Infecções de corrente sanguínea (ICS) causadas por candida spp em um centro de referência em oncologia pediátrica na América Latina: epidemiologia e fatores associados

Nenhuma Miniatura disponível
Data
2018-04-10
Autores
Silva, Adriana Maria Paixao de Sousa da [UNIFESP]
Orientadores
Pinto, Maria Isabel de Moraes [UNIFESP]
Tipo
Dissertação de mestrado
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo
Introduction: Invasive Fungal Disease (IFD) is an important cause of morbidity and mortality in hospitalized and immunosuppressed children, with blood stream infection (BSI) by Candida spp being the most prevalent infection. The recognition of patients at risk for candidemia is paramount, since this infection does not have specific clinical signs and symptoms and the delay in diagnosis and therapy has an impact on the prognosis. Aim: To characterize the BSI caused by Candida spp in a reference center for pediatric oncology. Materials and Methods: A retrospective cohort study was carried out through the evaluation of data from medical records of pediatric patients, aged 0 to 18 years old, followedup at the Institute of Pediatric Oncology, São Paulo, Brazil, who presented at least one positive blood culture for Candida spp from January 2004 to December 2016. Results: 90 episodes of candidemia were analyzed, with a median age of 4.5 years (0.117.9), with a predominance of males (57.8% 52/ 90) and solid tumors (54.5% 49/ 90). Among the associated factors to BSI by Candida spp, presence of central venous catheter (CVC) (93.3% 84/ 90), previous use of antibiotic (87.8% 79/ 90) and chemotherapy (72.2% 65/ 90) were most prevalent. The most common Candida species were C. albicans (35.5% 32/ 90), C. parapsilosis (30.0% 27/ 90) and C. tropicalis (16.7% 15/ 90). BSI by C. tropicalis was more associated with previous use of chemotherapy (p=0.007) and neutropenia (p=0.001) when compared to the other species, and less associated with presence of CVC (p=0.006). Polymicrobial infection was more associated with BSI by C. albicans compared to nonalbicans Candida (p=0.031). The majority of patients had fever (87.8% 79/ 90) and patients with C. tropicalis had more skin lesions (p=0.006). The majority used polyenes as the first therapeutic option (68.9% 62/ 90) and in 32/90 episodes (35.5%) antifungal replacement was needed. Therapeutic success was achieved in 57/90 episodes (67.1%), with advanced age (p=0.003) and thrombocytopenia (p=0.032) related to therapeutic failure. Death in 30 days was 24.4% (22/90). Predictive factors for death were advanced age (p=0.007) and being in an ICU (p=0.001). Candidemia by C. parapsilosis was a protective factor for evolution to death when compared to C. albicans (p=0.004). Conclusion: BSI by C. tropicalis was more related to chemotherapy, neutropenia and development of skin lesions when compared to other species. Death rate was significant, with advanced age, thrombocytopenia and being in an ICU associated with a worse prognosis. Infection by C. parapsilosis proved to be a protective factor for evolution to death.
A doença fúngica invasiva (DFI) é uma causa importante de morbimortalidade em crianças hospitalizadas e imunossuprimidas, sendo a infecção de corrente sanguínea (ICS) por Candida spp a mais prevalente. O reconhecimento dos pacientes de risco para candidemia é primordial, uma vez que esta infecção não possui sinais e sintomas clínicos específicos e o atraso no diagnóstico e terapêutica impacta no prognóstico. Objetivo: Caracterizar as ICS causadas por Candida spp em um centro de referência em oncologia pediátrica. Métodos: Estudo de coorte retrospectivo através de avaliação de dados de registros médicos de pacientes pediátricos de 0 a 18 anos acompanhados no Instituto de Oncologia Pediátrica, São Paulo, Brasil, que apresentaram pelo menos uma hemocultura positiva para Candida spp no período de janeiro de 2004 a dezembro de 2016. Resultados: Foram analisados 90 episódios de candidemia, sendo que a mediana de idade foi de 4,5 anos (0,117,9), com uma discreta predominância do sexo masculino (57,8% 52/ 90) e de tumores sólidos (54,5% 49/ 90). Entre os fatores associados à ICS por Candida spp merecem destaque a presença de cateter venoso central (CVC) (93,3% 84/ 90), o uso prévio de antibiótico (87,8% 79/ 90) e de quimioterapia (72,2% 65/ 90). As espécies de Candida mais encontradas foram C. albicans (35,5% 32/ 90), C. parapsilosis (30,0% 27/ 90) e C. tropicalis (16,7% 15/ 90). A ICS por C. tropicalis esteve mais associada à neutropenia (p=0,001) e quimioterapia prévia (p=0,007), quando comparada às demais espécies, e menos à presença de CVC (p=0,006). A infecção polimicrobiana esteve mais associada à ICS por C. albicans em comparação às Candidas não albicans (p=0,031). A maioria dos pacientes apresentou febre (87,8% 79/ 90) e pacientes com C. tropicalis apresentaram mais lesões de pele (p=0,006). A maioria utilizou polienos como primeira opção terapêutica (68,9% 62/ 90), sendo que em 32/90 episódios (35,5%) houve necessidade de troca do antifúngico. Sucesso terapêutico foi alcançado em 57/90 episódios (67,1%), sendo que idade mais avançada (p=0,003) e trombocitopenia (p=0,032) foram relacionados à falha terapêutica. O óbito em 30 dias foi de 24,4% (22/90). Fatores preditivos de óbito em 30 dias foram idade mais avançada (p=0,007) e internação em UTI (p=0,001). Candidemia por C. parapsilosis foi fator de proteção para evolução para óbito, em comparação com C. albicans (p=0,004). Conclusão: Observouse que C. tropicalis esteve mais relacionada à quimioterapia, neutropenia e evolução para lesões de pele quando comparada às outras espécies. A taxa de óbito foi expressiva, com idade mais avançada, trombocitopenia e internação em UTI associados a um pior prognóstico. A ICS por C. parapsilosis mostrouse fator protetor de evolução para óbito.
Descrição
Citação