Show simple item record

dc.contributor.advisorOliveira-Monteiro, Nancy Ramacciotti de [UNIFESP]
dc.contributor.authorCosta, Cintia Maria Rosa Faria da [UNIFESP]
dc.date.accessioned2019-06-19T14:57:46Z
dc.date.available2019-06-19T14:57:46Z
dc.date.issued2017-05-29
dc.identifierhttps://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=5284346pt
dc.identifier.citationCOSTA, Cintia Maria Rosa Faria da. A co-dependência em adolescentes: correlações e apontamentos. 2017. 44 f. Dissertação (Mestrado Interdisciplinar em Ciências da Saúde) - Instituto de Saúde e Sociedade, Universidade Federal de São Paulo, Santos, 2017.pt
dc.identifier.urihttps://repositorio.unifesp.br/handle/11600/50339
dc.description.abstractIntrodução: o conceito de co-dependência é permeado de controvérsias, mas tende a ser relacionado a dificuldades emocionais e comportamentais, relativas aos familiares de dependentes de substâncias psicoativas, podendo também abranger contextos de desestruturação familiar não associados à dependência dessas substâncias. Objetivo: analisar a co-dependência em adolescentes filhos de pais dependentes de substâncias psicoativas. Método: trata-se de um estudo descritivo e quantitativo realizado com 30 adolescentes, de 13 a 18 anos, de um município do Estado de São Paulo, Brasil. Foram utilizados: a Escala Spann Fischer, o Youth Self-Report, a Escala Egna Minnen Betraffande Uppfostran e o Questionário PPCT/Co-dependência, formulado especificamente para o estudo. Os dados desses instrumentais passaram por análise descritiva e correlacional. Os quatro adolescentes que apresentaram os maiores índices de co-dependência foram também avaliados por vértices do modelo PPCT (Pessoa Processo Contexto Tempo), de Bronfenbrenner e Morris. Resultados: não foi constatada correlação significativa entre a co-dependência e o tempo de exposição contínua ao dependente de substâncias psicoativas para os dois sexos, sendo constatada forte correlação entre tempo de exposição intermitente ao dependente de substâncias psicoativas para os meninos. Ainda, foi verificada forte correlação entre a co-dependência e problemas de ordem internalizantes e externalizantes para meninas, moderada correlação entre co- dependência e problemas internalizantes para os meninos, além de significativa associação entre co-dependência e estilos de vinculação de superproteção para os dois sexos, bem como entre co-dependência e estilos de vinculação de rejeição, mas somente quando relativa a outros cuidadores. Considerações finais: o estudo pôde ampliar a compreensão da co- dependência partindo-se de uma conjuntura biopsicossocial, o que transcende a mera existência de uma pessoa de convívio, portadora de dependência de substâncias psicoativas.pt
dc.description.abstractThe concept of co-dependence is permeated by controversies, but tends to be related to emotional and behavioral difficulties related to family members of psychoactive substance dependents, and may also include contexts of family disruption that are not associated with addiction. Objective: to analyze the co-dependence among adolescent children of parents who are dependent on psychoactive substances. Method: This is a descriptive and quantitative study of 30 adolescents, aged 13 to 18 years, from a city in the State of São Paulo, Brazil. The Spann Fischer Scale, the Youth Self-Report, the Egna Minnen Betraffande Uppfostran Scale and the PPCT/Co-dependence Questionnaire, formulated specifically for the study, were used. Data from these instruments went through descriptive and correlational analysis. The four adolescents who presented the highest indices of co- dependence were also evaluated by vertices of the PPCT (Person Process Context Time), Bronfenbrenner and Morris. Results: no significant correlation between co-dependence and continuous exposure to psychoactive substances was observed for both sexes. A strong correlation between the time of intermittent exposure to the psychoactive substances was observed for boys. Also, a strong correlation was observed between co-dependence and internalizing and externalizing problems for girls, a moderate correlation between co- dependence and internalizing problems for boys, and a significant association between co- dependence and overprotection binding styles for children. Two sexes, as well as between co- dependence and rejection linkage styles, but only when relative to other caregivers. Final considerations: the study was able to broaden the understanding of co-dependence starting from a biopsychosocial conjuncture, which transcends the mere existence of a person of conviviality, with dependence of psychoactive substances.en
dc.format.extent44 f..
dc.language.isopor
dc.publisherUniversidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
dc.rightsAcesso restrito
dc.subjectCo-Dependenceen
dc.subjectAdolescenten
dc.subjectHuman Developmenten
dc.subjectBiopsicossocialen
dc.subjectVulnerabilityen
dc.subjectCo-Dependênciapt
dc.subjectAdolescentept
dc.subjectDesenvolvimento Humanopt
dc.subjectBiopsicossocialpt
dc.subjectVulnerabilidadept
dc.titleA co-dependência em adolescentes: correlações e apontamentospt
dc.typeDissertação de mestrado
dc.contributor.institutionUniversidade Federal de São Paulo (UNIFESP)pt
dc.identifier.file2017-0491.pdf
dc.description.sourceDados abertos - Sucupira - Teses e dissertações (2017)
unifesp.campusSantos, Instituto de Saúde e Sociedadept
unifesp.graduateProgramInterdisciplinar em Ciências da Saúdept
unifesp.knowledgeAreaPromoção, Prevenção e Reabilitação em Saúdept
unifesp.researchAreaCiências Humanas, Sociais e Saúdept
dc.contributor.authorLatteshttp://lattes.cnpq.br/1888774929548352pt
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/4064588869236649pt


Files in this item

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record