
1998-03-01
Autores
Gonsalez, Denize [UNIFESP]
Oliveira, José Salvador Rodrigues de [UNIFESP]
Freymüller-Haapalainen, Edna [UNIFESP]
Kerbauy, José [UNIFESP]
Orientadores
Tipo
Artigo
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
We studied five patients with hairy cell leukemia (HCL) diagnosed within the last ten years at the Department of Hematology of Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) - Escola Paulista de Medicina. Our purpose was to analyze the value of transmission electron microscopy (TEM) by comparing this method with the conventional ones. At diagnosis, patients presented weight loss, spleen enlargement and hairy cells (HC) in peripheral blood and bone marrow slides. HC was characterized by morphology and tartrate test resistance in the acid phosphatase reaction (TRAP). At the evaluation time, the amount of HC ranged from 1% to 85% of WBC count. All patients, except two, had phenotype B. In these last two, TRAP as well as phenotype B could not be documented due to low HC numbers in their exams. Cytoplasmatic projections and the absence of lamellar ribosomic complex were the most frequent ultrastructural findings, even in those patients with the lowest HC numbers. Based on these features, TEM is an efficient method for searching for HC at HCL diagnosis and during the course of the disease.
Estudamos cinco pacientes com leucemia de células pilosas (LCP), diagnosticada nos últimos dez anos na Disciplina de Hematologia da Escola Paulista de Medicina. O principal objetivo foi analisar o valor da microscopia eletrônica de transmissão (MET) pela comparação deste método com os convencionais. Pacientes apresentavam no diagnóstico perda de peso, esplenomegalia e células pilosas (CP) no sangue periférico e medula óssea. As CP foram caracterizadas pela morfologia e resistência ao tartarato na reação de fosfatase ácida (FATR). Na época em que foram avaliados, a quantidade de CP variou de 1 a 85% da leucometria. Todos os pacientes tinham fenótipo B, excetuando-se dois nos quais FATR e imunofenótipo não puderam ser documentados devido ao baixo número de CP no sangue periférico e medula óssea. Projeções citoplasmáticas e ausência de complexo ribosômico lamelar foram os mais freqüentes achados na MET, mesmo nos pacientes com baixa porcentagem de CP. Baseado nestes achados concluímos que MET é um método eficiente no diagnóstico e evolução da LCP.
Descrição
Citação
São Paulo Medical Journal. Associação Paulista de Medicina - APM, v. 116, n. 2, p. 1681-1685, 1998.
Coleções